Cul­tu­ra

Bi­o­gra­fia da rai­nha do cri­me ex­pli­ca de on­de uma do­na de ca­sa ti­rou a ima­gi­na­ção ma­ca­bra pa­ra se tor­nar a es­cri­to­ra mais ven­di­da da his­tó­ria — e de­ci­fra o enig­ma de sua de­sa­pa­ri­ção

ISTO É - - SUMÁRIO - Luís Antô­nio Gi­ron

Éra­ro de­ci­frar o se­gre­do de um gê­nio. Pa­ra ex­pli­cá­lo, es­pe­ci­a­lis­tas re­vol­vem as ori­gens fa­mi­li­a­res e a for­ma­ção do in­di­ví­duo es­pe­ci­al. No ca­so da es­cri­to­ra in­gle­sa Agatha Ch­ris­tie (1890-1976), na­da pa­re­ce in­di­car que se tor­na­ria a se­nho­ra do ro­man­ce de de­te­ti­ve e a mai­or ven­de­do­ra de li­vros da his­tó­ria, ao la­do do dra­ma­tur­go Wil­li­am Sha­kes­pe­a­re. Agatha, co­mo Sha­kes­pe­a­re ven­deu 2 bi­lhões de exem­pla­res des­de que pu­bli­cou o pri­mei­ro ro­man­ce po­li­ci­al, “O Mis­te­ri­o­so Ca­so de Sty­les”, em 1920, pro­ta­go­ni­za­do por seu he­rói mais cé­le­bre, o de­te­ti­ve Her­cu­le Poi­rot, com sua ca­be­ça de ovo, bi­go­des en­ce­ra­dos e al­ta ca­pa­ci­da­de cog­ni­ti­va. A cri­a­do­ra de mis­té­ri­os sa­bo­ro­sos não pas­sa­va de uma do­na de ca­sa con­ser­va­do­ra aman­te da vi­da se­re­na, es­pe­ci­al­men­te da jar­di­na­gem e da gas­tro­no­mia. Des­co­brir de on­de ela ti­rou a ima­gi­na­ção a um só tem­po ma­ca­bra, com­ple­xa e irô­ni­ca, é a me­ta do li­vro “Agatha Ch­ris­tie – Uma Bi­o­gra­fia”, de Ja­net Mor­gan, lan­ça­men­to da edi­to­ra BestSel­ler.

CHA­RA­DA

Tra­ta-se de um tí­tu­lo clás­si­co, pu­bli­ca­do em 1986 e só ago­ra no Bra­sil. A es­cri­to­ra Ja­net Mor­gan tra­ba­lha em ges­tão de no­vas tec­no­lo­gi­as na Es­có­cia. Em me­a­dos dos anos 1980, foi con­vi­da­da pe­los her­dei­ros de Agatha pa­ra es­cre­ver uma “bi­o­gra­fia au­to­ri­za­da”: te­ve aces­so ex­clu­si­vo aos do­cu­men­tos pes­so­ais da es­cri­to­ra e de seu se­gun­do ma­ri­do, o ar­queó­lo­go Max Mal­lowan. Ao mes­mo tem­po, Mor­gan foi per­su­a­di­da a abor­dar a bi­o­gra­fa­da de for­ma gen­til. Mas o fa­tor po­li­ti­ca­men­te cor­re­to não a im­pe­diu de avan­çar so­bre um dos enig­mas den­tro do enig­ma que foi Agatha Ch­ris­tie: por que e co­mo ela de­sa­pa­re­ceu en­tre 3 e 13 de de­zem­bro de 1926, qu­an­do já era ce­le­bri­da­de, cau­san­do um dos ca­sos mais rui­do­sos co­ber­tos pe­la im­pren­sa da épo­ca. Agatha nun­ca se pro­nun­ci­ou so­bre o as­sun­to.

