GENERAIS LIBERAIS?

ISTO É - - ARTIGOS - por Bo­lí­var La­mou­ni­er

En­tre as diversas ima­gens do Bra­sil cul­ti­va­das pe­los in­te­lec­tu­ais — que­ro di­zer, en­saís­tas, so­ció­lo­gos, his­to­ri­a­do­res e es­cri­to­res em ge­ral —, uma sem­pre se des­ta­cou por lar­ga mar­gem. O ter­mo-cha­ve que a de­sig­na­va era “pa­tri­mo­ni­a­lis­mo”, con­sa­gra­da pelo mes­tre Ray­mun­do Fa­o­ro. Ou­tros con­cei­tos fo­ram cri­a­dos, mas o es­sen­ci­al não di­ver­si­fi­ca­va mui­to. O que se que­ria di­zer é que uma pe­que­na eli­te con­tro­la­va a má­qui­na do Es­ta­do e tu­do o que ela representa em ter­mos de po­der e man­ti­nha in­có­lu­me a pi­râ­mi­de dis­tri­buin­do par­te do bu­tim aos “ami­gos do rei”.

O “pa­tro­na­to po­lí­ti­co” (ou­tro ter­mo de Ray­mun­do Fa­o­ro) des­cri­to no pa­rá­gra­fo an­te­ri­or po­de ser de­sig­na­do co­mo o ápi­ce da pi­râ­mi­de, ou co­mo o pri­mei­ro cír­cu­lo con­cên­tri­co na es­tru­tu­ra do po­der. Abai­xo de­le, ou co­mo um se­gun­do cír­cu­lo, vi­ce­ja­va uma ca­ma­da re­la­ti­va­men­te am­pla que se au­to­de­no­mi­na (va) “clas­se política”. A mai­o­ria de­la era um ban­do de far­san­tes, que na­da

As eli­tes políticas der­ro­ta­das, à di­rei­ta e à es­quer­da, não pa­re­cem cons­ci­en­tes de que uma mudança es­tru­tu­ral es­te­ja ba­ten­do às por­tas

re­pre­sen­ta­vam se­não a si mes­mos e ca­re­cia to­tal­men­te de idei­as ou ob­je­ti­vos so­bre o país, mas ha­via uma par­ce­la mi­no­ri­tá­ria que acre­di­ta­va pi­a­men­te na pos­si­bi­li­da­de de as­cen­der ao pri­mei­ro cír­cu­lo, es­pe­ci­al­men­te se a de­mo­cra­cia não atra­pa­lhas­se e que, em lá che­gan­do, re­for­ma­ria ra­di­cal­men­te a so­ci­e­da­de, mo­der­ni­zan­do-a, tor­nan­do-a me­nos iní­qua.

Lon­ge de mim afir­mar que a ascensão do “bol­so­na­ris­mo” sig­ni­fi­ca ip­so fac­to uma vi­ra­da an­ti­de­mo­crá­ti­ca, o que se­ria no mí­ni­mo uma le­vi­an­da­de, uma vez que ele nem to­mou pos­se. Afir­mo, po­rém, que a dis­pu­ta elei­to­ral de ou­tu­bro foi mui­to pa­re­ci­da com a imagem há dé­ca­das cul­ti­va­da pelo se­gun­do cír­cu­lo. Não há dú­vi­da de que ele as­su­miu ares de mo­der­ni­za­dor em con­tra­po­si­ção à política “tra­di­ci­o­nal”. E, de fa­to, as eli­tes políticas der­ro­ta­das, à di­rei­ta e à es­quer­da, não pa­re­cem cons­ci­en­tes de que uma mudança es­tru­tu­ral im­por­tan­te es­te­ja ba­ten­do às por­tas. As no­vas li­de­ran­ças não enun­ci­a­ram pro­pó­si­tos di­ta­to­ri­ais, mas re­cor­re­ram a qua­dros mi­li­ta­res nu­ma ex­ten­são tal­vez nun­ca vis­ta sob cons­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas em nos­so País. Não os­ten­tam o na­ci­o­na­lis­mo nem o in­ter­ven­ci­o­nis­mo in­gê­nuo dos anos cin­quen­ta, mas se­ria um pa­ten­te exa­ge­ro afir­mar que te­nham as­su­mi­do uma pos­tu­ra li­be­ral re­a­lis­ta e con­vin­cen­te. Fi­que­mos, pois, por en­quan­to, com a con­vic­ção de que Deus às ve­zes es­cre­ve cer­to atra­vés de apa­rên­ci­as tor­tas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.