Onyx en­co­lheu

Al­vo de re­cla­ma­ções de apoi­a­do­res do pre­si­den­te elei­to e ci­ta­ções em inqué­ri­tos têm cri­a­do uma saia jus­ta pa­ra o fu­tu­ro mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil

ISTO É - - BRASIL/NOVO GOVERNO - Wil­son Li­ma

Em seu con­to “O Es­pe­lho”, Ma­cha­do de As­sis di­zia que to­da cri­a­tu­ra hu­ma­na traz du­as al­mas con­si­go: uma que olha de den­tro pa­ra fo­ra e ou­tra que olha de fo­ra pa­ra den­tro. Quem per­de uma das me­ta­des, per­de na­tu­ral­men­te me­ta­de de sua exis­tên­cia. Quan­do se olha no es­pe­lho, o fu­tu­ro mi­nis­tro-che­fe da Ca­sa Ci­vil, Onyx Lo­ren­zo­ni, ga­ran­te que seu ca­pi­tal po­lí­ti­co e su­as atri­bui­ções não têm di­mi­nuí­do. E que as reu­niões que fez es­ta se­ma­na com as ban­ca­das do MDB e do PSDB se­ri­am uma pro­va ca­bal dis­so. Mas, na vi­são de ou­tros in­te­gran­tes da equi­pe de tran­si­ção ou­vi­dos por ISTOÉ, Onyx é ho­je me­ta­de do que se ima­gi­na­va que ele se­ria lo­go de­pois da elei­ção do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro. E não se­ria uma sur­pre­sa se da­qui até 1º de ja­nei­ro ele aca­bas­se per­den­do tam­bém a ou­tra me­ta­de. O seu mai­or pro­ble­ma ago­ra é a in­ves­ti­ga­ção que o mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), Ed­son Fa­chin, au­to­ri­zou que se abris­se con­tra ele pe­la de­nún­cia de re­ce­bi­men­to de R$ 200 mil de cai­xa 2 da JBS.

Na quar­ta-fei­ra 5, o pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro dis­se com to­das as le­tras que Onyx po­de aca­bar sen­do al­can­ça­do por sua sa­nha mo­ra­li­za­do­ra. Afir­mou que po­de “usar sua ca­ne­ta Bic se hou­ver de­nún­cia ro­bus­ta” con­tra o de­pu­ta­do Onyx (DEM-RS). Além dos em­ba­ra­ços com a Jus­ti­ça, o vir- tu­al mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil vem sen­do du­ra­men­te bom­bar­de­a­do por pes­so­as pró­xi­mas a Bol­so­na­ro, no sen­ti­do de que ele es­tá dis­tan­te dos par­la­men­ta­res. Na prá­ti­ca, o ministério que de­ve­rá ocu­par já per­deu es­pa­ços tra­di­ci­o­nais no re­de­se­nho que o pre­si­den­te elei­to ima­gi­na­va pa­ra a Ca­sa Ci­vil. A in­ves­ti­ga­ção con­tra Onyx fun­ci­o­na ago­ra co­mo es­pa­da de Dâ­mo­cles so­bre seu pes­co­ço. Até o vi­ce­pre­si­den­te, ge­ne­ral Ha­mil­ton Mou­rão, fez eco a Bol­so­na­ro, di­zen­do que é ób­vio que Onyx te­rá de se re­ti­rar do go­ver­no ca­so se com­pro­ve al­gu­ma ir­re­gu­la­ri­da­de con­tra ele.

PAS­TA ESVAZIADA

Por en­quan­to, a pos­si­bi­li­da­de de afas­ta­men­to de Onyx ain­da ocu­pa o ter­re­no das hi­pó­te­ses. Mes­mo que as­su­ma a Ca­sa Ci­vil co­mo anun­ci­a­do des­de o iní­cio pelo no­vo pre­si­den­te, no en­tan­to, ele já não exer­ce­rá o car­go com a mes­ma for­ça que vi­nha ten­do até aqui. No iní­cio, Bol­so­na­ro di­zia que ele se­ria um “su­per­mi­nis­tro”. Mas foi lhe ti­ra­da a im­por­tan­te fun­ção de ne­go­ci­ar emen­das, car­gos, com­por a ba­se do go­ver­no. As ta­re­fas de ne­go­ci­a­ção política se­rão ago­ra de três ou­tras pes­so­as: o pró­prio Bol­so­na­ro; o fu­tu­ro se­cre­tá­rio de Go­ver­no, ge­ne­ral Santos Cruz, e o fu­tu­ro se­cre­tá­rio-ge­ral da Pre­si­dên­cia, Gus­ta­vo Beb­bi­a­no.

A ali­a­dos, Onyx se de­fen­de das crí­ti­cas. Diz ter se con­cen­tra­do no co­nhe­ci­men­to pro­fun­do da má­qui­na pú­bli­ca pa­ra re­pas­sar as in­for­ma­ções que co­lhe dos re­pre­sen­tan­tes do atu­al go­ver­no pa­ra o pre­si­den­te elei­to, o que ele ele­geu co­mo pri­o­ri­da­de de seu tra­ba­lho até aqui. O pro­ble­ma é que sem o po­der de ne­go­ci­ar emen­das, por exem­plo, Onyx te­rá bem pou­co a ofe­re­cer nas ne­go­ci­a­ções com a ba­se ali­a­da ne­ces­sá­ria pa­ra a go­ver­na­bi­li­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.