Par­te da re­so­lu­ção da cha­ra­da re­pou­sa em sua for­ma­ção vi­to­ri­a­na. Agatha Mil­ler nas­ceu em Tor­quay, De­von, em uma fa­mí­lia abas­ta­da. O pai, Fre­de­rick, era um ame­ri­ca­no in­ves­ti­dor da bol­sa. A mãe, Cla­ra, e sua ir­mã mais ve­lha, Mad­ge, es­cre­vi­am e pu­bli­ca­vam con­tos e po­e­mas. Sem ter fre­quen­ta­do es­co­las, Agatha apren­deu a ler e es­cre­ver com elas. Tra­ba­lhou em hos­pi­tais co­mo vo­lun­tá­ria e em uma far­má­cia, on­de apren­deu os se­gre­dos dos ve­ne­nos que iria usar em su­as nar­ra­ti­va. Em 1914, ca­sou-se com o co­ro­nel da ma­ri­nha Ar­chie Ch­ris­tie. O ca­sal vi­veu seis anos em apa­ren­te har­mo­nia. Em 1919, Agatha deu à luz sua úni­ca fi­lha, Ro­sa­lind. Co­me­çou a pu­bli­car ro­man­ces po­li­ci­ais, e se tor­nou po­pu­lar. Ele se em­pre­gou na City. Os dois se mu­da­ram pa­ra

“His­tó­ri­as me apa­re­cem em mo­men­tos es­tra­nhos, qu­an­do ca­mi­nho ou vi­si­to uma lo­ja de cha­péus... de re­pen­te, uma ideia es­plên­di­da vem à mi­nha men­te” Agatha Ch­ris­tie, es­cri­to­ra

Lon­dres. Lá, Ar­chie co­me­çou a ter um ca­so amo­ro­so com uma ami­ga de Mad­ge, Nancy Ne­e­le, que tra­ba­lha­va co­mo se­cre­tá­ria na City. Qu­an­do Ar­chie con­fes­sou o af­fair e pe­diu di­vór­cio, Agatha en­trou em pâ­ni­co.

Na noi­te de 3 de de­zem­bro de 1926, ela saiu de car­ro de sua ca­sa, sem avi­sar a cri­a­da­gem. Ba­teu o car­ro no meio do ca­mi­nho e o aban­do­nou. Is­so agu­çou as sus­pei­tas da po­lí­cia e a se­de de no­vi­da­des da im­pren­sa. Os jor­nais pas­sa­ram a pu­bli­car man­che­tes e es­pe­cu­la­ções. O es­cri­tor de mis­té­rio Ed­gar Wal­la­ce de­cla­rou que não acre­di­ta­va que Agatha ti­ves­se se sui­ci­da­do. “Ela quer cha­mar aten­ção do ma­ri­do”, ar­ris­cou. A po­lí­cia con­vo­cou ba­ta­lhões de ci­da­dãos pa­ra vas­cu­lhar a re­gião on­de ela su­miu. En­quan­to is­so, Agatha hos­pe­dou-se em um ho­tel bal­neá­rio, sob pseudô­ni­mo, Te­re­sa Ne­e­le, usan­do cu­ri­o­sa­men­te o so­bre­no­me da ri­val. Lá se man­te­ve dis­cre­ta, mas che­gou a dis­cu­tir o seu pró­prio de­sa­pa­re­ci­men­to com os hós­pe­des. Qu­an­do a po­lí­ti­ca fi­nal­men­te a des­co­briu, em 14 de de­zem­bro, pa­re­cia não re­co­nhe­cer o ma­ri­do e a fi­lha.

