Jud­son Dan­ce The­a­ter, len­da da dan­ça no­vai­or­qui­na, vol­ta à vi­da em mos­tra e pro­gra­ma de per­for­man­ces no MoMA-NY

Jud­son Dan­ce The­a­ter, len­da da dan­ça no­vai­or­qui­na, vol­ta à vi­da em mos­tra e pro­gra­ma de per­for­man­ces no MoMA-NY

ISTO É - - SUMÁRIO - PA

JUD­SON DAN­CE THE­ATHER: THE ZWORK IS NE­VER DO­NE/ Mu­seum of Mo­dern Art, No­va York/ Até 3/2/19

Nos anos da con­tra­cul­tu­ra, ar­tis­tas se re­cu­sa­vam a fa­zer cul­tu­ra nos es­pa­ços tra­di­ci­o­nais da ar­te. Re­jei­ta­vam, in­clu­si­ve, li­mi­tar-se a uma só ma­nei­ra de fa­zer ar­te. Ser es­cul­tor não se re­su­mia a mol­dar a ma­té­ria. O es­cul­tor mol­da­va, fil­ma­va, so­no­ri­za­va e per­for­ma­va a sua es­cul­tu­ra. Es­se foi o es­pí­ri­to mo­bi­li­za­dor do Jud­son Dan­ce The­a­ter, for­ma­do em 1962 a par­tir de uma se­rie de workshops en­vol­ven­do co­reó­gra­fos, ar­tis­tas vi­su­ais, com­po­si­to­res e ci­ne­as­tas, que se en­con­tra­vam no po­rão da Jud­son Me­mo­ri­al Chur­ch, uma con­gre­ga­ção pro­tes­tan­te so­ci­al­men­te en­ga­ja­da, si­tu­a­da no Gre­enwi­ch Vil­la­ge de No­va York. Tran­si­ta­ram pe­los pro­je­tos do gru­po o ar­tis­ta Andy Warhol, o co­reó­gra­fo Mer­ce Cun­ningham e o ar­tis­ta Ro­bert Raus­chen­berg, que po­de ser fla­gra­do na mos­tra do MoMA em um fil­me, dan­çan­do twist com a co­reó­gra­fa Yvon­ne Rai­ner.

A exis­tên­cia efê­me­ra do gru­po não re­le­gou seu pro­je­to ao es­que­ci­men­to. As 16 per­for­man­ces re­a­li­za­das en­tre 1962 e 1964, na igre­ja e em seus ar­re­do­res, são até ho­je re­fe­rên­cia de pes­qui­sas de pon­ta em ar­te e dan­ça con­tem­po­râ­nea. Ca­so do co­reó­gra­fo Tra­jal Har­rell, que en­tre 2009 e 2017 de­sen­vol­veu uma sé­rie de 8 per­for­man­ces in­ves­ti­gan­do o que te­ria acon­te­ci­do se nos anos 1960 os dan­ça­ri­nos do Jud­son Dan­ce The­ather ti­ves­sem en­con­tra­do a co­mu­ni­da­de la­ti­na, gay e trans­gê­ne­ro dos bai­les Vo­gue, do Har­lem.

Mas o fa­to é que, até que o MoMA-NY te­nha

tra­zi­do à to­na os filmes, as fo­to­gra­fi­as, os ob­je­tos de ce­na, os áu­di­os de en­tre­vis­tas gra­va­das e mais um mon­te de ma­te­ri­al de arquivo nes­ta pri­mei­ra ex­po­si­ção so­bre o gru­po a ser re­a­li­za­da em uma gran­de ins­ti­tui­ção de ar­te, o Jud­son Dan­ce The­a­ter per­ma­ne­cia co­mo uma re­fe­ren­cia a ini­ci­a­dos. Es­se des­ti­no não dei­xa de ser uma gran­de con­tra­di­ção, pos­to que o pro­gra­ma da tru­pe con­sis­tia em tra­zer pa­ra o âma­go da dan­ça tu­do aqui­lo que as pes­so­as fa­zem to­dos os di­as da vi­da: an­dar, cor­rer, sen­tar, le­van­tar, gri­tar. Ao re­de­fi­nir os mo­vi­men­tos que po­de­ri­am ser con­si­de­ra­dos dan­ça e de­sa­fi­ar o en­ten­di­men­to tra­di­ci­o­nal de co­re­o­gra­fia, eles ex­pan­di­ram sua ar­te pa­ra a vi­da co­mum, en­glo­ban­do até mes­mo a dan­ça dan­ça­da por “gen­te co­mum”. Co­mo a crí­ti­ca de ar­te do jor­nal The Vil­la­ge Voi­ce, num pas de deux im­pro­vi­sa­do com o dan­ça­ri­no Fred Her­ko, na la­je de um edi­fí­cio do Lower East Si­de, fil­ma­dos por Andy Warhol.

A mos­tra “The Work is Ne­ver Do­ne”, no MoMA, in­clui ain­da um pro­gra­ma de per­for­man­ces no imen­so átrio do mu­seu, tra­zen­do à bai­la as gran­des es­tre­las do len­dá­rio mo­vi­men­to. Per­for­mam ao vi­vo pa­ra o gran­de pú­bli­co do mu­seu mons­tros da dan­ça no­vai­or­qui­na co­mo Yvon­ne Rai­ner, Trisha Brown, De­bo­rah Hay, Ste­ve Pax­ton, Da­vid Gor­don e Lu­cin­da Childs. Nos in­ter­va­los en­tre per­for­man­ces, é exi­bi­do no átrio uma com­pi­la­ção em ví­deo de ima­gens his­tó­ri­cas, edi­ta­da pelo ar­tis­ta Charles Atlas. Lu­xo to­tal.

ON­TEM E HO­JE Lu­cin­da Childs (à esq.) em per­for­man­ce no átrio do MoMA e (abai­xo) atu­an­do em 1973; à dir., cri­ti­ca dan­ça com bai­la­ri­no, em fil­me de Andy Warhol

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.