A for­ça do stre­a­ming

A che­ga­da de ser­vi­ços co­mo o Youtu­be Pre­mium ao Bra­sil dá no­vas op­ções ao usuá­rio, que con­so­me ca­da vez mais mú­si­ca e ví­deo sob de­man­da

ISTO É - - TECNOLOGIA/CONSUMO - An­dré Sol­lit­to

Mui­tos for­ma­tos pa­ra ou­vir mú­si­ca e as­sis­tir a fil­mes já sur­gi­ram e caí­ram em de­su­so. En­quan­to gra­va­ções fí­si­cas per­dem es­pa­ço, o stre­a­ming se con­so­li­dou co­mo a op­ção pre­fe­ri­da no mun­do to­do. De acor­do com da­dos do Mu­sic Con­su­mer In­sight Re­port 2018, re­la­tó­rio di­vul­ga­do pe­la Fe­de­ra­ção In­ter­na­ci­o­nal da In­dús-

tria Fo­no­grá­fi­ca, 86% dos con­su­mi­do­res de mú­si­ca usam al­gum ti­po de ser­vi­ço sob de­man­da. O Bra­sil es­tá en­tre os paí­ses que mais uti­li­zam o stre­a­ming no mun­do, fi­can­do atrás ape­nas da Rús­sia e do Mé­xi­co. Ou se­ja, o for­ma­to já foi acei­to pe­los usuá­ri­os. E o su­ces­so de pla­ta­for­mas co­mo a Net­flix e o Spo­tify fa­zem com que ou­tros pro­du­tos se­jam lan­ça­dos cons­tan­te­men­te. “Há um po­ten­ci­al de cres­ci­men­to enor­me pe­la fren­te no en­tre­te­ni­men­to via stre­a­ming”, afir­mou o CEO da Net­flix, Re­ed Has­tings. A che­ga­da do YouTu­be Pre­mium aba­la ain­da mais um mer­ca­do já re­ple­to de op­ções. En­tre tan­tas, qual es­co­lher?

O no­vo ser­vi­ço do Go­o­gle ofe­re­ce uma van­ta­gem ao unir tan­to o acer­vo au­di­o­vi­su­al já co­nhe­ci­do quan­to um stre­a­ming de mú­si­cas. É uma pro­pos­ta de jun­tar tu­do em um gran­de pa­co­te, em meio a uma seg­men­ta­ção ca­da vez mai­or. Há ser­vi­ços fo­ca­dos em ci­né­fi­los, em fãs do ci­ne­ma na­ci­o­nal, em au­dió­fi­los que pre­zam por uma qua­li­da­de so­no­ra mai­or, e as­sim vai. Mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais têm ain­da mais op­ções de ser­vi­ços. Fil­mes clás­si­cos, ci­ne­ma es­tran­gei­ro, mú­si­ca eru­di­ta… E a ga­ma de op­ções vai au­men­tar, com gran­des em­pre­sas anun­ci­an­do seus pró­pri­os stre­a­mings. É o ca­so da Dis­ney e da Ap­ple, cu­jas ope­ra­ções sob de­man­da de­vem co­me­çar em 2019. O pre­ço de ca­da ser­vi­ço cos­tu­ma fi­car em tor­no de R$ 20, en­tão as­si­nar

“Há um po­ten­ci­al de cres­ci­men­to enor­me pe­la fren­te no en­tre­te­ni­men­to via stre­a­ming” Re­ed Has­tings, CEO da Net­flix

NO VER­ME­LHO

Em­bo­ra te­nha si­do ado­ta­do pe­lo pú­bli­co, o stre­a­ming ain­da apre­sen­ta um mo­de­lo de ne­gó­ci­os pou­co ren­tá­vel. O nú­me­ro de usuá­ri­os ca­das­tra­dos no Spo­tify, por exem­plo, é enor­me, mas pou­cos usam a ver­são pa­ga, pre­fe­rin­do atu­rar anún­ci­os e ou­tras li­mi­ta­ções. O nú­me­ro de as­si­nan­tes da Net­flix tam­bém ul­tra­pas­sou a mar­ca de 130 mi­lhões, mas a em­pre­sa ope­ra com um dé­bi­to de mais de US$ 8 bi­lhões, prin­ci­pal­men­te por con­ta do al­to cus­to de pro­du­ção de seus con­teú­dos ori­gi­nais. Ape­sar do cres­ci­men­to, ain­da fal­ta um lon­go ca­mi­nho pa­ra a em­pre­sa se tor­nar ren­tá­vel.

A seg­men­ta­ção cres­cen­te da ofer­ta de ser­vi­ços aca­bou ge­ran­do um efei­to ne­ga­ti­vo: a pi­ra­ta­ria vol­tou a ga­nhar for­ça. Ain­da de acor­do com o Mu­sic Con­su­mer In­sight Re­port 2018, 38% dos con­su­mi­do­res bai­xam mú­si­cas ile­gal­men­te. É o re­tor­no de um pro­ble­ma que há anos pre­o­cu­pa o mer­ca­do fo­no­grá­fi­co e au­di­o­vi­su­al. O stre­a­ming de fa­to po­de se apre­sen­tar co­mo o fu­tu­ro do en­tre­te­ni­men­to, mas ain­da fal­ta re­sol­ver al­guns en­tra­ves pa­ra tor­nar o mo­de­lo sus­ten­tá­vel a lon­go pra­zo. vá­ri­os de­les é uma op­ção ca­ra. A es­tra­té­gia que mui­tos usuá­ri­os ado­tam é a de op­tar por um ser­vi­ço pa­ra mú­si­ca e ou­tro de ci­ne­ma. Qu­em quer ir mais fun­do se­le­ci­o­na tam­bém op­ções de ni­cho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.