“O RIS­CO DE DOUTRINAÇÃO SEM­PRE EXIS­TIU”

ISTO É - - ENTREVISTA - Por An­dré Var­gas

As de­fi­ci­ên­ci­as, os atra­sos e as li­mi­ta­ções do nos­so sis­te­ma edu­ca­ci­o­nal são as ob­ses­sões pro­fis­si­o­nais de Cláu­dia Cos­tin, atu­al di­re­to­ra do Cen­tro de Ex­ce­lên­cia e Ino­va­ção em Po­lí­ti­cas Edu­ca­ci­o­nais da Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas (FGV). Ex-mi­nis­tra do go­ver­no de Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so, ex-di­ri­gen­te de ONG e ex-di­re­to­ra glo­bal de Edu­ca­ção do Ban­co Mun­di­al que le­ci­o­nou no mes­tra­do da Uni­ver­si­da­de Har­vard, nos Es­ta­dos Uni­dos, ela per­cor­re o mun­do co­nhe­cen­do so­lu­ções pa­ra me­lho­rar o de­sem­pe­nho escolar de cri­an­ças e jo­vens bra­si­lei­ros. Pa­ra Cos­tin, é pre­ci­so me­lho­rar a for­ma­ção dos pro­fes­so­res, ga­ran­tir opor­tu­ni­da­des iguais pa­ra os es­tu­dan­tes e pre­pa­rar as es­co­las pa­ra o sé­cu­lo XXI, em vez de fi­car se pre­o­cu­pan­do com te­mas já dei­xa­dos pa­ra trás por ou­tro paí­ses, co­mo o de­ba­te so­bre co­tas, so­bre edu­ca­ção se­xu­al e so­bre os mé­to­dos do edu­ca­dor Pau­lo Frei­re. So­bre a bri­ga ide­o­ló­gi­ca pe­los co­ra­ções e men­tes dos alu­nos, ela é ca­te­gó­ri­ca: “É mais efe­ti­vo en­si­nar a pen­sar”.

A edu­ca­ção es­tá no cen­tro do atu­al em­ba­te ide­o­ló­gi­co no Bra­sil. O que acon­te­ceu?

A ide­o­lo­gi­za­ção da edu­ca­ção tem a ver, em mui­tos ca­sos, com o li­mi­ta­do re­per­tó­rio cul­tu­ral dos pro­fes­so­res. Lo­go, fi­ca mais fá­cil de­co­rar e re­pro­du­zir uma vi­são de mun­do com so­lu­ções sim­pli­fi­ca­do­ras. Is­so ocor­re mui­to em His­tó­ria e em Ge­o­gra­fia. Sem con­tar que, quan­do o pro­fes­sor se sen­te in­se­gu­ro, é na­tu­ral que re­cor­ra ao ma­te­ri­al di­dá­ti­co. O que foi pre­pa­ra­do pa­ra au­xi­liá-lo não po­de ser­vir de úni­co ro­tei­ro de au­la.

Mas há doutrinação?

Não es­tá er­ra­do di­zer que sim. O que não é cer­to é afir­mar que co­me­çou ago­ra. Des­de que exis­tem es­co­las há es­tá pos­si­bi­li­da­de, se­ja por doutrinação re­li­gi­o­sa ou doutrinação po­lí­ti­ca. Não é um fenô­me­no no­vo, mas é al­go que de­man­da ação. Des­de que is­so não sig­ni­fi­que co­lo­car fis­cais em ca­da sa­la ou man­dar os alu­nos fil­mar as au­las.

O que o Bra­sil per­de com o pro­je­to Es­co­la Sem Par­ti­do?

