Bra­sil

Co­mo a opo­si­ção, Ci­ro Go­mes à fren­te, cons­trói um no­vo e pro­po­si­ti­vo mo­de­lo de con­tra­pon­to ao fu­tu­ro go­ver­no, li­vre do “quan­to pi­or, me­lhor” e das amar­ras au­to­ri­tá­ri­as im­pos­tas pe­lo pe­tis­mo

ISTO É - - SUMÁRIO - Ru­dol­fo La­go, Ary Fil­guei­ra e Wil­son Li­ma

Achu­va ba­tia for­te. Das te­lhas do pré­dio tér­reo da se­de do PDT em Bra­sí­lia eco­a­va um som re­ti­nen­te, por ve­zes qua­se en­sur­de­ce­dor. De pé na pon­ta de uma am­pla me­sa na qual al­mo­ça­vam cer­ca de 40 pes­so­as – os prin­ci­pais di­ri­gen­tes do par­ti­do e os atu­ais e no­vos de­pu­ta­dos e se­na­do­res -, Ci­ro Go­mes en­fren­ta­va o ba­ru­lho tor­ren­ci­al com um dis­cur­so en­tu­si­as­ma­do. “Es­ta­mos com a fa­ca e o quei­jo nas mãos”, dis­se ele na tar­de da quar­ta-fei­ra 7.“Ini­ci­a­mos a cons­tru­ção de uma al­ter­na­ti­va pro­gres­sis­ta não pe­tis­ta pa­ra a so­ci­e­da­de”. Ao fi­nal, o pre­si­den­te do PDT, Car­los Lu­pi, en­to­ou um “pa­ra­béns a vo­cê”. Na vés­pe­ra, fo­ra ani­ver­sá­rio de Ci­ro. O po­lí­ti­co pau­lis­ta, mas de so­ta­que ce­a­ren­se, com­ple­tou 61 anos à fren­te da­que­la que po­de ser a sua mai­or ta­re­fa: li­de­rar um mo­vi­men­to de opo­si­ção com a ca­pa­ci­da­de de re­di­mir e con­ser­tar os gra­ves er­ros co­me­ti­dos pe­lo PT du­ran­te o pe­río­do em que atu­ou pa­ra ser he­gemô­ni­co so­bre to­dos os de­mais agru­pa­men­tos de cen­tro-es­quer­da do País.

Cla­ro, pa­ra no­va ceia da opo­si­ção, o PT não foi nem se­rá con­vi­da­do a re­par­tir o pão. Se tu­do o que co­me­çou a ser pa­vi­men­ta­do der cer­to, Bol­so­na­ro li­da­rá com uma opo­si­ção de ou­tra na­tu­re­za e ca­rá­ter. Que de­cla­ra não tra­ba­lhar pe­lo “quan­to pi­or, me­lhor”, dou­tri­na es­ta pro­fes­sa­da qua­se co­mo um dog­ma pe­lo pe­tis­mo. Que se pre­ten­de pro­po­si­ti­va, dis­cu­tin­do pon­tu­al­men­te com o go­ver­no e até po­den­do, em de­ter­mi­na­dos mo­men­tos, ne­go­ci­ar e apoi­ar pro­pos­tas. Que não te­rá co­mo ta­re­fa re­cons­truir a nar­ra­ti­va da his­tó­ria, co­mo re­za a car­ti­lha do PT, ao se de­cla­rar ví­ti­ma de um “gol­pe po­lí­ti­co-mi­diá­ti­co” e co­lo­can­do-se co­mo a úni­ca al­ter­na­ti­va ao “re­tro­ces­so de­mo­crá­ti­co” que diz en­xer­gar no go­ver­no elei­to de Jair Bol­so­na­ro. “Es­se é o nos­so pri­mei­ro pon­to de di­fe­ren­ça”, dis­se Ci­ro à IS­TOÉ.

“Nós não ve­mos a de­mo­cra­cia em ris­co co­mo o PT”. Pa­ra Ci­ro, Bol­so­na­ro ven­ceu a dis­pu­ta nas ur­nas me­re­ci­da­men­te. É o pre­si­den­te elei­to, e is­so pre­ci­sa ser res­pei­ta­do. As fra­ses de Bol­so­na­ro ao lon­go da sua vi­da e al­gu­mas de su­as de­cla­ra­ções e dos de­mais in­te­gran­tes do seu fu­tu­ro go­ver­no, po­rém, exi­gem que um si­nal de aler­ta se­ja ace­so. Um exem­plo nes­se sen­ti­do fo­ram as de­cla­ra­ções emi­ti­das con­tra o Mer­co­sul, a Chi­na e fa­vo­rá­veis à mu­dan­ça da em­bai­xa­da bra­si­lei­ra em Is­ra­el de Te­la­viv pa­ra Je­ru­sa­lém, que ge­ra­ram uma re­a­ção de paí­ses ára­bes co­mo o Egi­to. “Em 15 di­as, di­ver­sas de­cla­ra­ções de­sas­tra­das pro­vo­cam um ris­co des­ne­ces­sá­rio ao país”, cri­ti­ca Ci­ro. É des­se ti­po de pon­tu­a­ção que vem a ta­re­fa pro­pos­ta nes­se no­vo mo­de­lo de opo­si­ção. É, se­gun­do es­se no­vo gru­po li­de­ra­do por Ci­ro, a ta­re­fa de guar­dar, vi­gi­ar, pro­te­ger a ins­ti­tu­ci­o­na­li­da­de de­mo­crá­ti­ca e o in­te­res­se na­ci­o­nal. “O PT gos­ta de ima­gi­nar um mons­tro e de­pois apa­re­lhar to­dos con­tra es­se mons­tro que ele mes­mo cri­ou”, fez co­ro o se­na­dor elei­to Cid Go­mes (PDT-CE), ir­mão de Ci­ro. “O PT cri­ou Bol­so­na­ro. Aí, de­pois, pres­si­o­na to­do mun­do a di­zer que só ele po­de com­ba­ter o mons­tro. Não é as­sim”.

