O pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro imi­ta o es­ti­lo e as idei­as de Do­nald Trump. A es­co­lha des­se ca­mi­nho, no en­tan­to, não nos ga­ran­ti­rá be­ne­fí­ci­os co­mer­ci­ais e di­plo­má­ti­cos

O Bra­sil en­trou nu­ma on­da ar­ris­ca­da de ame­ri­ca­ni­za­ção e ali­nha­men­to aos EUA. Quais os be­ne­fí­ci­os e des­van­ta­gens ao País des­sa no­va pos­tu­ra

ISTO É - - SUMÁRIO - Di­o­go Schelp e Lui­sa Pur­chio

“Meu Deus, aju­da-me a so­bre­vi­ver a es­se amor mor­tal.” Es­ta é a fra­se que acom­pa­nha o gra­fi­te fei­to pelo ar­tis­ta Dmi­tri Vru­bel em um dos tre­chos que ain­da res­tam do Mu­ro de Ber­lim, que até 1989 di­vi­diu a ci­da­de ale­mã em um lado co­mu­nis­ta e um ca­pi­ta­lis­ta. O de­se­nho mos­tra os ex-lí­de­res Le­o­nid Brej­nev, da União So­vié­ti­ca, e Eri­ch Ho­nec­ker, da Ale­ma­nha Ori­en­tal, bei­jan­do-se na bo­ca. A ce­na não foi uma in­ven­ção de Vru­bel. Ela re­al­men­te acon­te­ceu, em 1979, du­ran­te uma visita ofi­ci­al do so­vié­ti­co ao ale­mão — e não se tra­tou de uma de­mons­tra­ção de afe­to gay, e sim de um ges­to co­mum en­tre bons ami­gos na Rús­sia. Pa­ra os ale­mães ori­en­tais, po­rém, opri­mi­dos pelo re­gi­me co­mu­nis­ta, o se­li­nho sim­bo­li­zou a re­la­ção de sim­bi­o­se ide­o­ló­gi­ca e, aci­ma de tu­do, de sub­ser­vi­ên­cia de Ho­nec­ker com Brej­nev. O de­se­nho de Vru­bel ins­pi­rou mui­tas ou­tras re­lei­tu­ras, a mais re­cen­te de­las em Ma­ra­ca­naú, na gran­de For­ta­le­za, on­de, no úl­ti­mo dia 25 de no­vem­bro, o gra­fi­tei­ro Yu­ri Sou­sa, co­nhe­ci­do co­mo Bad Boy Pre­to, es­tam­pou um bei­ja­ço en­tre o pre­si­den­te ame­ri­ca­no Do­nald Trump e o seu fu­tu­ro co­le­ga bra­si­lei­ro Jair Bol­so­na­ro. A ar­te não du­rou mais do que 48 ho­ras. Al­guém se sen­tiu ofen­di­do e pas­sou uma tin­ta azul por ci­ma. O cen­sor anô­ni­mo tal­vez te­nha pen­sa­do que o gra­fi­te ques­ti­o­na­va a ori­en­ta­ção se­xu­al do pre­si­den­te elei­to, mas a obra cer­ta­men­te in­si­nua mais do que is­so: as­sim co­mo no ca­so de Brej­nev e Ho­nec­ker, ela cap­tou com per­fei­ção o ver­da­dei­ro amor que Bol­so­na­ro e seus con­se­lhei­ros mais pró­xi­mos vêm ex­pres­san­do pelo es­ti­lo e pe­los ide­ais trum­pis­tas.