Per­de­re­mos res­pei­ta­bi­li­da­de e re­co­nhe­ci­men­to. Es­sa ques­tão só se re­sol­ve­rá com tra­ba­lho co­la­bo­ra­ti­vo dos pro­fes­so­res. Qu­em vai fis­ca­li­zar as au­las? Os ve­re­a­do­res? Ou aque­la pro­fes­so­ra de San­ta Ca­ta­ri­na que foi elei­ta de­pu­ta­da e que en­trou em uma sa­la de au­la com uma ca­mi­se­ta do Bol­so­na­ro pe­din­do pa­ra que os alu­nos de­nun­ci­as­sem a doutrinação? Se­rá que ela é uma boa jul­ga­do­ra dos fil­me­tes que se­ri­am fei­tos pe­los alu­nos? Só se re­sol­ve o pro­ble­ma mu­dan­do a cul­tu­ra, com edu­ca­do­res ana­li­san­do o pro­ces­so de au­la e en­si­nan­do a pen­sar. Se eu sou de di­rei­ta ou de es­quer­da e que­ro for­mar qu­em pen­se pa­re­ci­do, é mui­to mais efe­ti­vo en­si­ná-lo a ra­ci­o­ci­nar de mo­do autô­no­mo. Se o alu­no ape­nas de­co­rar o que cai na pro­va, ama­nhã ele se­rá ví­ti­ma fá­cil de al­gum lí­der de mas­sas que até po­de ser con­trá­rio ao que pre­go.

Por que o edu­ca­dor Pau­lo Frei­re é tão vi­li­pen­di­a­do?

Ele é res­pei­ta­dís­si­mo no mun­do to­do. Em Cin­ga­pu­ra, um alu­no co­men­tou co­mi­go que o sis­te­ma de edu­ca­ção lo­cal é um dos me­lho­res do mun­do, tam­bém lem­bran­do que a edu­ca­ção lá ain­da é mui­to rí­gi­da. Eles não pro­du­zi­ram um pen­sa­dor co­mo ele. Fi­quei emo­ci­o­na­da. Aqui, cri­ti­cam Pau­lo Frei­re pe­las po­si­ções po­lí­ti­cas que ele ti­nha no con­tex­to dos anos 60. Ele co­me­çou com al­fa­be­ti­za­ção quan­do as de­si­gual­da­des eram mui­to mai­o­res. Não acho que ele se­ja cul­pa­do de ne­nhum dos nos­sos pro­ble­mas edu­ca­ci­o­nais. O nos­so er­ro vem, em par­te, dos anos 40, quan­do op­ta­mos por in­ves­tir em uni­ver­si­da­des pú­bli­cas na ilu­são de que for­ma­ría­mos uma eli­te ilu­mi­na­da pa­ra de­pois, even­tu­al­men­te, in­ves­tir­mos na edu­ca­ção bá­si­ca. Is­so se­di­men­tou a de­si­gual­da­de e tor­nou nos­sas eli­tes mui­to ci­o­sas dos seus pri­vi­lé­gi­os.

As po­lí­ti­cas de co­tas de­vem ser re­vis­tas?

Eu as de­fen­do, po­rém acre­di­to que não de­vam va­ler pa­ra sem­pre. A que mais me agra­da é a da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo, que se be­ne­fi­ci­ou de er­ros e acer­tos do pas­sa­do. Eles co­lo­ca­ram co­ta pa­ra alu­nos de es­co­la pú­bli­ca e, den­tro de­la, as co­tas ra­ci­ais. Faz sen­ti­do. Pes­qui­sas so­bre co­tis­tas mos­tram que eles têm um de­sem­pe­nho li­gei­ra­men­te su­pe­ri­or aos de­mais quan­do re­ce­bem al­gum in­cen­ti­vo di­dá­ti­co, co­mo au­las de re­for­ço.

A edu­ca­ção se­xu­al faz par­te do en­si­no pú­bli­co des­de a di­ta­du­ra. De on­de vêm as crí­ti­cas atu­ais?