Em meio às elei­ções, to­das as pes­qui­sas apon­ta­vam que Ci­ro, ter­cei­ro lu­gar no plei­to, po­de­ria reu­nir as me­lho­res con­di­ções po­lí­ti­cas pa­ra su­pe­rar Bol­so­na­ro no se­gun­do tur­no. Chan­ces que os le­van­ta­men­tos nun­ca apon­ta­vam pa­ra o can­di­da­to do PT, Fer­nan­do Had­dad. O pe­de­tis­ta não al­can­çou o se­gun­do tur­no, mas o re­sul­ta­do aju­dou Ci­ro a se cre­den­ci­ar pa­ra a mis­são de unir os de­mais par­ti­dos de opo­si­ção nu­ma es­tra­té­gia de en­fren­ta­men­to do go­ver­no Bol­so­na­ro e de con­tra­pon­to à ve­lha, au­to­ri­tá­ria e sur­ra­da tá­ti­ca do PT, con­de­na­da não só pe­los bra­si­lei­ros nas ur­nas, co­mo por ex-pe­tis­tas his­tó­ri­cos. Ao dis­cor­rer re­cen­te­men­te so­bre sua de­cep­ção com o PT, Edu­ar­do Jor­ge re­ve­la que aban­do­nou a nau an­tes do nau­frá­gio por­que per­deu a con­fi­an­ça na di­re­ção da le­gen­da da es­tre­la ru­bra. “Eles se com­por­ta­vam com uma vi­são mui­to pró­pria da es­quer­da re­vo­lu­ci­o­ná­ria de que o par­ti­do é mais im­por­tan­te do que o País. Pa­ra eles, o par­ti­do é mais im­por­tan­te do que o Bra­sil. Mais im­por­tan­te, in­clu­si­ve, do que a vi­da do pró­prio po­vo”.

SEM CA­OS

Co­mo Edu­ar­do Jor­ge, as es­quer­das ho­je não se en­xer­gam mais no es­ti­lo de fa­zer opo­si­ção do PT, que co­mo um ni­i­lis­ta da po­lí­ti­ca apos­ta no ca­os pa­ra so­bre­vi­ver. As le­gen­das que or­bi­tam do cam­po da es­quer­da não que­rem ser mais um me­ro pu­xa­di­nho do PT. As­sim, é elo­quen­te que o gru­po opo­si­ci­o­nis­ta que emer­ge sob a li­de­ran­ça de Ci­ro Go­mes te­nha dis­pen­sa­do o PT e sua li­nha au­xi­li­ar, o PSOL, das tra­ta­ti­vas pa­ra a for­ma­ção do blo­co de opo­si­ção. “Não é mais pos­sí­vel acei­tar o he­ge­mo­nis­mo que o PT quer im­por aos de­mais par­ti­dos”, afir­ma o pe­de­tis­ta An­dré Fi­guei­re­do. Mais do que is­so. O iso­la­men­to do PT no cam­po da opo­si­ção é fru­to da pos­tu­ra de um par­ti­do in­ca­paz de uma con­vi­vên­cia de­mo­crá­ti­ca mes­mo com aque­les com os

quais cul­ti­va afi­ni­da­des ele­ti­vas. Pa­ra os pe­tis­tas, na­da que não te­nha si­do im­pos­to pe­lo PT é pas­sí­vel de le­gi­ti­mi­da­de. A ver­da­de é que o par­ti­do, ago­ra fo­ra das cer­ca­ni­as do po­der de­pois de 13 anos, não ali­men­ta a me­nor pre­ten­são de lu­tar nas rai­as da opo­si­ção. Sua úni­ca in­ten­ção é par­tir pa­ra boi­co­tar o go­ver­no e im­pe­dir que o País saia da cri­se po­lí­ti­ca, econô­mi­ca e mo­ral sem pre­ce­den­tes que os pró­pri­os pe­tis­tas le­ga­ram aos bra­si­lei­ros.

