NÃO NASCI PA­RA SER MÃE, PASTORA DAMARES

ISTO É - - ARTIGOS - por Ci­le­ne Pe­rei­ra

Quan­do se­rá mes­mo que mui­ta gen­te no Bra­sil vai sair dos sé­cu­los 18, 19? To­ma­ra que apro­vei­tem a vi­ra­da de 2018 pa­ra 2019 pa­ra en­tra­rem lo­go no sé­cu­lo 21. Não dá mais pa­ra aguen­tar pes­so­as co­mo a pastora e ad­vo­ga­da Damares Al­ves, pro­vá­vel mi­nis­tra de Di­rei­tos Hu­ma­nos, Fa­mí­lia e Mu­lhe­res no go­ver­no do pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro, in­sis­tin­do na his­tó­ria de que lu­gar de mu­lher é em ca­sa, cui­dan­do de fi­lho e ma­ri­do. Não dá mais pa­ra to­le­rar a de­fe­sa da ideia de que o prin­ci­pal pa­pel feminino é o de ser mãe e que o mo­de­lo “cris­tão” de vi­da im­pli­ca que se­jam elas as res­pon­sá­veis pelo de­sen­vol­vi­men­to afe­ti­vo, in­te­lec­tu­al e social de seus fi­lhos. Não dá mais pa­ra su­por­tar o pen­sa­men­to de que, nes­se tal mo­de­lo, o ma­ri­do sus­ten­ta e en­che a es­po­sa de jói­as e pre­sen­tes, co­mo dis­se a pastora em en­tre­vis­ta me­ses atrás. “Es­se se­ria o pa­drão ide­al de so­ci­e­da­de. Mas te­mos que ir pa­ra o mer­ca­do de tra­ba­lho.”

Não, pastora Damares. As mu­lhe­res não “têm” que ir pa­ra o mer­ca­do de tra­ba­lho quan­do, na ver­da­de, de­se­ja­ri­am es­tar em ca­sa des­fru­tan­do dos pro­ven­tos dos ma­ri­dos. Is­so po­de ser ver­da­de pa­ra uma pe­que­na par­ce­la da po­pu­la­ção fe­mi­ni­na, mas por fa­vor não ge­ne­ra­li­ze as coi­sas. Ge­ne­ra­li­zar é o pri­mei­ro pas­so pa­ra er­ros gro­tes­cos. Ge­ne­ra­li­zar quan­do se fa­la de um uni­ver­so com­pos­to por mais de 105 mi­lhões de mu­lhe­res, en­tão, é um equí­vo­co ter­rí­vel.

Es­tá tu­do cer­to se pa­ra es­sas mu­lhe­res a fe­li­ci­da­de es­ti­ver em fi­car em ca­sa cui­dan­do da fa­mí­lia en­quan­to o ma­ri­do le­va o sus­ten­to. Mas es­tá er­ra­do de­fen­der que es­se se­ja o “pa­drão ide­al” de so­ci­e­da­de, em ple­no 2018, quan­do gran­de par­te das mu­lhe­res já se li­vrou de pelo me­nos al­gu­mas das ar­ma­di­lhas que lhes fo­ram im­pos­tas ao lon­go dos sé­cu­los. En­tre elas a de que nas­ce­ram com a úni­ca fi­na­li­da­de de se­rem mães e es­po­sas. Ho­je, elas po­dem se de­di­car ao ca­sa­men­to e à ma­ter­ni­da­de se as­sim qui­se­rem, não por­que de­vem fa­zer is­so.

Na ver­da­de, o pa­drão ide­al de so­ci­e­da­de é aque­le no qual a mu­lher po­de ser o que bem en­ten­der, sem precisar res­pon­der ou se ade­quar a fi­gu­ri­nos ul­tra­pas­sa­dos. Não quer ca­sar? Ok. Não quer ter fi­lhos? Ok tam­bém. De­se­ja ter fi­lhos sem se ca­sar, quer de­di­car a vi­da à car­rei­ra pro­fis­si­o­nal, na­mo­rar ou­tra mu­lher, des­co­brir que não se iden­ti­fi­ca com seu gê­ne­ro e tro­cá-lo? Ok pa­ra to­das as si­tu­a­ções.

A li­ber­da­de de ser o que qui­ser é a gran­de con­quis­ta das mu­lhe­res dos dois úl­ti­mos sé­cu­los, ob­ti­da a cus­to de mui­ta lu­ta con­tra os pre­con­cei­tos mo­rais e re­li­gi­o­sos que cer­ce­a­ram as es­co­lhas fe­mi­ni­nas até ho­je. A vi­tó­ria ain­da não é to­tal e a bri­ga se­rá lon­ga. Mas já foi aber­to o ca­mi­nho pa­ra uma so­ci­e­da­de que res­pei­ta a von­ta­de in­di­vi­du­al, de ho­mens e mu­lhe­res, e que pre­vê res­pon­sa­bi­li­da­des com­par­ti­lha­das en­tre pais e mães em re­la­ção ao de­sen­vol­vi­men­to sau­dá­vel dos fi­lhos. Lu­gar de mu­lher, pastora Damares, é on­de ela qui­ser es­tar. A so­ci­e­da­de ide­al, Damares, é a que ofe­re­ce as con­di­ções pa­ra que is­so se­ja pos­sí­vel.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.