A ES­TRA­NHA MOR­TE DA EU­RO­PA

ISTO É - - BRASIL/CAPA - por Rodrigo Cons­tan­ti­no

Im­pos­sí­vel ver as ce­nas dos “pro­tes­tos” na Fran­ça re­cen­te­men­te e não lem­brar do in­flu­en­te li­vro The Stran­ge De­ath of Eu­ro­pe, de Dou­glas Mur­ray. Sim, Pa­ris foi pal­co de mui­tas re­vol­tas, a co­me­çar pe­la mais san­gren­ta de to­das, a pró­pria Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa. Mas uma aná­li­se mais dis­tan­te e isen­ta vai com­pro­var: a Eu­ro­pa vi­ve di­as ten­sos em que seu fu­tu­ro mes­mo se en­con­tra em jo­go.

Po­de-se apon­tar pa­ra as de­man­das pon­tu­ais dos “co­le­tes ama­re­los”, pa­ra a pro­pos­ta de au­men­to de im­pos­tos, ou pa­ra a fra­ca li­de­ran­ça de Ma­cron. Mas tu­do is­so é con­jun­tu­ra. A es­tru­tu­ra, que es­tá po­dre, fa­la mui­to mais fun­do aos co­ra­ções: os eu­ro­peus em ge­ral e os fran­ce­ses em par­ti­cu­lar dei­xa­ram os pi­la­res de sua ci­vi­li­za­ção se ero­di­rem a tal pon­to que uma re­cons­tru­ção po­de ser in­viá­vel ago­ra.

A te­se cen­tral de Mur­ray é que uma po­pu­la­ção cul­pa­da pelo pas­sa­do, que per­deu o con­ta­to com os va­lo­res mo­rais tra­di­ci­o­nais e a re­li­gião que os ga­ran­tia, re­sol­veu se tor­nar a “ca­sa do mun­do” e abra­çou o mul­ti­cul­tu­ra­lis­mo, es­can­ca­ran­do su­as fron­tei­ras pa­ra imi­gran­tes, em es­pe­ci­al mu­çul­ma­nos que se re­cu­sam a as­si­mi­lar a cul­tu­ra que os re­ce­be. Es­se so­ma­tó­rio de imi­gra­ção des­con­tro­la­da, au­to­es­ti­ma re­du­zi­da e o mul­ti­cul­tu­ra­lis­mo es­tão le­van­do a um sui­cí­dio cul­tu­ral, ace­le­ra­do por li­de­ran­ças fra­cas.

Fal­tou na equa­ção o mo­de­lo econô­mi­co pa­ter­na­lis­ta, que pro­me­te mui­to e en­tre­ga pou­co, co­bran­do ca­ro de­mais pa­ra tan­to. A

“uto­pia” uni­ver­sa­lis­ta que se­du­ziu os eu­ro­peus, ao mes­mo tem­po em que as li­de­ran­ças políticas ig­no­ra­vam a im­por­tân­cia do pa­tri­o­tis­mo, foi fa­tal. Ban­car o po­li­ti­ca­men­te cor­re­to e o bon­zi­nho, em­bar­car na his­te­ria eco­ló­gi­ca e re­ce­ber to­do ti­po de imi­gran­te sem qual­quer pre­o­cu­pa­ção com sua as­si­mi­la­ção cul­tu­ral, jus­to num mo­men­to de fra­gi­li­da­de da iden­ti­da­de e en­fra­que­ci­men­to re­li­gi­o­so, po­de ter si­do fa­tal.

A Fran­ça é um ca­so ain­da pi­or por con­ta de sua men­ta­li­da­de di­ri­gis­ta, da for­ça des­co­mu­nal dos sin­di­ca­tos, de uma eli­te ex­tre­ma­men­te ar­ro­gan­te e cul­pa­da ao mes­mo tem­po, íco­ne da es­quer­da ca­vi­ar glo­bal. Es­ta­do de bem-es­tar social com pe­sa­dos im­pos­tos, mul­ti­cul­tu­ra­lis­mo que re­jei­ta a su­pe­ri­o­ri­da­de da cul­tu­ra oci­den­tal, des­pre­zo re­li­gi­o­so con­fun­di­do com lai­ci­da­de, per­da de iden­ti­da­de na­ci­o­nal e in­va­são bár­ba­ra: eis o cal­do que en­tor­nou no ca­os social de ho­je.

É tris­te ver a na­ção que nos deu Toc­que­vil­le, Bas­ti­at e tan­tos ou­tros pen­sa­do­res liberais su­cum­bir des­se jei­to sob o pe­so do “pro­gres­sis­mo”. É la­men­tá­vel ver o con­ti­nen­te de Go­ethe, Kant e Sha­kes­pe­a­re se tor­nan­do ca­da vez mais ir­re­co­nhe­cí­vel. Mas é o pre­ço da uto­pia. E a re­a­ção nem sem­pre se­rá po­si­ti­va. Ou al­guém acha mes­mo que Ma­ri­ne Le Pen se­ria a sal­va­ção? Po­bre Eu­ro­pa. Co­lhen­do aqui­lo que plan­tou. Se­rá que ain­da é pos­sí­vel evi­tar um des­ti­no tão som­brio?

É tris­te ver a Fran­ça, que nos deu Toc­que­vil­le, Bas­ti­at e tan­tos ou­tros pen­sa­do­res liberais, su­cum­bir sob o pe­so do “pro­gres­sis­mo”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.