Po­lí­ti­ca em fa­mí­lia

Com três fi­lhos em car­gos le­gis­la­ti­vos, o clã de Jair Bol­so­na­ro se con­so­li­da no po­der com uma for­ça iné­di­ta na his­tó­ria do País

ISTO É - - BRASIL - An­dré Sol­lit­to

Éa pri­mei­ra vez na his­tó­ria do Bra­sil que uma fa­mí­lia as­su­me o po­der de for­ma tão co­e­sa quan­to os Bol­so­na­ro. Ha­ve­rá re­pre­sen­tan­tes do clã em três ins­tân­ci­as le­gis­la­ti­vas. No Se­na­do, es­ta­rá o fi­lho mais ve­lho, Flá­vio, 37 anos, eleito se­na­dor pe­lo Rio de Ja­nei­ro com 31% dos vo­tos. Na Câ­ma­ra Fe­de­ral, ocu­pa­rá as­sen­to Edu­ar­do, 34 anos, o de­pu­ta­do fe­de­ral mais vo­ta­do do País, com 1,8 mi­lhão de vo­tos. Na Câ­ma­ra do Rio de Ja­nei­ro, con­ti­nu­a­rá atu­an­do o fi­lho do meio, Car­los, 35 anos. Em 2016, ele foi eleito ve­re­a­dor com nú­me­ro re­cor­de de vo­tos. Os três são fi­lhos do pri­mei­ro ca­sa­men­to do presidente eleito, com Ro­gé­ria Nan­tes Nu­nes Bra­ga, e, ca­da um a sua ma­nei­ra, in­flu­en­ci­am nas de­ci­sões do pai. Não sem do­ses de ciú­mes, rom­pi­men­tos e bri­gas.

Os de­sen­ten­di­men­tos são fru­to dos tem­pe­ra­men­tos le­ve­men­te di­fe­ren­tes en­tre os fi­lhos de Bol­so­na­ro e en­tre eles e o pai. Ne­nhum de­les é o que se po­de cha­mar de uma pes­soa mo­de­ra­da, mas eles se destacam en­tre si no grau de ra­di­ca­lis­mo de su­as po­si­ções. Flá­vio, ou 01, co­mo Jair se re­fe­re a ele, usan­do o lin­gua­jar mi­li­tar pa­ra enu­me­rar sua pro­le, é o mais mo­de­ra­do. Ad­vo­ga­do, de­fen­de as pro­pos­tas do pai, mas ten­de a di­a­lo­gar com a opo­si­ção, ao con­trá­rio dos ir­mãos. Nes­se ano, de­so­be­de­cen­do Bol­so­na­ro, fez cam­pa­nha pa­ra o go­ver­na­dor eleito no Rio, Wil­son Wit­zel, pe­lo PSC.

For­ma­do em Ci­ên­ci­as Ae­ro­náu­ti­cas, Car­los, o 02, é ve­re­a­dor des­de 2000, quan­do as­su­miu o car­go ain­da com 17 anos. Seu

de­sem­pe­nho na Câ­ma­ra mu­ni­ci­pal ca­ri­o­ca é pou­co ex­pres­si­vo, mas den­tro da cam­pa­nha do pai te­ve pa­pel de­ci­si­vo. Ele foi o ar­ti­cu­la­dor da es­tra­té­gia di­gi­tal res­pon­sá­vel, em boa par­te, pe­la vi­tó­ria de Bol­so­na­ro. Mas o tom mais agres­si­vo que ado­tou foi mui­tas ve­zes cri­ti­ca­do pe­los ir­mãos. No en­tan­to, no pe­río­do elei­to­ral, fi­cou bem pró­xi­mo de Bol­so­na­ro, tor­nan­do-se con­se­lhei­ro fre­quen­te do fu­tu­ro presidente.

CIÚ­MES E RE­PRI­MEN­DA

A pro­xi­mi­da­de de Car­los com o pai des­per­tou ciú­mes en­tre os ou­tros dois ir­mãos, es­pe­ci­al­men­te em Edu­ar­do, o ca­çu­la 03. Po­li­ci­al fe­de­ral e for­ma­do em Di­rei­to, ele sem­pre foi vis­to co­mo o her­dei­ro de Jair, pe­la se­me­lhan­ça de po­si­ções e de tem­pe­ra­men­to, in­clu­si­ve na pu­bli­ca­ção de de­cla­ra­ções ex­plo­si­vas. Uma das úl­ti­mas ren­deu ao pai um mo­men­to de­li­ca­do na cam­pa­nha. Em even­to no Pa­ra­ná, Edu­ar­do afir­mou que bas­ta­ria um ca­bo e um sol­da­do pa­ra fe­char o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral. Os mi­nis­tros do STF re­a­gi­ram e, no dia se­guin­te, Bol­so­na­ro foi obri­ga­do a di­zer que ha­via da­do uma re­pri­men­da no “ga­ro­to”.

