Há­bi­tos sau­dá­veis são cons­truí­dos des­de ce­do

Ati­vi­da­des lú­di­cas trans­for­mam a re­la­ção en­tre den­tis­tas e cri­an­ças

ISTO É - - SENAC APRESENTA -

Cri­an­ça e den­tis­ta são du­as pa­la­vras que, mui­tas ve­zes, não “com­bi­nam”. Qu­em nun­ca ou­viu fa­lar so­bre a di­fi­cul­da­de pa­ra le­var um fi­lho, so­bri­nho ou ne­to pe­que­no em um con­sul­tó­rio odon­to­ló­gi­co? Tal en­tra­ve é re­fle­ti­do em pro­ble­mas bu­cais des­de ce­do. O me­do da cri­an­ça com re­la­ção ao den­tis­ta é al­go a ser su­pe­ra­do e a vi­da es­co­lar po­de ser uma gran­de ali­a­da na ten­ta­ti­va de pas­sar por ci­ma des­se “trau­ma” da in­fân­cia. E é jus­ta­men­te nas es­co­las que o Sesc ten­ta es­ti­mu­lar as cri­an­ças a li­dar me­lhor com o con­sul­tó­rio odon­to­ló­gi­co e construir há­bi­tos sau­dá­veis des­de ce­do. É o ca­so do ABCDen­te, pro­gra­ma de­sen­vol­vi­do pe­lo Sesc em Per­nam­bu­co. “Ain­da exis­te mui­to me­do do den­tis­ta, da ca­dei­ra, do ba­ru­lhi­nho dos equi­pa­men­tos. Es­se tra­ba­lho aju­da a ti­rar es­se te­mor. A cri­an­ça pas­sa a gos­tar da equi­pe, se sen­te à von­ta­de e até quer ir pa­ra a clí­ni­ca par­ti­ci­par das ati­vi­da­des. Is­so tudo au­xi­lia bas­tan­te tam­bém em re­la­ção ao me­do dos pró­pri­os pais. As cri­an­ças en­xer­gam o den­tis­ta co­mo um par­cei­ro”, con­ta Su­la­mi­ta Mei­ra Al­mei­da, mãe do Hei­tor, 13, e do Benjamin, 4.

