Sor­rir ain­da é o me­lhor re­mé­dio

Pro­gra­mas de saú­de bu­cal es­pa­lha­dos pe­lo Bra­sil ofe­re­cem mais qu­a­li­da­de de vi­da à po­pu­la­ção

ISTO É - - SENAC APRESENTA -

Apri­mei­ra im­pres­são é a que fi­ca, diz o di­ta­do po­pu­lar. E, nes­se mo­men­to, quan­to re­pre­sen­ta um be­lo sor­ri­so? Mui­to. Afi­nal, a saú­de bu­cal pos­si­bi­li­ta ele­va­ção de au­to­es­ti­ma, qu­a­li­da­de de vi­da e pre­ven­ção de do­en­ças. Es­pe­ci­a­lis­tas afir­mam, por exem­plo, que a per­da dos den­tes po­de ser res­pon­sá­vel por con­sequên­ci­as de gran­de im­pac­to na vi­da das pes­so­as co­mo re­du­ção da qu­a­li­da­de na ali­men­ta­ção e in­se­gu­ran­ça nas re­la­ções in­ter­pes­so­ais. De acor­do com a Pes­qui­sa Na­ci­o­nal de Saú­de, re­a­li­za­da em 2013 pe­lo Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE), 89,1% dos bra­si­lei­ros de 18 anos ou mais es­co­vam os den­tes pe­lo me­nos du­as ve­zes por dia. Es­se per­cen­tu­al é me­nor na área ru­ral (79%) do que na área ur­ba­na (90,7%). As mu­lhe­res fo­ram mais re­pre­sen­ta­ti­vas (91,5%) do que os ho­mens (86,5%) na ma­nu­ten­ção des­se há­bi­to. A fal­ta de in­for­ma­ção é um dos pro­ble­mas a ser ven­ci­do. Par­ce­la da po­pu­la­ção não tem co­nhe­ci­men­to so­bre a im­por­tân­cia de man­ter saú­de bu­cal e, quan­do pre­ci­sa da aju­da de um pro­fis­si­o­nal de odon­to­lo­gia, aca­ba es­bar­ran­do em al­guns obs­tá­cu­los. É o ca­so de gran­de par­te da comunidade da As­so­ci­a­ção Se­men­te da Vi­da, lo­ca­li­za­da