Ao se bus­car he­gemô­ni­co, o PT so­nhou um dia em tor­nar-se uma es­pé­cie de PRI (Par­ti­do Re­vo­lu­ci­o­ná­rio Ins­ti­tu­ci­o­nal) à bra­si­lei­ra. Se­gun­do a per­fei­ta de­fi­ni­ção cu­nha­da pe­lo es­cri­tor Ma­rio Var­gas Llo­sa “era a di­ta­du­ra per­fei­ta”. Por 71 anos, o PRI go­ver­nou o Mé­xi­co com “au­ras de de­mo­cra­cia”, sem a ne­ces­si­da­de de apa­ra­tos re­pres­si­vos ou do fler­te com a cen­su­ra. A cha­ve do su­ces­so pa­ra a per­pe­tu­a­ção no po­der era a dis­tri­bui­ção da ri­que­za do pe­tró­leo apoi­a­da em cri­té­ri­os cli­en­te­lis­tas, as elei­ções com in­dí­ci­os cla­ros de frau­des e uma con­tun­den­te re­tó­ri­ca po­lí­ti­ca de es­quer­da ca­paz de mag­ne­ti­zar re­no­ma­dos es­cri­to­res e in­te­lec­tu­ais por dé­ca­das. Qual­quer se­me­lhan­ça, não é coin­ci­dên­cia. Ao pre­si­den­te do país, tam­bém co­man­dan­te­em-che­fe do PRI, ca­bia con­tro­lar a ban­ca­da do par­ti­do nas Câ­ma­ras Le­gis­la­ti­vas. In­va­ri­a­vel­men­te, un­gia o pró­prio su­ces­sor. A he­ge­mo­nia, aca­len­ta­da pe­lo PT por aqui, fin­dou com a pos­se de Vi­cen­te Fox, em 2000, se­gui­do por seu mi­nis­tro Fe­li­pe Cal­de­rón, do Par­ti­do da Ação Na­ci­o­nal (PAN). De­pois de 12 anos na opo­si­ção, o PRI re­gres­sou ao po­der em 2012, com a elei­ção de En­ri­que Peña Ni­e­to. Que, pa­ra o bem do Bra­sil, a nós se­ja re­ser­va­da uma sor­te di­fe­ren­te.

Nos seus pri­mei­ros mo­vi­men­tos, já fi­cou cla­ro que a es­tra­té­gia de Ci­ro tem gran­des chan­ces de su­ces­so. Os de­mais par­ti­dos do cam­po da cen­tro­es­quer­da se mos­tram dis­pos­tos a se unir na pro­pos­ta des­se no­vo mo­de­lo de opo­si­ção. “As con­ver­sas es­tão fluin­do mui­to bem, e adi­an­ta­das”, re­ve­la o de­pu­ta­do Jú­lio Del­ga­do (MG), um dos ar­tí­fi­ces da união no PSB. Com a for­ma­ção de blo­cos das de­mais le­gen­das de es­quer­da tan­to na Câ­ma­ra quan­to no Se­na­do, o iso­la­men­to do PT é o ca­mi­nho na­tu­ral. Os blo­cos de­vem unir PDT, PSB e Re­de. Mes­mo o PC­doB, que ti­nha a vi­ce­pre­si­dên­cia na cha­pa de Had­dad, ten­de a jun­tar-se ao gru­po. E até um par­ti­do me­nos iden­ti­fi­ca­do com a es­quer­da, o PHS, en­saia uma ali­an­ça no Se­na­do. Tam­bém há ne­go­ci­a­ção com o PPS. Se a no­va co­a­li­zão de es­quer­da der cer­to, os dois blo­cos so­ma­ri­am 78 de­pu­ta­dos e 13 se­na­do­res. Se­ri­am as mai­o­res ban­ca­das tan­to na Câ­ma­ra quan­to no Se­na­do. “A ideia é em­po­de­rar o Con­gres­so e fa­zer com que ele vol­te a ser o am­bi­en­te da ne­go­ci­a­ção po­lí­ti­ca”, pre­ga Cid.

É so­bre­tu­do uma for­ma bem di­fe­ren­te de exer­cer o pa­pel de opo­si­ção. Na qual se tor­na pos­sí­vel o diá­lo­go mes­mo com ou­tros cam­pos da po­lí­ti­ca. E até mes­mo com o go­ver­no ao qual o gru­po se opõe. “Não dá pa­ra fa­zer opo­si­ção con­tra tu­do e con­tra to­dos. Não va­mos no quan­to pi­or, me­lhor”, as­se­ve­ra Jú­lio Del­ga­do. O PSB, por exem­plo, de­fen­de um mo­de­lo de re­for­ma da Pre­vi­dên­cia na qual con­ti­nu­a­ria o atu­al sis­te­ma de re­par-

"A HE­GE­MO­NIA POU­CO CRÍ­TI­CA DO PT JÁ DEU" Ci­ro Go­mes, PDT

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.