As­sim co­mo Trump, Bol­so­na­ro fez uma cam­pa­nha elei­to­ral apre­sen­tan­do-se co­mo can­di­da­to an­ti-sis­te­ma, que não com­pac­tua com as prá­ti­cas des­gas­ta­das da política tra­di­ci­o­nal. Tam­bém atro­pe­lou qual­quer cui­da­do com prin­cí­pi­os po­li­ti­ca­men­te cor­re­tos e abra­çou uma agenda con­ser­va­do­ra nos cos­tu­mes, fa­zen­do pou­co ca­so de ques­tões de gê­ne­ro e de de­fe­sa do di­rei­to de mi­no­ri­as. A exem­plo de Trump, o bra­si­lei­ro de­fen­deu a li­be­ra­ção de ven­da de ar­mas pa­ra ci­da­dãos co­muns e não se can­sou de acu­sar a im­pren­sa de per­se­gui-lo. Bol­so­na­ro tam­bém mi­me­ti­zou a es­tra­té­gia di­gi­tal de Trump, apos­tan­do na comunicação di­re­ta com seus apoi­a­do­res por meio das redes so­ci­ais. Nas úl­ti­mas se­ma­nas, ao anun­ci­ar fu­tu­ros mi­nis­tros pelo Twit­ter, ele tem da­do in­dí­ci­os de que pre­ten­de fa­zer des­sa tam­bém uma fer­ra­men­ta de go­ver­no, da mes­ma for­ma que Trump.

Em política ex­ter­na, Bol­so­na­ro já dei­xou igual­men­te cla­ro que pre­ten­de imi­tar o ame­ri­ca­no. Ele pro­me­teu trans­fe­rir a em­bai­xa­da bra­si­lei­ra em Is­ra­el de Tel Aviv pa­ra Je­ru­sa­lém, ci­da­de dis­pu­ta­da co­mo ca­pi­tal tam­bém pe­los pa­les­ti­nos, co­mo fez Trump em maio des­te ano; anunciou a in­ten­ção de re­ti­rar o Bra­sil dos com­pro­mis­sos cli­má­ti­cos do Acor­do de Pa­ris, exa­ta­men­te co­mo fez Trump; des­de­nhou do mul­ti­la-

“O mo­men­to in­ter­na­ci­o­nal, com rá­pi­da ascensão chi­ne­sa, exi­ge cau­te­la por par­te do Bra­sil” Gui­lher­me Ca­sa­rões, ci­en­tis­ta po­lí­ti­co da FGV-SP

te­ra­lis­mo de ór­gãos co­mo a ONU e do Mer­co­sul; e cri­ti­cou a agres­si­vi­da­de co­mer­ci­al e o avan­ço de in­ves­ti­do­res chi­ne­ses no Bra­sil. Ao con­trá­rio dos Es­ta­dos Uni­dos, ain­da a mai­or po­tên­cia mun­di­al, fal­ta pe­so po­lí­ti­co e econô­mi­co ao Bra­sil pa­ra se apar­tar tão ra­di­cal­men­te de cer­tos con­sen­sos di­plo­má­ti­cos.

No ca­so da Chi­na, Bol­so­na­ro pa­re­ce es­tar que­ren­do to­mar par­ti­do na gu­er­ra ta­ri­fá­ria que Trump ini­ci­ou con­tra a mai­or eco­no­mia ex­por­ta­do­ra do mun­do. Seu fi­lho Edu­ar­do Bol­so­na­ro, elei­to de­pu­ta­do fe­de­ral com a vo­ta­ção mais ex­pres­si­va do País, es­cla­re­ceu que a gui­na­da pa­ra uma política ex­ter­na de ali­nha­men­to com os Es­ta­dos Uni­dos se­rá uma pri­o­ri­da­de da di­plo­ma­cia do no­vo go­ver­no — em de­tri­men­to da Chi­na. Ele até es­ta­be­le­ceu co­mo me­ta voltar a ter os Es­ta­dos Uni­dos co­mo prin­ci­pal par­cei­ro co­mer­ci­al do Bra­sil, pos­to que pas­sou a ser ocu­pa­do pe­la Chi­na no­ve anos atrás, se­gun­do ele por “mo­ti­vos ide­o­ló­gi­cos” do go­ver­no pe­tis­ta. Edu­ar­do é quem mais exer­ce in­fluên­cia so­bre o pai em ques­tões de política ex­ter­na. Foi ele quem em­pla­cou o

