Sem da­nos

No­va ci­rur­gia pa­ra ex­tra­ção de tu­mor de prós­ta­ta não cau­sa im­po­tên­cia e nem per­da de con­tro­le uri­ná­rio

ISTO É - - MEDICINA/CÂNCER - Ci­le­ne Pe­rei­ra

Na me­di­ci­na bra­si­lei­ra, o mês de no­vem­bro é de­di­ca­do as cam­pa­nhas de cons­ci­en­ti­za­ção so­bre o cân­cer de prós­ta­ta. De acor­do com as es­ti­ma­ti­vas do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Cân­cer, nes­te ano de­vem sur­gir 68 mil no­vos ca­sos e o re­gis­tro de mor­tes ul­tra­pas­sa­rá a mar­ca de 13 mil ho­mens. Com ca­rac­te­rís­ti­cas di­ver­sas — uns de evo­lu­ção len­ta, ou­tros mais agres­si­vos —, to­dos po­dem ser pre­ve­ni­dos a par­tir da re­a­li­za­ção re­gu­lar de exa­mes a par­tir dos 45 anos. Qu­an­do a do­en­ça se ins­ta­la, é pos­sí­vel tra­tá-la com me­di­ca­ções e ra­di­o­te­ra­pia, por exem­plo, pa­ra ten­tar pre­ser­var a glân­du­la, res­pon­sá­vel pe­la par­te do lí­qui­do que for­ma o es­per­ma. Se is­so não for pos­sí­vel, a op­ção é sua to­tal re­ti­ra­da.

Até mui­to re­cen­te­men­te, a ex­tra­ção com­ple­ta da prós­ta­ta tra­zia co­mo efei­tos co­la­te­rais, na mai­o­ria dos ca­sos, a per­da do con­tro­le uri­ná­rio e da ca­pa­ci­da­de de ere­ção. Um gru­po de mé­di­cos bra­si­lei­ros, ita­li­a­nos e ame­ri­ca­nos des­cre­veu na edi­ção de ju­lho do jor­nal da As­so­ci­a­ção Eu­ro­peia de Uro­lo­gia — o prin­ci­pal do mun­do no cam­po de ci­rur­gi­as uro­ló­gi­cas — uma no­va téc­ni­ca que pre­ser­va as fun­ções mes­mo com a re­ti­ra­da to­tal da glân­du­la.

O gran­de de­sa­fio de tra­tar qual­quer pro­ble­ma na prós­ta­ta é ter que tra­ba­lhar den­tro da área on­de a glân­du­la es­tá lo­ca­li­za­da. Ela

fi­ca en­tre a be­xi­ga e a pel­vis, re­gião bas­tan­te vas­cu­la­ri­za­da e pro­vi­da de ner­vos. Por is­so são tão co­muns se­que­las co­mo a per­da da con­ti­nên­cia uri­ná­ria e da ere­ção. O que os mé­di­cos fi­ze­ram foi mo­di­fi­car a téc­ni­ca pa­drão usa­da na pros­ta­tec­to­mia ro­bó­ti­ca, co­mo é a cha­ma­da a ci­rur­gia fei­ta por meio do robô (Da Vin­ci). “Na ope­ra­ção tra­di­ci­o­nal, é ne­ces­sá­rio cor­tar al­guns va­sos e ner­vos que es­tão na par­te an­te­ri­or da prós­ta­ta pa­ra que se­ja fei­ta sua re­mo­ção”, ex­pli­ca o uro­lo­gis­ta Ra­fa­el Co­e­lho, ci­rur­gião ro­bó­ti­co do Hos­pi­tal No­ve de Ju­lho, de São Pau­lo, e um dos es­pe­ci­a­lis­tas que as­si­na o ar­ti­go pu­bli­ca­do no jor­nal eu­ro­peu de uro­lo­gia. “De­sen­vol­ve­mos um mé­to­do iné­di­to de re­ti­rar a prós­ta­ta pre­ser­van­do es­ses va­sos.”

RE­TOR­NO RÁ­PI­DO

A téc­ni­ca vem sen­do usa­da pe­lo mes­mo ti­me no Bra­sil des­de 2014. De lá pa­ra cá, já são mais de mil pa­ci­en­tes ope­ra­dos. Na amos­tra usa­da pa­ra o es­tu­do, foi ava­li­a­da a evo­lu­ção de 128 pa­ci­en­tes. Os re­sul­ta­dos mos­tra­ram efi­cá­cia e, mais im­por­tan­te, da­nos mí­ni­mos. Na­da me­nos do que 85% apre­sen­ta­ram con­tro­le uri­ná­rio lo­go após a ci­rur­gia e, de­pois de um ano, 98% es­ta­vam con­ti­nen­tes. “E 87% dos ho­mens re­cu­pe­ra­ram a ca­pa­ci­da­de de ere­ção do­ze me­ses após o pro­ce­di­men­to”, in­for­ma Co­e­lho.

Ge­ral­men­te, o pa­ci­en­te fi­ca ape­nas um dia no hos­pi­tal e é li­be­ra­do pa­ra vol­tar as ati­vi­da­des em tor­no de quin­ze di­as. Is­so é pos­sí­vel por­que a ope­ra­ção é mi­ni­ma­men­te agres­si­va, o que re­duz ris­cos de in­fec­ção e de san­gra­men­to além do de­vi­do.

“Con­se­gui­mos re­ti­rar a glân­du­la pre­ser­van­do ner­vos e va­sos san­guí­ne­os” Ra­fa­el co­e­lho, uro­lo­gis­ta

PRECISÃOO mé­di­co Co­e­lho faz a ope­ra­ção por meio do robô Da Vin­ci

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.