DECIFRAME OU TE DEVORO

ISTO É - - ARTIGOS - Vi­tor Ro­dri­gues, El­vi­ra Can­ça­da, Ri­car­do Amo­rim

OPT só es­pe­rou o côm­pu­to do úl­ti­mo vo­to pa­ra anun­ci­ar que as­su­mi­ria um pa­pel de du­ra opo­si­ção. Co­me­çou a pôr em cir­cu­la­ção um pa­la­vre­a­do que já diz tu­do: atu­a­ria co­mo uma “re­sis­tên­cia”, uma trin­chei­ra de com­ba­te ao “go­ver­no de ocu­pa­ção”.

Até aí, na­da de no­vo, es­se é o PT que co­nhe­ce­mos. Sem­pre foi e con­ti­nua sen­do um par­ti­do am­bí­guo, in­ca­paz de de­ci­dir se é de­mo­crá­ti­co ou an­ti­de­mo­crá­ti­co. Man­tém um pe­zi­nho den­tro e ou­tro fo­ra da de­mo­cra­cia, apoi­an­do-se no que a ca­da mo­men­to lhe pa­re­ce ta­ti­ca­men­te con­ve­ni­en­te. Se per­gun­tar­mos a dez pe­tis­tas o que é ser pe­tis­ta, te­re­mos uma res­pos­ta ób­via e dez in­com­pre­en­sí­veis. Um pou­co co­mo na Ar­gen­ti­na: dez pe­ro­nis­tas co­me­ça­rão fa­lan­do so­bre sua fi­de­li­da­de ao le­ga­do de Pe­rón e de­pois, no pla­no pro­gra­má­ti­co, fa­rão re­fe­rên­cia a vá­ri­as ou­tras coi­sas des­co­nec­ta­das en­tre si. Os

O PT, um dos prin­ci­pais par­ti­dos do país, o que fez a mai­or ban­ca­da na Câ­ma­ra, não se com­pre­en­de, não tem uma iden­ti­da­de de­fi­ni­da. Nós, não pe­tis­tas, te­mos de aju­dá-los

pe­tis­tas — bin­go! — co­me­ça­rão por Lu­la e de­pois so­bre a ne­ces­si­da­de de se opo­rem a “tu­do o que aí es­tá”.

Não é no­tá­vel? Um dos prin­ci­pais par­ti­dos do país, o que fez a mai­or ban­ca­da na Câ­ma­ra, não se com­pre­en­de, não tem uma iden­ti­da­de de­fi­ni­da. Nós, não pe­tis­tas, te­mos de aju­dá-los, mas nós tam­pou­co o com­pre­en­de­mos. So­mos, co­mo di­ria Sha­kes­pe­a­re, um ce­go ten­tan­do con­du­zir um lou­co.

Uma olha­da nas ba­ses elei­to­rais do pe­tis­mo po­de ser útil. Nos dois ex­tre­mos da es­ca­la so­ci­al, ela é cla­rís­si­ma. Em bai­xo, no Nor­des­te e nas pe­ri­fe­ri­as, os po­bres, que em ge­ral se ori­en­tam pe­lo bol­so: a que­da da in­fla­ção, nas elei­ções de Fer­nan­do Hen­ri­que, e de­pois os be­ne­fi­ciá­ri­os do Bol­sa Fa­mí­lia, que ido­la­tram Lu­la e vo­tam em qual­quer pos­te que iden­ti­fi­ca­rem co­mo o can­di­da­to de­le. Em ci­ma, gen­te ins­truí­da, ti­pi­ca­men­te a po­pu­la­ção uni­ver­si­tá­ria, mo­vi­da por ide­o­lo­gi­as. No meio, na cha­ma­da “clas­se mé­dia”, gen­te que pen­de ora pa­ra um la­do, ora pa­ra ou­tro e vo­ta ora em fun­ção do bol­so, ora de va­lo­res, ora apa­vo­ra­da pe­la in­se­gu­ran­ça que as­so­la o país. No ca­so dos po­bres, a bai­xa ins­tru­ção di­fi­cul­ta a apre­en­são de idei­as abs­tra­tas. No se­gun­do ca­so, o dos re­bel­des sem cau­sa, meio fa­ná­ti­cos, que só li­dam mui­to com idei­as e mui­to pou­co com in­te­res­ses con­cre­tos. No ní­vel mé­dio, um pou­co de vá­ri­os com­po­nen­tes, co­nec­ta­dos mais pe­la si­tu­a­ção de mo­men­to que por uma ló­gi­ca de mei­os e fins. Es­sa ca­ma­da se­gue o ven­to, ge­ral­men­te sem per­ce­ber pa­ra on­de ele so­pra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.