POR QUE VA­MOS ARMAR A PO­PU­LA­ÇÃO MES­MO?

A se­guir: Sér­gio Par­del­las, Má­rio Si­mas Fi­lho, An­to­nio Car­los Pra­do

ISTO É - - ARTIGOS - por Ci­le­ne Pe­rei­ra

Faz uma se­ma­na que o ado­les­cen­te Thi­a­go Sou­za Men­don­ça, 14 anos, mor­reu no Hos­pi­tal Mu­ni­ci­pal Lou­ren­ço Jor­ge, no Rio de Ja­nei­ro. Na quin­ta-fei­ra 1, ele es­ta­va sen­ta­do num ban­co de pra­ça na Ci­da­de de Deus, na zo­na oes­te do Rio, qu­an­do to­mou um ti­ro nas cos­tas. Nin­guém sa­be de on­de veio a ba­la. A úni­ca coi­sa que o me­ni­no te­ve tem­po de fa­zer an­tes de fi­car in­cons­ci­en­te foi an­dar até a mãe, Ro­sân­ge­la Men­don­ça, que es­ta­va per­to, e di­zer que fo­ra fe­ri­do. A fa­mí­lia de Thi­a­go não ti­nha di­nhei­ro pa­ra en­ter­rar o fi­lho. Pre­ci­sa­vam de R$ 700. Os ami­gos fi­ze­ram uma va­qui­nha e con­se­gui­ram R$ 2 mil. No mes­mo dia da mor­te do me­ni­no da Ci­da­de de Deus, per­deu a vi­da tam­bém o ga­ro­to Wan­der­son Sa­lus­ti­a­no, 16 anos. Ele mo­ra­va no Mor­ro da Fé, na Vi­la da Pe­nha, tam­bém na ca­pi­tal flu­mi­nen­se, e ti­nha ido fe­char a ja­ne­la do quar­to pa­ra se pro­te­ger do ti­ro­teio que cor­ria sol­to na rua. Uma ba­la o acer­tou no pei­to.

É in­crí­vel co­mo his­tó­ri­as as­sim se tor­na­ram ba­nais no Bra­sil e são ab­so­lu­ta­men­te ir­re­le­van­tes pa­ra qu­em de­fen­de a li­be­ra­ção da pos­se de ar­mas no País. É gen­te que nem se lem­bra mais do Arthur Cos­me de Me­lo, o me­ni­no que nem pre­ci­sou nas­cer pa­ra mor­rer. Fi­lho de Clau­di­neia e Cleb­son Me­lo, ele foi ba­le­a­do en­quan­to es­ta­va ain­da no úte­ro da mãe. Re­sis­tiu a uma ce­sa­ri­a­na de emer­gên­cia, mas mor­reu se­ma­nas de­pois, no ano pas­sa­do.

Qu­em é a fa­vor de armar a po­pu­la­ção não con­se­gue jun­tar as pe­ças e ver que uma coi­sa tem sim a ver com a ou­tra. A dor das Ro­san­ge­las, Clau­di­nei­as e Cleb­sons não vai pas­sar nun­ca e não é ar­man­do to­do mun­do que o Bra­sil vai se tor­nar fi­nal­men­te a mãe gen­til que seu hi­no pro­me­te. Por en­quan­to, es­ta­mos bem lon­ge dis­so, co­mo mos­tram os re­gis­tros do Cen­tro Re­gi­o­nal das Na­ções Uni­das pa­ra a Paz, De­sar­ma­men­to e De­sen­vol­vi­men­to pa­ra a Amé­ri­ca La­ti­na e Ca­ri­be. De acor­do com os da­dos, o País ocu­pa o pri­mei­ro lu­gar no ran­king das na­ções da re­gião com mai­or nú­me­ro de ví­ti­mas de ba­las per­di­das.

Bom mes­mo se­ria que o Bra­sil fos­se pa­ra os úl­ti­mos lu­ga­res des­sa lis­ta e su­bis­se pa­ra as pri­mei­ras co­lo­ca­ções en­tre as na­ções com mai­or Ín­di­ce de De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no (IDH). A me­di­da afe­re os paí­ses pe­lo seu grau de de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no, to­man­do por ba­se seus ín­di­ces de saú­de, de edu­ca­ção e de ren­da. Há três anos o País não sai do 79º. lu­gar en­tre as 189 na­ções pes­qui­sa­das. Con­se­gui­mos a pro­e­za de fi­car um pon­to atrás da Ve­ne­zu­e­la, país vi­zi­nho que atra­ves­sa uma cri­se econô­mi­ca e so­ci­al gra­vís­si­ma. En­tão, fi­ca a per­gun­ta: por que mes­mo que­re­mos armar a po­pu­la­ção em vez de dar a ela em­pre­go, saú­de e uma edu­ca­ção que con­ven­ça os es­tu­dan­tes de que o co­nhe­ci­men­to, es­se sim, é nos­sa mais im­por­tan­te ri­que­za?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.