A vol­ta dos que não fo­ram

Ex-mi­nis­tro de­nun­cia pro­fes­so­res que se apo­sen­tam e, de­pois, fa­zem con­cur­so pa­ra ocu­pa­rem a mes­ma va­ga

ISTO É - - BRASIL/DENÚNCIA - Ary Fil­guei­ra

Nas úl­ti­mas se­ma­nas, a clas­se uni­ver­si­tá­ria vem sen­do al­vo de crí­ti­cas. Al­guns des­ses ata­ques po­dem ser con­si­de­ra­dos abu­si­vos, co­mo as ações po­li­ci­ais em cam­pus pa­ra ave­ri­guar de­nún­ci­as de uso po­lí­ti­co­par­ti­dá­rio das ins­ti­tui­ções. Ou a ini­ci­a­ti­va da de­pu­ta­da es­ta­du­al Ana Ca­ron­li­ne Cam­pag­no­lo (PSL-SP), que pe­diu a alu­nos que gra­vas­sem pro­fes­so­res que fi­zes­sem ma­ni­fes­ta­ções de cu­nho ide­o­ló­gi­co. Con­tra o meio aca­dê­mi­co, po­rém, há o fa­to de que pro­fes­so­res se va­lem de su­as prer­ro­ga­ti­vas pa­ra bus­car pri­vi­lé­gi­os ne­ga­dos ao res­tan­te da so­ci­e­da­de. Ati­tu­des que em na­da con­tri­bu­em pa­ra a de­fe­sa da ca­te­go­ria.

Uma des­sas si­tu­a­ções es­tá sen­do ata­ca­da pe­lo de­pu­ta­do fe­de­ral Bru­no Araújo (PSDB-PE). Ele de­nun­ci­ou ao Tri­bu­nal de Con­tas da União e à Ad­vo­ca­cia-Ge­ral da União (AGU) a prá­ti­ca, que con­si­de­ra gra­ve, de pro­fes­so­res que se apo­sen­tam e fa­zem no­vo con­cur­so pa­ra con­ti­nu­ar le­ci­o­nan­do. Se­gun­do ele, cer­ca de 10% do qua­dro de pro­fes­so­res uni­ver­si­tá­ri­os da re­de pú­bli­ca do País é com­pos­to de apo­sen­ta­dos. Uma si­tu­a­ção que ge­ra du­as dis­tor­ções: eles pas­sam a re­ce­ber du­as re­mu­ne­ra­ções da mes­ma fon­te, co­mo apo­sen­ta­dos e co­mo pro­fes­so­res do qua­dro; e tal si­tu­a­ção im­pe­de que ha­ja uma mai­or re­no­va­ção.

ME­DI­DA IMORAL

Pe­la lei, o pro­fes­sor que se apo­sen­ta po­de fa­zer um no­vo con­cur­so e ocu­par a mes­ma va­ga que foi aber­ta, mas é uma me­di­da imoral. Afi­nal, os pro­fes­so­res se­guem no mes­mo pos­to, no mes­mo de­par­ta­men­to, ocu­pan­do a mes­ma ca­dei­ra. No con­cur­so, o pro­fes­sor apo­sen­ta­do tem van­ta­gem so­bre os no­va­tos, já que na pro­va de tí­tu­lo, ex­pe­ri­ên­cia con­ta. “To­do mun­do sa­be que is­so é er­ra­do e nin­guém me­te a mão no pro­ble­ma”, pro­tes­ta Araújo. Ele es­pe­ra ob­ter uma res­pos­ta da AGU e do TCU pa­ra re­ver a si­tu­a­ção des­ses mes­tres que ga­nham dois sa­lá­ri­os. O sa­lá­rio ini­ci­al de um pro­fes­sor é de R$ 5 mil. En­quan­to um mes­tre com dou­to­ra­do po­de che­gar a R$ 16 mil.

Nu­ma épo­ca em que se dis­cu­te a ne­ces­si­da­de da uma re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, es­se é um ar­ti­fí­cio que pe­sa, em mui­to, nos co­fres pú­bli­cos.

RE­VOL­TA O par­la­men­tar tu­ca­no Bru­no Araújo fez dis­cur­so na quar­ta-fei­ra 7 es­can­ca­ran­do a pa­ti­fa­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.