O ITAMARATY DE­VE SER­VIR AO BRA­SIL

ISTO É - - ARTIGOS -

OB­ra­sil pre­ci­sa de uma po­lí­ti­ca ex­ter­na. Não a do PT que ali­nhou o nos­so país ao que há de pi­or no mun­do. Não cus­ta re­cor­dar que du­ran­te os tre­ze lon­gos anos do rei­na­do pe­tis­ta, o Itamaraty aca­bou se trans­for­man­do em um pu­xa­di­nho dos in­te­res­ses par­ti­dá­ri­os do PT. Foi uma gui­na­da à es­quer­da. E à ser­vi­ço dos in­te­res­ses do par­ti­do-mãe do pe­tro­lão. Na Amé­ri­ca La­ti­na, Cu­ba foi pri­vi­le­gi­a­da. Re­ce­beu ge­ne­ro­sos em­prés­ti­mos do BN­DES e foi de­fen­di­da em vá­ri­os fó­runs in­ter­na­ci­o­nais pe­la nos­sa di­plo­ma­cia. Os paí­ses bo­li­va­ri­a­nos aca­ba­ram sen­do tra­ta­dos co­mo ali­a­dos pre­fe­ren­ci­ais. Bo­lí­via po­de en­cam­par re­fi­na­ria da Pe­tro­bras pa­gan­do in­de­ni­za­ção sim­bó­li­ca. A Ve­ne­zu­e­la foi con­si­de­ra­da ali­a­da pre­fe­ren­ci­al. Fo­ram es­ta­be­le­ci­dos acor­dos de co­o­pe­ra­ção que não aca­ba­ram des­cum­pri­dos, em­prés­ti­mos não fo­ram pa­gos e a di­ta­du­ra cha­vis­ta en­con­trou no Bra­sil um fi­el ali­a­do. Não é pos­sí­vel es­que­cer o epi­só­dio de Hon­du­ras e a in­va­são da nos­sa em­bai­xa­da por Ze­laya, uma es­pé­cie de Can­tin­flas da po­lí­ti­ca do sé­cu­lo XXI. Tam­bém va­le re­cor­dar o apoio en­tu­siás­ti­co de Lu­la às FARC, gru­po ter­ro­ris­ta co­lom­bi­a­no.

Na Áfri­ca fi­cou cé­le­bre as re­la­ções com as di­ta­du­ras que re­ce­be­ram do­a­ções si­mu­la­das em em­prés­ti­mos. Tu­do, se­gun­do a jus­ti­fi­ca­ti­va pe­tis­ta, pa­ra es­ti­mu­lar a ven­da de ser­vi­ços de em­pre­sas bra­si­lei­ras que, por si­nal, re­ce­be­ram o pa­ga­men­to com re­cur­sos oriun­dos dos con­tri­buin­tes bra­si­lei­ros, en­quan­to as di­ta­du­ras pe­di­ram – e a mai­o­ria ob­te­ve — o per­dão das dí­vi­das. Tu­do sob o man­to da so­li­da­ri­e­da­de com o con­ti­nen­te de on­de o Bra­sil re­ce­beu mi­lhões de es­cra­vos en­tre os sé­cu­los XVI a XIX. No nor­te da Áfri­ca a ali­an­ça mais co­me­mo­ra­da foi com a Lí­bia, que, à épo­ca, es­ta­va ti­ra­ni­za­da pe­lo di­ta­dor Mu­a­mar Kha­da­fi.

A ên­fa­se da po­lí­ti­ca ex­ter­na era o es­ta­be­le­ci­men­to das re­la­ções Sul-Sul. O afas­ta­men­to em re­la­ção aos Es­ta­dos

O Bra­sil pre­ci­sa de uma po­lí­ti­ca ex­ter­na. Não a do PT que ali­nhou o nos­so país ao que há de pi­or no mun­do

Uni­dos fa­zia par­te do pro­je­to es­tra­té­gi­co pe­tis­ta. Tam­bém fo­ram aber­tas de­ze­nas de em­bai­xa­das e con­su­la­dos — em paí­ses sem ne­nhu­ma tra­di­ção co­mer­ci­al com o nos­so país — e nos ór­gãos in­ter­na­ci­o­nais o Bra­sil vo­ta­va à fa­vor das di­ta­du­ras — bas­ta re­cor­dar o epi­só­dio de Dar­fur, no Su­dão. Lu­la apoi­ou um an­tis­se­mi­ta pa­ra a di­re­ção da Unes­co — can­di­da­tu­ra que aca­bou der­ro­ta­da. O ob­je­ti­vo fi­nal era ob­ter um as­sen­to per­ma­nen­te no Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da Onu. Deu tu­do er­ra­do. E, pi­or, o Bra­sil aca­bou ten­do sua di­plo­ma­cia des­mo­ra­li­za­da, não am­pli­ou sua pre­sen­ça nos fó­runs in­ter­na­ci­o­nais e bi­lhões de re­ais fo­ram des­per­di­ça­dos.

por Mar­co An­to­nio Vil­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.