HE­RóIS POR ACA­SO

ISTO É - - BRASIL -

Des­de Sar­ney, os pre­si­den­tes fo­ram re­ce­bi­dos com bo­as­vin­das por um po­vo es­pe­ran­ço­so. Após anos de man­da­to, se des­pe­di­ram sob bai­xa po­pu­la­ri­da­de e cli­ma de de­cep­ção

JO­Sé SAR­NEY

O iní­cio de seu man­da­to foi vis­to com es­pe­ran­ça após a re­de­mo­cra­ti­za­ção, mas foi aba­la­do pe­la cri­se econô­mi­ca e in­fla­ção

FER­NAN­DO COL­LOR

Eleito co­mo “Ca­ça­dor de Ma­ra­jás”, de­vi­do ao com­ba­te aos pri­vi­lé­gi­os dos fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos, e com o pla­no de go­ver­nar pa­ra os “des­ca­mi­sa­dos”, so­freu um pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment por de­nún­ci­as de cor­rup­ção

es­sên­cia do pre­si­den­ci­a­lis­mo na­ti­vo. Nes­tes pri­mei­ros di­as de­pois de sua elei­ção no do­min­go 28, Bol­so­na­ro já en­saia no­va­men­te per­so­ni­fi­car es­se fi­gu­ri­no. Com to­dos os ris­cos ine­ren­tes a is­so. Por exem­plo, na se­ma­na se­guin­te à elei­ção, o País as­sis­tiu apre­en­si­vo ca­be­ças se ba­te­rem na bus­ca das so­lu­ções má­gi­cas que po­de­rão ser me­nos sim­ples do que se ima­gi­na­va. Num dos ca­mi­nhos su­ge­ri­dos, Bol­so­na­ro quis adi­an­tar a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Tra­ta-se de uma agen­da ine­vi­tá­vel, so­bre a qual o País te­rá que se de­bru­çar em al­gum mo­men­to. Bol­so­na­ro ima­gi­nou que po­dia adi­an­tá-la, par­tin­do da pro­pos­ta ori­gi­nal do go­ver­no Mi­chel Te­mer, com mo­di­fi­ca­ções. As­sim, pen­sou em tê-la apro­va­da ain­da es­te ano, an­tes de to­mar pos­se no dia 1º de ja­nei­ro, o que já dei­xa­ria pa­vi­men­ta­da a es­tra­da que pre­ten­de tri­lhar em seu go­ver­no. A ideia foi es­va­zi­a­da co­mo um balão fu­ra­do an­tes que ter­mi­nas­se a pri­mei­ra se­ma­na após a elei­ção. Den­tro do go­ver­no, con­so­li­dou-se a sen­sa­ção de que to­dos te­rão mui­to tra­ba­lho pe­la fren­te. “Se­rá re­al­men­te um pe­río­do de mui­ta la­bu­ta. Há um gru­po po­lí­ti­co sem pra­ti­ca­men­te qu­al­quer ou­tra ex­pe­ri­ên­cia ad­mi­nis­tra­ti­va dis­pos­to a re­sol­ver tudo a par­tir do ze­ro. Que­ren­do re­vo­lu­ci­o­nar a prá­ti­ca po­lí­ti­ca.

É lou­vá­vel, mas há um ris­co gran­de dis­so pro­vo­car cer­ta pa­ra­li­sia no iní­cio e ge­rar um pro­ces­so con­tur­ba­do”, pre­vê o pro­fes­sor ti­tu­lar de His­tó­ria do Bra­sil da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Rio de Ja­nei­ro (UFRJ), Car­los Fi­co.