na Ci­da­de de Deus, no Rio de Ja­nei­ro. O pos­to de saú­de no lo­cal até tem ser­vi­ço odon­to­ló­gi­co, mas as va­gas são ex­tre­ma­men­te con­cor­ri­das e di­fi­cul­ta a vi­da de qu­em pre­ci­sa de aten­di­men­to. Pa­ra es­sa e di­ver­sas ou­tras co­mu­ni­da­des no Bra­sil, a aju­da che­gou so­bre ro­das. O OdontoSesc, cri­a­do há 20 anos, con­ta com fro­ta de 59 uni­da­des mó­veis que per­cor­rem pe­ri­fe­ri­as de gran­des ci­da­des e mu­ni­cí­pi­os do in­te­ri­or de to­do o País, per­ma­ne­cen­do por 90 di­as úteis em ca­da lo­cal e com aten­di­men­to gra­tui­to à po­pu­la­ção ca­ren­te. “Acho fa­bu­lo­so por­que não te­mos es­se ti­po de aten­di­men­to den­tá­rio den­tro da nos­sa comunidade. Ain­da mais com es­sa qu­a­li­da­de. Ti­ve­mos a opor­tu­ni­da­de de en­ca­mi­nhar mui­tas fa­mí­li­as, com des­ta­que tam­bém pa­ra as ori­en­ta­ções pas­sa­das em ví­de­os edu­ca­ti­vos às pes­so­as en­quan­to aguar­da­vam aten­di­men­to”, res­sal­ta a presidente da As­so­ci­a­ção Se­men­te da Vi­da, Ma­ria do So­cor­ro Me­lo Bran­dão. Ela sa­li­en­ta que se tra­ta de um aten­di­men­to de pri­mei­ra li­nha, com pro­fis­si­o­nais com­pro­me­ti­dos, aten­ci­o­sos e res­pei­to­sos. De acor­do com So­cor­ro, co­mo é co­nhe­ci­da na re­gião, a as­so­ci­a­ção tam­bém fez par­ce­ria com a uni­da­de pa­ra a re­a­li­za­ção de tra­ba­lho edu­ca­ci­o­nal jun­to aos jo­vens da ins­ti­tui­ção. “Ter o OdontoSesc aqui den­tro não tem pre­ço que pa­gue”, afir­ma. Um dos res­pon­sá­veis pe­la ati­vi­da­de edu­ca­ti­va é Vic­tor Cou­ti­nho Mel­lo Ma­cha­do, ana­lis­ta de Odon­to­lo­gia do Sesc. A de­di­ca­ção e pra­zer no que faz são cla­ra­men­te re­fle­ti­dos nas pa­la­vras do pro­fis­si­o­nal, que dis­cor­re en­tu­si­as­ma­do so­bre a par­ce­ria com as pre­fei­tu­ras de ca­da ci­da­de e o for­ta­le­ci­men­to do tra­ba­lho do es­ta­do com a saú­de pú­bli­ca. “A mi­nha ex­pe­ri­ên­cia na Ci­da­de de Deus vai além da odon­to­lo­gia. Fi­ze­mos um tra­ba­lho com nar­có­ti­cos e al­coó­li­cos, en­tão a odon­to­lo­gia era um ca­mi­nho pa­ra tra­tar ou­tros pro­ble­mas de saú­de. Vi­mos mui­tas pes­so­as con­quis­tan­do o di­rei­to e ci­da­da­nia. Aque­le ser hu­ma­no res­ta­be­le­cia a sua es­té­ti­ca, se tor­na­va mais acei­to na so­ci­e­da­de. Hou­ve o ca­so de uma pa­ci­en­te que fi­cou qua­tro me­ses sem bei­jar o ma­ri­do na bo­ca por­que es­ta­va sem dente e com ou­tros que­bra­dos. Po­de pa­re­cer coi­sa pe­que­na, mas não é”, con­ta. Co­mo pro­fis­si­o­nal da área da saú­de, Ma­cha­do se sen­te gra­ti­fi­ca­do em va­lo­ri­zar a vi­da de ou­tras pes­so­as. “Não foi uma ven­da de ser­vi­ço. Le­va­mos dig­ni­da­de, mos­tra­mos pa­ra aque­la pes­soa que ela é al­guém”, com­ple­ta. Em São Pau­lo, as clí­ni­cas odon­to­ló­gi­cas do Sesc ofe­re­cem ser­vi­ços em am­plo es­pec­tro, da aten­ção bá­si­ca à aten­ção es­pe­ci­a­li­za­da em saú­de bu­cal. O es­ta­do ain­da con­ta com 27 clí­ni­cas fi­xas e cin­co mó­veis. O ser­vi­ço é apro­va­do por Ju­ran­dir Jor­ge Jú­ni­or, de 46 anos. “O Sesc é no­ta mil e o va­lor é su­per aces­sí­vel. Pa­ra mim, o aten­di­men­to é me­lhor do que em qu­al­quer ou­tra clí- ni­ca. Eu ti­nha uma in­fec­ção mui­to gran­de na bo­ca, cau­sa­da por um im­plan­te com ma­te­ri­al de má qu­a­li­da­de re­a­li­za­do em ou­tro lo­cal, e fa­ço o tra­ta­men­to há um ano. Não te­nho pa­la­vras pa­ra des­cre­ver”, elo­gia o pa­ci­en­te. De acor­do com o as­sis­ten­te téc­ni­co da Ge­rên­cia de Saú­de e Ali­men­ta­ção - Odon­to­lo­gia, Ro­gé­rio Ru­a­no, o aten­di­men­to é ex­clu­si­vo pa­ra qu­em tra­ba­lha no co­mér­cio de bens, ser­vi­ços e tu­ris­mo e de­pen­den­tes, que têm o car­tão do Sesc. So­men­te em São Pau­lo, fo­ram 52 mil pes­so­as aten­di­das em 2017, com cer­ca de 702 mil con­sul­tas. “A equi­pe odon­to­ló­gi­ca tra­ba­lha com ações de va­lo­ri­za­ção e aco­lhi­men­to ao pú­bli­co, res­pei­tan­do as su­as ne­ces­si­da­des, o seu ci­clo de vi­da e o con­tex­to so­ci­al no qual se in­se­re. Is­so re­quer ca­pa­ci­ta­ção e aper­fei­ço­a­men­to cons­tan­tes dos pro­fis­si­o­nais”, fi­na­li­za Ru­a­no.

ODONTOSESC: uni­da­de mó­vel ofe­re­ce aten­di­men­to gra­tui­to em bair­ros com pou­ca ou ne­nhu­ma ofer­ta de ser­vi­ços odon­to­ló­gi­cos

CLÍ­NI­CAS ODON­TO­LÓ­GI­CAS: 145 con­sul­tó­ri­os no es­ta­do de São Pau­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.