Úl­ti­ma Pa­la­vra

ISTO É - - SUMÁRIO - Men­tor Ne­to

Lú­cio ca­sou com Glo­ri­nha em 1985. Ela, coi­ta­da, já sa­bia do pro­ble­ma do ma­ri­do des­de que co­me­ça­ram a na­mo­rar, mas achou que com o tem­po mu­da­ria. Não mu­dou.

– Es­se aí gos­ta é de ser do con­tra — ela as­su­miu num jan­tar com os ami­gos, nu­ma noi­te que o ma­ri­do dis­se que o FHC não pres­ta­va.

“E não pres­ta mes­mo. Co­mu­nis­ta en­rus­ti­do!”

Lú­cio era mes­mo do con­tra, des­de cri­an­ça. To­do mun­do sa­bia.

– Quan­do o Lu­ci­nho nas­ceu não cho­rou, deu ri­sa­da. — di­zia a mãe, brin­ca­lho­na.

Em tu­do Lú­cio era as­sim, não só na política.

“É fá­cil cul­par es­sa Ri­chtho­fen…mas tem que ver o que os pais fi­ze­ram com ela…”

Glo­ri­nha pe­diu pa­ra ele nem re­pe­tir aqui­lo em pú­bli­co.

Foi as­sim no tem­po do Lula.

O pes­so­al to­do vo­tou no PT, pa­ra al­ter­nar o po­der.

Ele não.

“Es­se su­jei­to é sa­fa­do des­de que era sin­di­ca­lis­ta. Vo­cês vão ver. É só es­pe­rar.”

Quan­do os pri­mei­ros in­dí­ci­os do men­sa­lão apa­re­ce­ram, al­guém lem­brou que o Lú­cio bem que ti­nha avi­sa­do.

Mas ele já es­ta­va em ou­tra.

“Vo­cês pi­ram nes­sa his­tó­ria de cor­rup­ção, né? Ô meu Deus. Is­so tem no mun­do to­do. E de mais a mais, tem que ar­ru­mar al­gu­ma coi­sa pa­ra Po­lí­cia Fe­de­ral fa­zer.”

A par­tir des­se dia Lú­cio vi­rou pe­tis­ta de usar ca­mi­se­ta do Chê.

“Jo­sé Dir­ceu é um in­jus­ti­ça­do. A His­tó­ria vai mos­trar.” No im­pe­a­ch­ment da Dil­ma, Glo­ri­nha foi pa­ra a Pau­lis­ta.

Ele tam­bém.

Mas em pas­se­a­tas con­trá­ri­as.

Vi­rou um su­jei­to tão cha­to que quan­do che­ga­va no bar, os ami­gos ar­ru­ma­vam uma des­cul­pa e iam em­bo­ra.

Glo­ri­nha, coi­ta­da, aguen­ta­va fir­me. Ou ti­nha se acos­tu­ma­do. – Pa­re­ce que vo­cês não co­nhe­cem es­se aí. É sem­pre do con­tra.

“O bom do Te­mer é que ex­pe­ri­ên­cia con­ta mui­to nes­sa ho­ra de tran­si­ção”, de­fen­deu o pre­si­den­te de­pois da gra­va­ção da con­ver­sa com o Jo­es­ley.

Veio a Co­pa.

“Se­te a um acon­te­ce, ca­ce­ta! De­mos azar.”

Quan­do as sus­pei­tas so­bre as re­la­ções do Trump com a Rús­sia apa­re­ce­ram, Lú­cio de­fen­deu:

“Vo­cês po­dem fa­lar o que for, mas olha só o que o Trump es­tá fa­zen­do com a eco­no­mia. Tá bom­ban­do. O ca­ra sa­be das coi­sas.”

E os ami­gos de­sis­ti­am de ar­gu­men­tar.

Nas redes so­ci­ais vi­ra­va e me­xia co­me­ça­va um post com “Vou ser ad­vo­ga­do do di­a­bo aqui…”

Pron­to.

To­ca mais uma opi­nião do con­tra.

Quan­do acon­te­ceu a in­ter­ven­ção no Rio, Lú­cio in­sis­tia: “Di­gam o que vo­cês qui­se­rem, mas não tem cri­me que ti­re o char­me do Rio.”

Vi­e­ram as elei­ções.

“Mui­ta bur­ri­ce de vo­cês, me­tem o pau em pes­qui­sas. Coi­sa de quem não en­ten­de co­mo são fei­tas.”

Bol­so­na­ro co­me­çou a dis­pa­rar na li­de­ran­ça, pa­ra ale­gria da tur­ma do fu­te­bol de quin­ta.

Não deu ou­tra. No bo­te­co de­pois do jo­go, Lú­cio dis­pa­rou: “Es­se Bol­so­na­ro é fas­cis­ta.”

– Mas Lú­cio…vo­cê vai vo­tar em quem en­tão?

“Tô en­tre o Da­ci­o­lo e o Bou­los.”

Nem res­pon­de­ram.

Era o Lú­cio sen­do o Lú­cio.

Bol­so­na­ro ga­nhou e co­me­çou a di­vul­gar os mi­nis­tros.

“Es­se Mo­ro…sei não. Sem­pre ti­ve um pé atrás com ele.” Quan­do saiu a no­tí­cia da ven­da de um lo­te de mais de 800 gar­ra­fas de vi­nho do Pau­lo Ma­luf, por mais de três mi­lhões de dó­la­res e que po­de­ria ser la­va­gem de di­nhei­ro, Lú­cio ar­gu­men­tou.

“Era só o que fal­ta­va. Ago­ra o su­jei­to não po­de gos­tar de vi­nho que é cor­rup­to?”

Mas foi ou­tro dia que a coi­sa pe­gou de vez.

Num al­mo­ço de fa­mí­lia, Lú­cio re­ve­lou:

– Gen­te, fe­chei o pa­co­te de Re­veil­lon!

Pau­sa ten­sa, por­que to­do mun­do co­nhe­ce o Lú­cio. – Ve­ne­zu­e­la! Vo­cês vão ver só co­mo es­se po­vo é exa­ge­ra­do. De­pois de trin­ta anos de ca­sa­da, Glo­ri­nha saiu de ca­sa e foi mo­rar uns tem­pos com a mãe.

– Es­se aí não mu­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.