Al­gu­mas vi­sões re­li­gi­o­sas afir­mam que is­so de­ve­ria ser pa­pel da fa­mí­lia. Po­rém, é pre­ci­so lem­brar que mui­tos dos pais que ago­ra es­tão re­cla­man­do não com­ple­ta­ram se­quer o en­si­no fun­da­men­tal. Ou se­ja, não ti­ve­ram es­sas li­ções. Per­ce­bo is­so até quan­do dou pa­les­tras pa­ra se­cre­tá­ri­os mu­ni­ci­pais de edu­ca­ção. No ima­gi­ná­rio de mui­tos de­les, as au­las so­bre res­pei­to à ori­en­ta­ção se­xu­al de ou­tras pes­so­as po­de­ri­am in­du­zir os fi­lhos a vi­ra­rem gays. Não é o ca­so.

É fun­ção dos pro­fes­so­res ex­pli­car aos pais que a edu­ca­ção se­xu­al re­duz os ris­cos de gra­vi­dez na ado­les­cên­cia, de do­en­ças e de abu­sos?

Vi gen­te que de­fen­de edu­ca­ção ba­se­a­da em evi­dên­cia ci­en­tí­fi­ca sen­do con­tra a edu­ca­ção se­xu­al. Nos paí­ses de­sen­vol­vi­dos, to­dos têm edu­ca­ção se­xu­al. Pa­ra que rein­ven­tar a ro­da? Te­mos que edu­car pa­ra a au­to­no­mia, o tra­ba­lho, as re­la­ções so­ci­ais e uma vi­da afe­ti­va sau­dá­vel e ple­na, in­cluin­do a vi­da se­xu­al.

Por que os ín­di­ces de edu­ca­ção no Bra­sil avan­çam tão len­ta­men­te?

Te­mos mo­ti­vos his­tó­ri­cos, mas que não jus­ti­fi­cam tu­do. O Bra­sil foi um dos úl­ti­mos paí­ses ame­ri­ca­nos a uni­ver­sa­li­zar o aces­so ao en­si­no fun­da­men­tal. Se con­si­de­rar­mos só a edu­ca­ção pri­má­ria, na dé­ca­da de 1930 tí­nha­mos 21,5% das cri­an­ças na es­co­la. Es­tá­va­mos qua­se em­pa­ta­dos com a Co­reia [en­tão ain­da não di­vi­di­da em dois paí­ses], que ti­nha 22%. No fi­nal da dé­ca­da de 1960, po­rém, o Bra­sil ti­nha só 40% de ma­tri­cu­la­dos, en­quan­to a Co­reia do Sul já ha­via uni­ver­sa­li­za­do o aces­so.

“Cri­ti­ca-se Pau­lo Frei­re pe­las po­si­ções po­lí­ti­cas que ele ti­nha no con­tex­to dos anos 60”

Na dé­ca­da de 1980, mes­mo com to­da a ur­ba­ni­za­ção ocor­ri­da nas dé­ca­das an­te­ri­o­res, tí­nha­mos 60% das cri­an­ças nas es­co­las. É daí que vem nos­so atra­so. No ano 2000, che­ga­mos a uma es­co­la­ri­da­de mé­dia de 4,9 anos. Ho­je, te­mos 10,2 anos. Hou­ve um avan­ço. Um es­tu­do do Na­er­cio Me­ne­zes Fi­lho, pes­qui­sa­dor do Ins­per, apon­tou que 68% do su­ces­so escolar de uma cri­an­ça de­pen­de do grau de es­co­la­ri­da­de dos pais. Is­so ex­pli­ca os re­sul­ta­dos da Pro­va Bra­sil, a ava­li­a­ção escolar em Por­tu­guês e Ma­te­má­ti­ca do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção. O de­sem­pe­nho mé­dio do 5º ano do en­si­no fun­da­men­tal tem evo­luí­do a ca­da edi­ção des­de 2005. O pro­ble­ma é que es­ta­mos mui­to len­tos no 9º ano e, no en­si­no mé­dio, es­tag­na­mos.

Os pro­fes­so­res são re­al­men­te des­va­lo­ri­za­dos?