É di­fí­cil sa­ber co­mo se da­rá a atu­a­ção de ca­da um de­les no go­ver­no do pai e quan­to ba­ru­lho cau­sa­rão. Mas o fa­to é que os três exer­ce­rão im­pac­to nas de­ci­sões de Bol­so­na­ro. O presidente eleito tem um quar­to fi­lho ho­mem, Re­nan. Ele é fru­to de seu se­gun­do ca­sa­men­to, com Ana Cris­ti­na Valle. O jo­vem tem 20 anos e so­men­te agora co­me­ça a se in­te­res­sar pe­la po­lí­ti­ca.

Lon­ge da ex­po­si­ção, mas com for­te in­fluên­cia so­bre Bol­so­na­ro, es­tá a fu­tu­ra pri­mei­ra-da­ma Mi­chel­le. Na cam­pa­nha, te­ve atu­a­ção apa­ga­da, apa­re­cen­do ape­nas pa­ra ten­tar su­a­vi­zar a ima­gem do ma­ri­do em um pro­gra­ma elei­to­ral vei­cu­la­do às vés­pe­ras do se­gun­do tur­no. Ela já avi­sou que, em pú­bli­co, se­rá dis­cre­ta. Mi­chel­le cul­ti­va a fa­ma de con­tro­lar o aces­so ao ma­ri­do, que a es­cu­ta em ques­tões que vão além do co­ti­di­a­no do­més­ti­co. Sua prin­ci­pal ban­dei­ra é a de­fe­sa de pes­so­as com ne­ces­si­da­des es­pe­ci­ais. Flu­en­te em Libras, a Lín­gua Bra­si­lei­ra de Sinais, ela fez com que Bol­so­na­ro as­si­nas­se um ter­mo de com­pro­mis­so pa­ra me­lho­rar a vi­da des­sa po­pu­la­ção. Mi­chel­le apren­deu o idi­o­ma por cau­sa de um tio de­fi­ci­en­te au­di­ti­vo e se apri­mo­rou após fi­car ami­ga de um ca­sal de sur­dos em uma igre­ja evan­gé­li­ca que fre­quen­tou.

Mi­chel­le e o presidente eleito se co­nhe­ce­ram em 2006, quan­do ela tra­ba­lha­va co­mo se­cre­tá­ria na Câ­ma­ra. Foi le­va­da pa­ra o ga­bi­ne­te de Bol­so­na­ro e ca­sa­ram-se no ci­vil dois me­ses de­pois. Em 2008 dei­xou o car­go após o STF proi­bir o ne­po­tis­mo no ser­vi­ço pú­bli­co. A ce­rimô­nia só ocor­reu em 2013, ce­le­bra­da pe­lo pas­tor evan­gé­li­co Si­las Ma­la­faia. A fes­ta sim­bo­li­zou a con­ver­são do fu­tu­ro presidente, an­tes ca­tó­li­co. O apoio dos evan­gé­li­cos foi fun­da­men­tal pa­ra sua elei­ção. O ca­sal tem uma fi­lha, Lau­ra, de 8 anos. Mi­chel­le ou­tra, Le­tí­cia, de 16 anos, fru­to de um re­la­ci­o­na­men­to an­te­ri­or. De lon­ge, es­ta­rão tam­bém apoi­an­do Bol­so­na­ro sua mãe, Olin­da, e seus cin­co ir­mãos. Nun­ca uma fa­mí­lia ame­a­lhou tan­ta for­ça po­lí­ti­ca.

Ape­sar das di­ver­gên­ci­as en­tre os fi­lhos, to­dos te­rão um pa­pel nas de­ci­sões do pai na Pre­si­dên­cia

CA­SA Edu­ar­do, Re­nan, Car­los e Edu­ar­do: in­flu­en­ci­a­dos pe­la po­lí­ti­ca do pai des­de ce­do

PRI­MEI­RA-DA­MA Dis­cre­ta em pú­bli­co, a es­po­sa Mi­chel­le exer­ce for­te in­fluên­cia so­bre o no­vo presidente

APOIO Do­na Olin­da, mãe de Bol­so­na­ro, e as ir­mãs Ma­ria De­ni­se (à esq.) e Vâ­nia. Ele tem mais três ir­mãos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.