No pró­prio ei­xo bol­so­na­ris­ta exis­te o te­mor de que o pró­xi­mo go­ver­no não con­si­ga ti­rar do pa­pel pau­tas re­le­van­tes e que aju­da­ram a ele­ger o ca­pi­tão re­for­ma­do, ge­ran­do uma re­ver­são de ex­pec­ta­ti­vas. Ali­a­dos de Bol­so­na­ro ad­mi­ti­ram a IS­TOÉ, em ca­rá­ter re­ser­va­do, que os pri­mei­ros cem di­as de go­ver­no se­rão vi­tais pa­ra en­ca­mi­nhar as pro­pos­tas mais subs­tan­ci­ais do no­vo go­ver­no. Em re­la­ção à Pre­vi­dên­cia, por exem­plo, é con­sen­so itens co­mo a ida­de mí­ni­ma de 65 anos, por exem­plo. Con­tu­do, in­te­gran­tes do no­vo go­ver­no já ad­mi­tem que se­rão ne­ces­sá­ri­as alterações tam­bém no re­gi­me de apo­sen­ta­do­ria pa­ra os mi­li­ta­res, pa­ra que o no­vo presidente não se­ja acu­sa­do de ser “cor­po­ra­ti­vis­ta” na no­va re­for­ma. “O pro­ble­ma é que o Bol­so­na­ro sem­pre de­fen­deu os mi­li­ta­res. E agora ele fa­rá o con­trá­rio? É uma saia jus­ta”, ad­mi­tiu, em ca­rá­ter re­ser­va­do, um ali­a­do.

Há ain­da uma sé­rie de ou­tros de­sa­fi­os pe­la fren­te ca­pa­zes de ge­rar apre­en­são. Ali­men­ta-se uma ex­pec­ta­ti­va de que o presidente eleito em­pe­nhe seu pres­tí­gio pes­so­al e ca­pi­tal po­lí­ti­co na bus­ca pe­la pa­ci­fi­ca­ção do País. E ele pro­me­te rei­te­ra­da­men­te que o fa­rá. Mas se­re­nar o am­bi­en­te não se­rá ta­re­fa tri­vi­al. Pa­ra dis­ten­ci­o­ná-lo, Bol­so­na­ro pre­ci­sa­rá con­tro­lar seus ra­di­cais, mui­tos dos quais im­buí­dos de um es­pí­ri­to re­van­chis­ta na­da apro­pri­a­do ao mo­men­to. Em pa­ra­le­lo, o presidente eleito pre­ci­sa­rá sa­ber li­dar com os ra­di­cais de uma opo­si­ção que pro­me­te mar­ca­ção cer­ra­da. E não ne­ces­sa­ri­a­men­te re­pu­bli­ca­na. Gui­lher­me Bou­los, can­di­da­to der­ro­ta­do do PSOL, ar­ti­cu­la pro­tes­tos pa­ra as pró­xi­mas se­ma­nas. A or­dem é não dei­xar o go­ver­no res­pi­rar. O MST tam­bém pla­ne­ja in­va­sões. In­te­gran­tes do go­ver­no en­ten­dem que se­rá pre­ci­so se­re­ni­da­de, mas sem per­der o pul­so fir­me exi­gi­do pe­los elei­to­res se­den­tos por “or­dem”. Res­ta sa­ber co­mo o presidente irá equi­li­brar es­sa ba­lan­ça.

PRIN­Cí­PIO DA IMPESSOALIDADE

Pu­lu­lam tam­bém te­mo­res de que pen­do­res au­to­ri­tá­ri­os, não ra­ro de­mons­tra­dos ao lon­go da tra­je­tó­ria po­lí­ti­ca de Bol­so­na­ro, pre­va­le­çam du­ran­te o exer­cí­cio da Pre­si­dên­cia. São con­subs­tan­ci­a­dos no ata­que fei­to pe­lo presidente eleito ao jor­nal Fo­lha de S.Pau­lo na en­tre­vis­ta ao Jor­nal Na­ci­o­nal da TV Glo­bo na se­gun­da-fei­ra 29. Ao re­a­gir às re­por­ta­gens do jor­nal, Bol­so­na­ro in­si­nu­ou que po­de­ria re­ta­li­ar o jor­nal na dis­tri­bui­ção de ver­bas pu­bli­ci­tá­ri­as. Co­mo presidente, Bol­so­na­ro po­de até re­du­zir de for­ma glo­bal os va­lo­res de sua ver­ba de pu­bli­ci­da­de. Mas, se dis­tri­buí-la de for­ma dis­cri­ci­o­ná­ria, usan­do-a co­mo ins­tru­men­to de pres­são so­bre qu­em o cri­ti­que, es­ta­rá des­cum­prin­do o prin­cí­pio da impessoalidade na ad­mi­nis­tra­ção, de­fi­ni­do pe­la Cons­ti­tui­ção. “De­pois de mais de trin­ta anos de de­mo­cra­cia, as ins­ti­tui­ções bra­si­lei­ras es­tão for­tes. E re­a­gi­rão ca­so se­jam ata­ca­das”, con­si­de­ra Car­los Fi­co.