Du­as ques­tões sur­gi­ram a par­tir de 1997, quan­do con­cluí­mos a uni­ver­sa­li­za­ção do en­si­no fun­da­men­tal 1. A pro­fis­são co­me­çou a per­der pres­tí­gio por cau­sa dos sa­lá­ri­os, que ho­je es­tão 50% abai­xo das car­rei­ras que exi­gem o mes­mo ní­vel de es­tu­do. A se­guir, as mu­lhe­res co­me­ça­ram a en­con­trar no­vas opor­tu­ni­da­des de em­pre­go. É im­por­tan­te lem­brar que, até a dé­ca­da de 1970, as prin­ci­pais op­ções de tra­ba­lho feminino eram a en­fer­ma­gem e o ma­gis­té­rio. No iní­cio de no­vem­bro, saiu um re­la­tó­rio da Var­key Foun­da­ti­on, com se­de em Lon­dres, so­bre o sta­tus so­ci­al de pro­fes­so­res em 35 paí­ses. O Bra­sil fi­cou em úl­ti­mo lu­gar. Um dos de­ta­lhes é que, em nos­so País, pou­cos pais re­co­men­dam aos fi­lhos ser pro­fes­sor. Pa­ra com­ple­tar, o cur­so não pre­pa­ra pa­ra in­clu­são, al­fa­be­ti­za­ção e pe­da­go­gi­as pa­ra di­fe­ren­tes fai­xas etá­ri­as. Ou­tro da­do é que par­te sig­ni­fi­ca­ti­va dos pro­fes­so­res de es­co­las pú­bli­cas, on­de es­tão 81,7% das cri­an­ças e jo­vens, es­tão sub­me­ti­dos a con­tra­tos pre­cá­ri­os e frag­men­ta­dos, de 10 ou 16 ho­ras se­ma­nais. Is­so obri­ga o pro­fes­sor a ter ou­tra pro­fis­são ou a atu­ar em es­co­las di­fe­ren­tes.

A for­ma­ção de nos­sos pro­fes­so­res é mui­to de­fi­ci­en­te?

Eles pre­ci­sa­ri­am pi­sar na es­co­la des­de o iní­cio do cur­so. Em mé­dia, in­fe­liz­men­te, um fu­tu­ro pro­fes­sor de ma­te­má­ti­ca es­tu­da 3 anos e meio a ma­té­ria e ape­nas meio ano de his­tó­ria da edu­ca­ção, fi­lo­so­fia da edu­ca­ção, so­ci­o­lo­gia da edu­ca­ção e psi­co­lo­gia da edu­ca­ção. As tur­mas des­sas dis­ci­pli­nas são de 70 pes­so­as, com fu­tu­ros co­le­gas de Edu­ca­ção Fí­si­ca, Ci­ên­ci­as e Le­tras, to­dos mis­tu­ra­dos. Os fu­tu­ros pro­fes­so­res tam­bém fa­zem es­tá­gi­os obri­ga­tó­ri­os que mui­tas ve­zes são me­ra­men­te ri­tu­a­lís­ti­cos. No Rio, en­con­trei uma es­ta­giá­ria tra­ba­lhan­do na se­cre­ta­ria. Is­so con­ta, mas não po­de. Se na fa­cul­da­de de me­di­ci­na o alu­no en­tra no hos­pi­tal uni­ver­si­tá­rio des­de o iní­cio, por que não nos ou­tros cur­sos? Se pe­gar­mos os 30 me­lho­res paí­ses do PISA, to­dos têm uma ba­se na­ci­o­nal co­mum cur­ri­cu­lar. No Bra­sil, só te­mos na edu­ca­ção in­fan­til e no en­si­no fun­da­men­tal. Daí o Enem e os ves­ti­bu­la­res es­ti­pu­lam o que o alu­no de­ve apren­der. Só que, com tre­ze dis­ci­pli­nas pa­ra uma mé­dia de 4 ho­ras diá­ri­as de au­la, as chan­ces de se apren­der al­go em pro­fun­di­da­de fi­cam li­mi­ta­das. Não é à toa que os pro­fes­so­res universitários se quei­xam tan­to do pre­pa­ro dos alu­nos que che­gam.