no­me de Er­nes­to Araú­jo, por su­ges­tão do fi­ló­so­fo con­ser­va­dor Ola­vo de Car­va­lho, pa­ra o pos­to de mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res e foi ele, tam­bém, quem fez a pri­mei­ra vi­a­gem aos Es­ta­dos Uni­dos, há du­as se­ma­nas, co­mo re­pre­sen­tan­te do pre­si­den­te elei­to jun­to a con­se­lhei­ros de Trump.

O ali­nha­men­to au­to­má­ti­co com os in­te­res­ses ame­ri­ca­nos apre­sen­ta al­guns ris­cos im­por­tan­tes, ocul­ta­dos por be­ne­fí­ci­os ime­di­a­tos, mas efê­me­ros. Em um pri­mei­ro mo­men­to, a gu­er­ra co­mer­ci­al en­tre Es­ta­dos Uni­dos e Chi­na ala­van­cou a ex­por­ta­ção de pro­du­tos bra­si­lei­ros. Quan­do o go­ver­no ame­ri­ca­no exi­giu no­vos im­pos­tos às im­por­ta­ções de pro­du­tos chi­ne­ses, o go­ver­no de Xi Jin­ping re­ta­li­ou e o co­mér­cio en­tre os dois paí­ses ge­rou 100 bi­lhões de dó­la­res em ta­xas adi­ci­o­nais. Co­mo um gran­de ex­por­ta­dor de com­mo­di­ti­es, o Bra­sil sur­giu co­mo uma al­ter­na­ti­va pa­ra a Chi­na, es­pe­ci­al­men­te pa­ra a com­pra de grãos. Em ou­tu­bro des­te ano, por exem­plo, em com­pa­ra­ção com o mes­mo mês de 2017, os chi­ne­ses do­bra­ram a im­por­ta­ção de so­ja bra­si­lei­ra, em to­ne­la­das.

PI­OR PA­RA TO­DOS

No lon­go pra­zo, po­rém, a es­ti­ma­ti­va é que a dis­pu­ta en­tre os dois paí­ses pre­ju­di­que a eco­no­mia glo­bal, prin­ci­pal­men­te de­vi­do ao au­men­to do ris­co que ela ge­ra — o que tem re­fle­xos ne­ga­ti­vos pri­mei­ro em paí­ses emer­gen­tes, co­mo o Bra­sil. O Itaú Uni­ban­co, que pre­vê um cres­ci­men­to de 2,5% do PIB do Bra­sil em 2019, cal­cu­la que o ín­di­ce pos­sa se re­du­zir 1 pon­to per­cen­tu­al em 2019 ca­so a gu­er­ra co­mer­ci­al en­tre ame­ri­ca­nos e chi­ne­ses se in­ten­si­fi­que. O cres­ci­men­to da eco­no­mia asiá­ti­ca cai­ria de 6,1% pa­ra 4,5%.

Ou­tro in­dí­cio de que a apos­ta no es­fri­a­men­to do co­mér­cio en­tre ame­ri­ca­nos e chi­ne­ses po­de ser efê­me­ra apa­re­ceu no en­con­tro do G20, o gru­po dos paí­ses mais ri­cos do mun­do, em Bu­e­nos Ai­res, no mês pas­sa­do. Na oca­sião, Trump e o pre­si­den­te Xi Jin­ping apa­ren­te­men­te con­cor­da­ram com uma trégua na gu­er­ra ta­ri­fá­ria. Pelo Twit­ter, o ame­ri­ca­no di­vul­gou que a Chi­na cor­ta­rá as ta­ri­fas dos carros ame­ri­ca­nos im­por­ta­dos e os Es­ta­dos Uni­dos sus­pen­de­rão por 90 di­as um no­vo au­men­to nas ta­ri­fas so­bre pro­du­tos chi­ne­ses. “Uma vez nor­ma­li­za­das as re­la­ções en­tre Es­ta­dos Uni­dos e Chi­na, a ten­dên­cia é que o Bra­sil per­ca es­pa­ço. Por is­so é im­por­tan­te me­lho­rar as con­di­ções de com­pe­ti­ti­vi­da­de dos pro­du­tos e não só con­tar com as os­ci­la­ções do co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal”, diz Gui­lher­me Ca­sa­rões, ci­en­tis­ta po­lí­ti­co da FGV-SP.