O mes­si­a­nis­mo po­lí­ti­co na Amé­ri­ca La­ti­na nas­ce da cul­tu­ra mo­nár­qui­ca oriun­da de Por­tu­gal e Es­pa­nha, paí­ses que ado­ta­vam co­mo po­lí­ti­cas re­ais uma “des­cen­tra­li­za­ção cen­tra­li­za­da”. A me­di­da trans­for­ma­va o rei nu­ma es­pé­cie de “sal­va­dor da

Pa­ci­fi­car o am­bi­en­te não se­rá ta­re­fa tri­vi­al. Bol­so­na­ro te­rá de con­tro­lar seus ra­di­cais e os ra­di­cais da opo­si­ção, se qui­ser ter paz pa­ra go­ver­nar

pá­tria” pa­ra evi­tar que da­nos mai­o­res acon­te­ces­sem. Um exem­plo foi a cam­pa­nha pa­ra que D.Pe­dro II ti­ves­se a sua mai­o­ri­da­de an­te­ci­pa­da. O ob­je­ti­vo era de­be­lar o ca­os ge­ra­do pe­lo go­ver­no re­gen­ci­al de Di­o­go Fei­jó, pe­río­do mar­ca­do por in­sur­rei­ções po­pu­la­res, co­mo a Re­vo­lu­ção Far­rou­pi­lha e a Sa­bi­na­da.

Va­len­do-se des­sa cul­tu­ra, po­lí­ti­cos po­pu­lis­tas trans­for­ma­ram o con­ti­nen­te ame­ri­ca­no em um la­bo­ra­tó­rio de po­lí­ti­cas de cu­nho es­tri­ta­men­te elei­to­rei­ro, usan­do sem­pre a ima­gem de sal­va­dor da na­ção. Ocor­re que a po­lí­ti­ca fe­cun­da não é cons­truí­da pe­los mes­si­as, pe­los he­róis ou fan­far­rões. Bol­so­na­ro foi eleito com 57 mi­lhões de vo­tos. Mas a mai­o­ria dos bra­si­lei­ros não ele­geu Bol­so­na­ro. So­ma­dos os que vo­ta­ram em Fer­nan­do Had­dad, do PT, e os que se abs­ti­ve­ram de fa­zer uma es­co­lha no se­gun­do tur­no, são 87 mi­lhões de bra­si­lei­ros. Tra­ta-se de um si­nal de aler­ta im­por­tan­te. Os bra­si­lei­ros es­ta­rão vi­gi­lan­tes. Es­pe­ra-se que ele sal­ve a pá­tria. Mas só con­se­gui­rá as­sim fa­zer ca­so en­ten­da que não po­de tudo.

BOLSOMITO O presidente eleito é car­re­ga­do por apoi­a­do­res de­pois da vi­tó­ria elei­to­ral. Ce­nas co­mo es­sa se re­pe­ti­ram à exaus­tão ao lon­go da cam­pa­nha, que o trans­for­mou no mais no­vo lí­der po­pu­lar do País

SE­PUL­TA­DO PE­LAS UR­NAS Apoi­a­do­res de Bol­so­na­ro co­me­mo­ram o en­ter­ro do PT no do­min­go 28

FIM TRá­GI­CO O ci­clo de Ge­tú­lio Vargas, o “pai dos po­bres”, ter­mi­nou em sui­cí­dio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.