UMA CAI­XA DE MAL­VA­DOS

Mo­vi­dos por ca­pri­cho, co­bi­ça, vin­gan­ça ou des­ti­no, vilões e vi­ga­ris­tas de am­bos os se­xos en­can­tam e ater­ro­ri­zam em ca­pri­cha­da an­to­lo­gia de con­tos

ISTO É - - CULTURA - André Var­gas

As tra­mas de mis­té­rio são a raiz da li­te­ra­tu­ra de en­tre­te­ni­men­to e têm no con­to sua for­ma nar­ra­ti­va ide­al. Mas o que se­ri­am dos he­róis sem ad­ver­sá­ri­os ade­qua­dos? Mui­to pou­co. Quem des­ven­da cri­mes cos­tu­ma agir de du­as ma­nei­ras. Ou é um in­ves­ti­ga­dor ce­re­bral, co­mo Sher­lock Hol­mes e Her­cu­le Poi­rot, ou um du­rão, co­mo Sam Spa­de e Phi­lip Mar­lowe. Já as pos­si­bi­li­da­des pa­ra quem os co­me­te são bem mais am­plas. É aí que re­si­de o fas­cí­nio de “O Gran­de Li­vro dos Vilões e Vi­ga­ris­tas”, da edi­to­ra No­va Fron­tei­ra. Em dois vo­lu­mes que so­mam qua­se 1,2 mil pá­gi­nas, a ge­ne­ro­sa an­to­lo­gia reú­ne 64 his­tó­ri­as cur­tas que in­clu­em o mal­va­do de­fi­ni­ti­vo (con­de Drá­cu­la), mu­lhe­res fa­tais (Vi­vi­an Le­grand e Ja­ne dos Qua­tro Qu­a­dra­dos), gê­ni­os do cri­me (Fu-Man­chu e Qu­ongLu), ines­cru­pu­lo­sos (Wol­fe MacFar­la­ne), pis­to­lei­ros

(Cis­co Kid), vi­ga­ris­tas (co­ro­nel Clay) e la­rá­pi­os (Raf­fles).

Os con­tos es­tão di­vi­di­dos em ca­te­go­ri­as, de acor­do com su­as épo­cas e es­ti­los, dos vi­to­ri­a­nos aos mo­der­nos. O mais an­ti­go é “A His­tó­ria de Um Jo­vem La­drão”, de Washing­ton Ir­ving, de 1824. “O Pon­to Ne­gro”, de Lo­ren Es­tle­man, de 2015, é o mais re­cen­te. Além da es­ca­la tem­po­ral, a ca­da con­to o or­ga­ni­za­dor Ot­to Penz­ler in­di­cou se o pro­ta­go­nis­ta é vi­lão ou vi­ga­ris­ta. Pa­ra Penz­ler, a di­vi­são se dá con­for­me os com­por­ta­men­tos e os ob­je­ti­vos dos mal­fei­to­res.

Os vilões são ma­lig­nos, quan­do não do­en­ti­os, e fa­cil­men­te co­me­tem ho­mi­cí­di­os, mo­ti­va­dos por am­bi­ção ou pra­zer. Já os vi­ga­ris­tas ten­dem ao char­me e evi­tam pro­vo­car con­fli­tos des­ne­ces­sá­ri­os em seus gol­pes, cons­truí­dos em tor­no de chan­ta­gens, dis­far­ces e áli­bis. Nem por is­so os vilões dei­xam de ter coração mo­le — Drá­cu­la é um apai­xo­na­do, lem­bre­mos. Já pi­lan­tras con­su­ma­dos po­dem ma­tar com fri­e­za quan­do ne­ces­sá­rio. Es­sa amo­ra­li­da­de en­tre­cru­za­da ao sa­bor das cir­cuns­tân­ci­as é o que tor­na mais ado­rá­vel de­tes­tar es­sa ban­di­da­gem.

PER­SO­NA­GEM RE­AL

O pró­prio or­ga­ni­za­dor da obra é uma fi­gu­ra len­dá­ria. Edi­tor es­pe­ci­a­li­za­do em li­te­ra­tu­ra po­li­ci­al e de mis­té­rio, Ot­to Penz­ler é do­no da The Mys­te­ri­ous Bo­okshop, li­vra­ria es­pe­ci­a­li­za­da se­di­a­da em Tri­be­ca, No­va York. Ele é tão es­ti­ma­do pe­los es­cri­to­res do gê­ne­ro que já foi pa­rar nas pá­gi­nas de fic­ção. Um ofi­ci­al na­zis­ta fu­gi­ti­vo le­vou seu no­me no ro­man­ce de El­mo­re Le­o­nard “Os Amo­res de Ho­ney”, de 2007. Dez anos an­tes, Penz­ler e sua lo­ja tam­bém apa­re­ce­ram em um con­to na­ta­li­no de La­wren­ce Block, um dos es­cri­to­res po­li­ci­ais em ati­vi­da­de mais pro­lí­fi­cos. Block é cri­a­dor do ar­rom­ba­dor bon­zi­nho Ber­nie Rho­den­barr e do ad­vo­ga­do ines­cru­pu­lo­so Mar­tin Eh­ren­graf, que es­tão nas pá­gi­nas do se­gun­do vo­lu­me. Po­rém, as­sim co­mo no cri­me, não há an­to­lo­gia per­fei­ta. Nê­me­sis de Sher­lock Hol­mes, o ar­di­lo­so pro­fes­sor Mo­ri­arty não foi en­con­tra­do nes­sa cai­xa de mal­va­dos.

“O cri­me do vi­ga­ris­ta é o rou­bo. O do vi­lão, o ho­mi­cí­dio, pa­ra o qual ra­ra­men­te exis­te des­cul­pa” Ot­to Penz­ler, or­ga­ni­za­dor da obra

DOS LI­VROS AOS FILMES O la­drão de cor­pos Wol­fe MacFar­la­ne (aci­ma, ao cen­tro) foi às te­las em 1945, em “O Tú­mu­lo Va­zio”. Drá­cu­la, Fu-Man­chu, Cis­co Kid e Ja­ne dos Qua­tro Qu­a­dra­dos (ao lado): fas­cí­nio por mal­fei­to­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.