POPPER, RAWLS E O BRA­SIL

ISTO É - - ARTIGOS - por An­to­nio Car­los Pra­do A se­guir: Ci­le­ne Pe­rei­ra, Sér­gio Par­del­las, Má­rio Si­mas Fi­lho

Ofi­ló­so­fo da ci­ên­cia Karl Popper for­mu­lou um dos prin­ci­pais te­o­re­mas da de­mo­cra­cia. Tra­ta-se do “pa­ra­do­xo da to­le­rân­cia”, tam­bém abor­da­do pe­los fi­ló­so­fos da po­lí­ti­ca John Rawls e Mi­cha­el Wal­zer. Es­cre­veu Popper em “The open so­ci­ety and its ene­mi­es”: “to­le­rân­cia ili­mi­ta­da le­va ao de­sa­pa­re­ci­men­to da pró­pria to­le­rân­cia. Se es­ten­der­mos o ili­mi­ta­do até mes­mo pa­ra aque­les que são in­to­le­ran­tes (...), en­tão os to­le­ran­tes se­rão des­truí­dos, e a to­le­rân­cia jun­ta­men­te com eles”.

Es­sa é uma re­fle­xão que ho­je se im­põe obri­ga­to­ri­a­men­te ao Bra­sil quan­do ou­vi­mos o PT fa­lar em “re­sis­tên­cia” ao pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro.

A de­mo­cra­cia im­pli­ca to­le­rân­cia e a to­le­rân­cia é fun­da­men­to da vi­da de­mo­crá­ti­ca. Jair Bol­so­na­ro es­tá le­gi­ti­ma­men­te e le­gal­men­te elei­to pe­lo vo­to de cin­quen­ta e oi­to mi­lhões de bra­si­lei­ros. Os par­ti­dos que se or­ga­ni­zam pa­ra fa­zer-lhe opo­si­ção den­tro do Con­gres­so es­tão a exer­cer de­mo­cra­ti­ca­men­te a to­le­rân­cia (opo­si­ção, no Con­gres­so, faz par­te do jo­go de­mo­crá­ti­co). Já o PT, ao pre­gar a “re­sis­tên­cia” que po­de si­gi­ni­fi­car o aban­do­no da le­ga­li­da­de e dos em­ba­tes na Câ­ma­ra e no Se­na­do, re­for­ça mais uma vez a sua to­ta­li­tá­ria prá­ti­ca de in­to­le­rân­cia. Bol­so­na­ro che­ga com le­gi­ti­mi­da­de à Pre­si­dên­cia do País — as­sim co­mo seus apoi­a­do­res e opo­si­to­res, igual­men­te man­da­tá­ri­os, são le­gí­ti­mos nos atos par­la­men­ta­res. A “re­sis­tên­cia” apre­go­a­da aos qua­tro can­tos pe­lo PT, fo­ra do Con­gres­so e em ma­ni­fes­ta­ções que qua­se sem­pre de­sa­guam na de­sor­dem, es­sa é ile­gí­ti­ma. Ca­be per­gun­tar: “re­sis­tên­cia con­tra o quê?”; “re­sis­tên­cia con­tra o di­rei­to de­mo­crá­ti­co de os bra­si­lei­ros ele­ge­rem Jair Mes­si­as Bol­so­na­ro?”; “re­sis­tên­cia con­tra as ur­nas so­men­te por­que o PT não to­le­ra frus­tra­ções nem der­ro­tas?

É im­por­tan­te ob­ser­var que a pró­pria opo­si­ção par­la­men­tar não quer par­ce­ria com o PT. Ha­ja vis­ta a fa­la do de­pu­ta­do fe­de­ral An­dré Figueiredo, lí­der do PDT. Ele ob­ser­vou que não dá mais pa­ra ce­der ao “he­ge­mo­nis­mo que o PT quer im­por aos de­mais par­ti­dos” e que “nin­guém quer mais con­ti­nu­ar sen­do um pu­xa­di­nho do PT”. É im­pres­cin­dí­vel, por­tan­to, fi­car­mos aten­tos pa­ra que a in­to­le­rân­cia es­quer­dis­ta do Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res em re­la­ção às elei­ções não des­trua a to­le­rân­cia de­mo­crá­ti­ca. “Nós te­mos um mo­de­lo de opo­si­ção que é cons­tru­ti­vo pa­ra o Bra­sil”, en­fa­ti­zou Figueiredo.

Em “A the­ory of jus­ti­ce”, John Rawls fri­sa que “a so­ci­e­da­de tem o di­rei­to ra­zoá­vel de au­to­pre­ser­va­ção (...)”. Ou se­ja: te­mos o di­rei­to de im­pe­dir que o PT, com sua in­to­le­rân­cia, ani­qui­le a to­le­rân­cia. As­sim es­cre­veu, e mui­to bem es­cri­to, o ex-mi­nis­tro do Tra­ba­lho e ex-pre­si­den­te do TST Al­mir Paz­zi­a­not­to, em “O Es­ta­do de S. Pau­lo”: “es­pe­ra-se que a opo­si­ção li­de­ra­da pe­lo PT, in­con­for­ma­da com a der­ro­ta, não en­ve­re­de pe­lo ca­mi­nho da aven­tu­ra. Ra­di­ca­lis­mo, nes­se mo­men­to de es­pe­ran­ças, sig­ni­fi­ca afron­tar a von­ta­de do po­vo que as­pi­ra vi­ver em paz”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.