O ABCDen­te é des­ti­na­do à cri­a­ção de há­bi­tos sau­dá­veis de hi­gi­e­ne e di­e­ta dos alu­nos do En­si­no In­fan­til do Sesc San­to Ama­ro e Sesc Ca­sa Ama­re­la, no Re­ci­fe. Por ano, o pro­je­to con­tem­pla 400 cri­an­ças de três a seis anos com téc­ni­cas de es­co­va­ção e uso de fio den­tal, uti­li­zan­do ati­vi­da­des lú­di­cas, fan­to­ches e te­a­tro. Além dis­so, é ofe­re­ci­do tra­ta­men­to cu­ra­ti­vo na clí­ni­ca odon­to­ló­gi­ca do Sesc, quan­do ne­ces­sá­rio, e apli­ca­ção de flúor du­as ve­zes ao ano. Pa­ra a den­tis­ta Ma­ri­le­ne de Fá­ti­ma Mei­re­les Duarte, co­or­de­na­do­ra do ABCDen­te, as cri­an­ças são co­mo agen­tes am­pli­fi­ca­do­res por­que tudo que vi­ven­ci­am e apren­dem no pro­je­to aca­bam re­pas­san­do pa­ra os pais, avós e de­mais fa­mi­li­a­res. “Mes­mo aos pe­que­ni­ni­nhos, nós en­si­na­mos, por exem­plo, co­mo os avós de­vem co­lo­car a pró­te­se den­tá­ria. É mui­to im­por­tan­te por­que a cri­an­ça con­se­gue trans­mi­tir os co­nhe­ci­men­tos pa­ra a fa­mí­lia in­tei­ra. Con­se­gui­mos mu­dar há­bi­tos, fa­lar so­bre nu­tri­ção, en­tre ou­tras coi­sas. Tudo ba­se­a­do no que a po­pu­la­ção lo­cal tem aces­so”, ex­pli­ca. Além do ABCDen­te, o Odon­toSo­ci­al é o ou­tro pro­je­to em Per­nam­bu­co. Com 15 anos de exis­tên­cia, foi res­pon­sá­vel por be­ne­fi­ci­ar mais de 3 mil cri­an­ças e ado­les­cen­tes de seis a 16 anos, aten­di­dos por ins­ti­tui­ções que re­ce­bem do­a­ções do Ban­co de Ali­men­tos. De acor­do com o che­fe de Odon­to­lo­gia do Sesc em Per­nam­bu­co, Wlad­mir Go­mes de Lu­ce­na, o Odon­toSo­ci­al re­a­li­za tra­ta­men­tos cu­ra­ti­vos e pre­ven­ti­vos, além de ações edu­ca­ti­vas so­bre saú­de bu­cal. “O pro­je­to pro­mo­ve gran­de im­pac­to de in­clu­são e ci­da­da­nia em cri­an­ças e jo­vens em si­tu­a­ção de vul­ne­ra­bi­li­da­de so­ci­al. To­do o tra­ba­lho ocor­re de for­ma in­te­gra­da, en­vol­ven­do odon­tó­lo­gos, téc­ni­cos e au­xi­li­a­res em odon­to­lo­gia, nu­tri­ci­o­nis­tas e as­sis­ten­tes soci­ais, vi­san­do à me­lho­ria da qu­a­li­da­de de vi­da a par­tir da edu­ca­ção em hi­gi­e­ne bu­cal e do in­cen­ti­vo a há­bi­tos e di­e­ta ali­men­tar sau­dá­veis”, de­ta­lha. O pro­gra­ma Sor­rin­do pa­ra o Fu­tu­ro é re­a­li­za­do em con­jun­to com as pre­fei­tu­ras do Rio Gran­de do Sul des­de 2003, res­pon­sá­vel por acom­pa­nhar cer­ca de 200 mil alu­nos da Edu­ca­ção In­fan­til ao 5º ano do En­si­no Fun­da­men­tal, em mais de 400 ci­da­des do es­ta­do. São de­sen­vol­vi­das ações e con­teú­dos re­fe­ren­tes à im­por­tân­cia da saú­de bu­cal, es­tí­mu­lo à es­co­lha por ali­men­tos sau­dá­veis e prá­ti­ca de ati­vi­da­de fí­si­ca. Os alu­nos re­ce­bem um kit pa­ra re­a­li­za­ção de es­co­va­ção bu­cal (com­pos­to de né­ces­sai­re, es­co­va den­tal, cre­me den­tal flu­o­re­ta­do e fio den­tal) e uma car­ti­lha com con­teú­do vol­ta­do a es­ses te­mas, tra­ba­lha­dos em sa­la de au­la de for­ma lú­di­ca, com lin­gua­gem pe­da­gó­gi­ca apro­pri­a­da a ca­da uma das sé­ri­es es­co­la­res con­tem­pla­das pe­lo pro­gra­ma, acres­ci­das de pa­les­tras, te­a­tros de fan­to­ches e ou­tras prá­ti­cas edu­ca­ti­vas. Com frequên­cia, es­ti­mu­lar os fi­lhos a es­co­var os den­tes se tor­na uma gran­de mis­são pa­ra pais e mães. Era o ca­so do Dé­rick, de 11 anos, fi­lho da Lu­ci­le­ne Si­quei­ra Mor­ru­do. Se­gun­do a mãe, sem­pre era pre­ci­so in­sis­tir, mas após par­ti­ci­par do pro­gra­ma Sor­rin­do pa­ra o Fu­tu­ro na es­co­la, em Ben­to Gonçalves (RS), a ini­ci­a­ti­va pas­sou a ser es­pon­tâ­nea. “Não tí­nha­mos o há­bi­to de com­prar fio den­tal e quan­do ele ga­nhou o kit, fi­cou bem fe­liz, dis­se que não te­ria mais des­cul­pa e to­dos de­ve­ri­am usar o fio den­tal em ca­sa”, con­ta. De acor­do com o co­or­de­na­dor es­ta­du­al do Pro­gra­ma, Le­an­dro Sa­pi­ro, o pro­je­to ele­va as chan­ces de se­di­men­tar e per­pe­tu­ar os co­nhe­ci­men­tos du­ran­te a in­fân­cia e ado­les­cên­cia, con­tri­buin­do pa­ra a for­ma­ção de adul­tos mais sau­dá­veis e, por con­sequên­cia, me­nos de­pen­den­tes das di­ver­sas es­fe­ras dos ser­vi­ços pú­bli­cos de saú­de. Ele des­ta­ca que em um ce­ná­rio de es­cas­sez de re­cur­sos, as­so­ci­a­do à cres­cen­te lon­ge­vi­da­de, ga­nha for­ça a ne­ces­si­da­de de a so­ci­e­da­de se cons­ci­en­ti­zar em re­la­ção à res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al. “Vi­ver­mos de for­ma dis­pli­cen­te, des­com­pro­me­ti­dos em re­la­ção à nos­sa saú­de, e sim­ples­men­te apre­sen­tar­mos a con­ta a um ter­cei­ro ao ado­e­cer­mos, por con­ta de al­go que po­de­ria ser si­do fa­cil­men­te pre­ve­ni­do, não é o ide­al. Tra­ta-se de uma ati­tu­de ca­da vez me­nos com­pa­tí­vel com a es­cas­sez de lei­tos hos­pi­ta­la­res e a me­di­ci­na de al­ta com­ple­xi­da­de, que agre­ga cus­tos ex­po­nen­ci­ais. É im­pres­cin­dí­vel va­lo­ri­zar­mos ações vol­ta­das à edu­ca­ção e pre­ven­ção em saú­de - co­mo o Sor­rin­do Pa­ra o Fu­tu­ro - que con­tri­bu­em pa­ra a re­du­ção das do­en­ças di­tas com­por­ta­men­tais, agre­gan­do sus­ten­ta­bi­li­da­de econô­mi­ca e so­ci­al”, con­clui.

ABCDEN­TE, EM PER­NAM­BU­CO: cri­an­ças re­pas­sam no­vos co­nhe­ci­men­tos e há­bi­tos pa­ra to­da a fa­mí­lia

SOR­RIN­DO PA­RA O FU­TU­RO: pro­gra­ma acom­pa­nha mais de 200 mil alu­nos do Rio Gran­de do Sul

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.