Es­tu­di­o­sos acham que o epi­só­dio en­si­na so­bre o mé­to­do de nar­ra­ção de

Agatha, seu te­sou­ro mais bem guar­da­do. Ela te­ria usa­do seu co­nhe­ci­men­to de ma­ni­pu­lar per­so­na­gens e pis­tas fal­sas pa­ra tes­tar um en­re­do na vi­da re­al – e ob­ter pu­bli­ci­da­de. Mor­gan dis­cor­da: “Ela pre­za­va a pri­va­ci­da­de, ja­mais fa­ria is­so. Tam­bém não te­ria usa­do o re­cur­so mo­der­no de vi­ver den­tro da tra­ma. Seu mé­to­do de es­cri­tu­ra era pu­ra­men­te in­te­lec­tu­al.” A so­lu­ção po­de ser mais sim­ples. “Ela pa­re­ce ter si­do ví­ti­ma de uma es­pé­cie de am­né­sia”, diz Mor­gan. “Mas ain­da ho­je res­tam dú­vi­das.” Ela co­me­teu não um cri­me, mas um su­mi­ço per­fei­to.

CHA­VE DA ES­CRI­TA

Após o epi­só­dio, Agatha re­compôs a vi­da, ca­sou-se com um ar­queó­lo­go, vi­a­jou ao ori­en­te e a lu­ga­res exó­ti­cos e se­guiu a es­cre­ver his­tó­ri­as até os úl­ti­mos di­as de vi­da. Em su­as ex­cur­sões, nun­ca dei­xou de le­var um ca­der­no de ano­ta­ções, on­de re­gis­tra­va per­so­na­gens, his­tó­ri­as e si­tu­a­ções im­pen­sá­veis. Tam­bém usa­va di­ta­fo­ne. Em se­gui­da, es­tru­tu­ra­va as his­tó­ri­as em ca­der­nos mai­o­res, a ca­ne­ta ou a lá­pis. De­pois, de for­ma per­fei­ta, da­ti­lo­gra­fa­va seus li­vros. “Nun­ca es­cre­veu so­bre o que não sa­bia”, diz Mor­gan. Ela atri­buiu o su­ces­so e a per­ma­nên­cia de sua obra à ar­te nar­ra­ti­va. “Os li­vros de Agatha du­ram por­que são bo­as his­tó­ri­as, ain­da que, al­gu­mas ve­zes, ir­re­me­di­a­vel­men­te im­pro­vá­veis. Uma vez fis­ga­do, o lei­tor quer sa­ber o que vai acon­te­cer. Elas abor­dam mi­tos, fan­ta­si­as e ob­ses­sões com­par­ti­lha­dos por pes­so­as de to­do ti­po: jor­na­das, dis­pu­tas, mor­te, se­xo, di­nhei­ro, as­sas­si­na­tos, cons­pi­ra­ções, trans­for­ma­ções, po­der, o triun­fo do sim­ples so­bre o com­ple­xo, a im­por­tân­cia do mun­da­no e tam­bém do cós­mi­co.” Se­gun­do a es­cri­to­ra P.D. Ja­mes, ela ali­men­ta­va uma ob­ses­são pe­la pu­re­za. “Os cri­mes de Agatha são des­pro­vi­dos de san­gue”, afir­mou. “A re­so­lu­ção dos mis­té­ri­os vi­sa­va ao res­ta­be­le­ci­men­to da or­dem, que ela ama­va aci­ma de tu­do.” Foi es­sa fór­mu­la sim­ples que lhe deu a gló­ria li­te­rá­ria.

INVENTIVA A es­cri­to­ra bri­tâ­ni­ca Agatha Ch­ris­tie em 1949: ela se ins­pi­rou em ro­man­ces de mis­té­rio de Char­les Dic­kens pa­ra cri­ar os de­te­ti­ves Her­cu­le Poi­rot e Miss Mar­ple

ME­TÓ­DI­CA Agatha cri­a­va tra­mas de mis­té­rio a par­tir de ano­ta­ções so­bre fa­tos e pes­so­as que a cer­ca­vam: seu se­gre­do era a dis­ci­pli­na

DES­CO­BER­TA Agatha sai em 14/12/1926 do Hy­dro­pathic Ho­tel em Har­ro­ga­te, Yorkshi­re: ela se es­con­deu lá por 10 di­as e cau­sou es­pe­cu­la­ções na im­pren­sa, en­tre elas que so­freu de am­né­sia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.