Po­de­mos al­me­jar um de­sem­pe­nho co­mo os de Cin­ga­pu­ra ou da Co­reia do Sul?

Vi­ve­mos em um país enor­me, o que nos traz uma sé­rie de di­fi­cul­da­des. Mas é im­por­tan­te no­tar que a Chi­na, que não tem uma edu­ca­ção de qua­li­da­de no país to­do, con­se­guiu cri­ar um dos me­lho­res sis­te­mas de en­si­no do mun­do. O go­ver­no chinês in­ves­tiu mui­to nas me­ga­ci­da­des, em es­pe­ci­al Xan­gai, que tem 23 mi­lhões de ha­bi­tan­tes. No Bra­sil, um dos mai­o­res pro­ble­mas é a de­si­gual­da­de so­ci­al trans­for­ma­da em de­si­gual­da­de edu­ca­ci­o­nal. É al­go cru­el, pois a edu­ca­ção em­bu­te a pro­mes­sa de que va­mos ge­rar igual­da­de de opor­tu­ni­da­des. No úl­ti­mo PISA [si­gla em in­glês pa­ra Pro­gra­ma In­ter­na­ci­o­nal de Ava­li­a­ção de Alu­nos], o Bra­sil fi­cou em 66º em Ma­te­má­ti­ca, 63º em Ci­ên­ci­as e 59º em lei­tu­ra. Ja­mes Heck­man, No­bel de Eco­no­mia em 2000, fa­la da im­por­tân­cia da aten­ção com a pri­mei­ra in­fân­cia pa­ra ni­ve­lar as di­fe­ren­ças de ori­gem so­ci­al no de­sem­pe­nho escolar. A co­ber­tu­ra de cre­ches no Bra­sil é de 33%. Nas re­giões mais ca­ren­tes, con­tu­do, o ín­di­ce é de ape­nas 14%.

O que o Bra­sil pre­ci­sa fa­zer pa­ra ob­ter avan­ços mais rá­pi­dos no de­sem­pe­nho escolar de nos­sas cri­an­ças e jo­vens?

Te­mos três ta­re­fas pe­la fren­te. A pri­mei­ra é me­lho­rar a qua­li­da­de do en­si­no, de­sen­vol­ven­do ex­ce­lên­cia nas es­co­las. A se­guir, ga­ran­tir a equi­da­de. A ter­cei­ra é pre­pa­rar es­ses jo­vens pa­ra o sé­cu­lo XXI, pois se­quer con­cluí­mos a ta­re­fa de cri­ar uma boa es­co­la no sé­cu­lo XX. Te­mos mui­tas pen­dên­ci­as jus­ta­men­te em um mo­men­to em que a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al subs­ti­tui o tra­ba­lho hu­ma­no até em ta­re­fas que exi­gem com­pe­tên­ci­as cog­ni­ti­vas. Equi­li­brar es­sas de­man­das se­rá o gran­de de­sa­fio pa­ra o Bra­sil, mas não é al­go im­pos­sí­vel.

“Um es­tu­do de Na­er­cio Me­ne­zes Fi­lho, pes­qui­sa­dor do Ins­per, apon­tou que 68% do su­ces­so escolar de uma cri­an­ça de­pen­de do grau de es­co­la­ri­da­de dos pais”

EDU­CA­çãO SE­XU­AL “Mui­tos dos pais que ago­ra es­tão re­cla­man­do não com­ple­ta­ram se­quer o en­si­no fun­da­men­tal. Ou se­ja, não ti­ve­ram es­sas li­ções”, cri­ti­ca Cláu­dia Cos­tin

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.