Is­so não sig­ni­fi­ca que a apro­xi­ma­ção com os Es­ta­dos Uni­dos se­ja pre­ju­di­ci­al. De acor­do com Stu­art Got­tli­eb, pro­fes­sor de as­sun­tos in­ter­na­ci­o­nais da Uni­ver­si­da­de de Co­lum­bia e ex­con­sul­tor de política ex­ter­na do se­na­do ame­ri­ca­no, Bol­so­na­ro acer­tou ao si­na­li­zar lo­go uma apro­xi­ma­ção com o pre­si­den­te ame­ri­ca­no. “É exa­ta­men­te is­so que Trump quer: ele gos­ta de ouvir elo­gi­os, gran­des coi­sas so­bre si mes­mo, de to­dos seus ami­gos e par­cei­ros”, diz Got­tli­eb. O ní­vel de ba­ju­la­ção, po­rém, te­rá de ser cui­da­do­sa­men­te me­di­do pa­ra que a cooperação en­tre o Bra­sil e os Es­ta­dos Uni­dos não se trans­for­me em uma re­la­ção de sub­ser­vi­ên­cia ou de ex­clu­si­vi­da­de. “O mo­men­to in­ter­na­ci­o­nal, com a rá­pi­da ascensão chi­ne­sa, exi­ge cau­te­la por par­te do Bra­sil, que de­ve ado­tar uma po­si­ção equi­li­bra­da com re­la­ção às du­as po­tên­ci­as glo­bais”, ava­lia Ca­sa­rões. A pro­xi­mi­da­de do ter­ri­tó­rio bra­si­lei­ro com o ve­ne­zu­e­la­no po­de ser uma boa car­ta­da do Bra­sil pa­ra ne­go­ci­ar com Trump. “Se hou­ver um co­lap­so po­lí­ti­co na Ve­ne­zu­e­la, os Es­ta­dos Uni­dos não con­se­gui­rão re­sol­ver o pro­ble­ma so­zi­nhos. Cer­ta­men­te te­rão de con­tar com a cooperação da Or­ga­ni­za­ção dos Es­ta­dos Ame­ri­ca­nos ou de paí­ses co­mo o Bra­sil”, diz Got­tli­eb. O fu­tu­ro chan­ce­ler bra­si­lei­ro Er­nes­to Araú­jo dis­se, re­cen­te­men­te, que “o céu é o li­mi­te” nas re­la­ções en­tre o Bra­sil e os Es­ta­dos Uni­dos. Es­pe­ra-se que, ao con­trá­rio do bei­jo en­tre Brej­nev e Ho­nic­ker, tan­to amor não se­ja mor­tal pa­ra os in­te­res­ses bra­si­lei­ros.

TRÉGUA? Trump (ao cen­tro) em jan­tar com Xi Jin­ping (à dir.), du­ran­te en­con­tro do G20, em Bu­e­nos Ai­res

BEI­JO Gra­fi­te em For­ta­le­za re­ta­ta bei­jo en­tre Bol­so­na­ro e Trump, ao lado. Aci­ma, o de­pu­ta­do Edu­ar­do Bol­so­na­ro, em Washing­ton, usa bo­né comos di­ze­res “Trump 2020”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.