UM GO­VER­NO LA­VA-JA­TO

ISTO É - - ARTIGOS - por Mu­ril­lo de Ara­gão A se­guir: Mar­co An­to­nio Vil­la

Ore­cém-elei­to go­ver­no Bol­so­na­ro tra­ta-se de um go­ver­no com a chan­ce­la de ori­gem e de pro­pó­si­tos da Ope­ra­ção La­va Ja­to. É, de for­ma sim­ples e di­re­ta, um go­ver­no La­va Ja­to. A ori­gem do go­ver­no de Jair Bol­so­na­ro (PSL) es­tá na des­trui­ção de par­te ex­pres­si­va do es­ta­blish­ment po­lí­ti­co pe­las in­ves­ti­ga­ções da La­va Ja­to. Sem es­sa des­trui­ção, o es­ta­blish­ment po­lí­ti­co te­ria so­bre­vi­vi­do e elei­to um can­di­da­to com­pro­me­ti­do com es­sa po­lí­ti­ca. Não im­por­ta de que par­ti­do.

A pre­sen­ça da ope­ra­ção na ce­na ins­ti­tu­ci­o­nal vai além da con­sequên­cia de des­truir o mun­do po­lí­ti­co. Re­ve­la-se so­bre­tu­do no es­tí­mu­lo à re­no­va­ção que o elei­to­ra­do apre­sen­tou nas úl­ti­mas elei­ções. Sem as in­ves­ti­ga­ções, boa par­te da ci­da­da­nia não te­ria acor­da­do pa­ra em­pur­rar Dil­ma Rous­seff (PT) pa­ra o im­pe­a­ch­ment. Tam­pou­co te­ria se mo­bi­li­za­do pa­ra pro­vo­car uma re­no­va­ção im­por­tan­te no Con­gres­so e nos go­ver­nos es­ta­du­ais.

O pro­ces­so elei­to­ral de­cor­reu do am­bi­en­te pro­por­ci­o­na­do pe­la La­va Ja­to, que es­ti­mu­lou o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral a proi­bir o fi­nan­ci­a­men­to de cam­pa­nha por pes­soa ju­rí­di­ca e o Con­gres­so a di­ver­si­fi­car o te­to de gas­tos por can­di­da­tu­ra. Por is­so ti­ve­mos cam­pa­nhas pau­pér­ri­mas se com­pa­ra­das às an­te­ri­o­res. Foi uma cam­pa­nha cur­ta na sequên­cia de uma pré-cam­pa­nha lon­ga que ape­nas Bol­so­na­ro sou­be uti­li­zar a seu fa­vor.

A in­fluên­cia da ope­ra­ção se ma­te­ri­a­li­za de for­ma in­con­tes­te quan­do o en­tão juiz Sér­gio Mo­ro, à fren­te da La­va-Ja­to na pri­mei­ra ins­tân­cia, acei­ta o con­vi­te pa­ra co­man­dar o Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça e aban­do­na a ma­gis­tra­tu­ra. Não só co­man­dar co­mo le­var to­da a ide­o­lo­gia da La­va Ja­to pa­ra a sua ges­tão. Não há si­nal mai­or de in­fluên­cia da ope­ra­ção no no­vo go­ver­no do que sua pre­sen­ça no co­man­do do su­per Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça.

Afi­nal, na­da es­ca­pa­rá da in­fluên­cia e, even­tu­al­men­te, do es­cru­tí­nio da cul­tu­ra da La­va Ja­to nas ações do go­ver­no Bol­so­na­ro. A pre­sen­ça de Mo­ro se con­fi­gu­ra co­mo a de um íco­ne dos no­vos cos­tu­mes po­lí­ti­cos, servin­do de ba­li­za pa­ra o go­ver­no que se ini­cia em ja­nei­ro, além de ser um pro­fun­do in­co­mo­do pa­ra a ve­lha gu­ar­da da po­lí­ti­ca na­ci­o­nal.

As­sim, de um la­do, a co­a­li­zão Bol­so­na­ro-Mo­ro dá enor­me cre­di­bi­li­da­de à no­va ges­tão. De ou­tro, traz imen­sa res­pon­sa­bi­li­da­de, em es­pe­ci­al, no com­ba­te à cri­mi­na­li­da­de e à cor­rup­ção. O fracasso na re­du­ção dos ín­di­ces de cri­mi­na­li­da­de se­rá trá­gi­co pa­ra o go­ver­no. O se­tor de se­gu­ran­ça pú­bli­ca, co­mo in­di­ca a pre­sen­ça de Mo­ro à sua fren­te, se­rá pri­o­ri­da­de. Em sen­do pri­o­ri­da­de, su­as ex­pres­sões de­ve­rão sur­gir de for­ma cla­ra e in­ques­ti­o­ná­vel pe­ran­te a so­ci­e­da­de. Me­nos em pa­la­vras e mais em ati­tu­des.

Um go­ver­no com a chan­ce­la da La­va Ja­to te­rá de se pau­tar — ne­ces­sa­ri­a­men­te — por um com­por­ta­men­to ético ir­re­pre­en­sí­vel e re­sul­ta­dos cla­ros. Pa­ra se­to­res do mun­do po­lí­ti­co acos­tu­ma­dos a cer­tas le­ni­ên­ci­as, o es­pec­tro da La­va Ja­to fun­ci­o­na co­mo um aler­ta de que os es­que­mas de ou­tro­ra não se­rão mais to­le­ra­dos. É uma mu­dan­ça pro­fun­da nos cos­tu­mes po­lí­ti­cos do país.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.