ISTO É Dinheiro

Pa­ra Re­gi­nal­do Ar­cu­ri, pre­si­den­te da en­ti­da­de que reú­ne gran­des la­bo­ra­tó­ri­os, no­vos me­di­ca­men­tos se­rão de­ci­si­vos pa­ra a Co­vid

Pa­ra o lí­der da en­ti­da­de que reú­ne os gran­des la­bo­ra­tó­ri­os do País, a in­dús­tria na­ci­o­nal es­tá na ro­ta tec­no­ló­gi­ca pa­ra fa­bri­car fár­ma­cos a par­tir de pro­teí­nas de cé­lu­las vi­vas. Eles po­dem ser o fu­tu­ro do tra­ta­men­to da Co­vid-19

- Hugo CILO Business · Health · Pharmaceutical Industry · Medical Activism · Anti-Vaccers · Medicine · Industries · Alternative Medicine · Brazil · China · India · Mary J. Blige · Polish Ministry of Health · U.S. Food and Drug Administration · United States of America · Jair Bolsonaro

Clo­ro­qui­na, iver­mec­ti­na, azi­tro­mi­ci­na, me­di­ca­men­tos mo­no­clo­nais... O re­cei­tuá­rio po­pu­lar bra­si­lei­ro ga­nhou no­vos ter­mos des­de o iní­cio da pan­de­mia da Co­vid-19. Por trás de­les es­tão la­bo­ra­tó­ri­os na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros que cum­prem a ta­re­fa de su­prir a de­man­da de re­mé­di­os que, em sua mai­o­ria, eram des­co­nhe­ci­dos até en­tão. Pa­ra o pre­si­den­te da Gru­po Far­maB­ra­sil (GFB), Re­gi­nal­do Ar­cu­ri, a in­dús­tria tem cum­pri­do com ex­ce­lên­cia a ta­re­fa de man­ter o abas­te­ci­men­to do mer­ca­do, que che­gou a quin­tu­pli­car em al­guns ca­sos. Se­gun­do ele, a va­ci­na­ção não tor­na os me­di­ca­men­tos des­ne­ces­sá­ri­os pa­ra o con­tro­le da pan­de­mia.

DI­NHEI­RO – Co­mo a in­dús­tria bra­si­lei­ra de me­di­ca­men­tos tem ad­mi­nis­tra­do a imen­sa al­ta na de­man­da des­de o iní­cio da pan­de­mia?

RE­GI­NAL­DO AR­CU­RI — Uma coi­sa que pou­cas pes­so­as per­ce­be­ram é que não fal­tou re­mé­dio no Bra­sil. Is­so por­que tan­to as em­pre­sas na­ci­o­nais qu­an­to as mul­ti­na­ci­o­nais fi­ze­ram um es­for­ço enor­me. Ti­ve­mos uma ca­pa­ci­da­de de re­a­ção fan­tás­ti­ca, ca­paz de su­prir o que o Bra­sil pre­ci­sa­va e, prin­ci­pal­men­te, ga­ran­tir o for­ne­ci­men­to de me­di­ca­mos ao tra­ta­men­to de pes­so­as que es­ta­vam em si­tu­a­ção de mai­or ris­co. En­tão, mes­mo com uma si­tu­a­ção ex­tre­ma­men­te ten­sa e com­ple­xa, não exis­tiu e não exis­te ne­nhum pro­ble­ma re­al nes­sa ques­tão.

Não fal­tar me­di­ca­men­to é al­go nor­mal no Bra­sil?

Não é nor­mal. O pro­ble­ma da fal­ta de se­rin­gas, agu­lhas ou mes­mo oxi­gê­nio mos­tra que ca­da seg­men­to tem li­mi­tes de pro­du­ção. Em abril e maio do ano pas­sa­do, quan­do as pes­so­as eram acon­se­lha­das a fi­car em ca­sa se os sin­to­mas da Co­vid-19 fos­sem le­ves, co­mo tos­se e fe­bre, houve um au­men­to re­pen­ti­no de in­ter­na­ções e in­tu­ba­ções por­que os que ti­nham o qua­dro de saú­de agravado pe­la fal­ta de ar já che­ga­vam aos hos­pi­tais com os pul­mões com­pro­me­ti­dos. Com is­so, as UTIs de­man­da­ram mui­to anal­gé­si­cos e re­la­xan­tes po­ten­tís­si­mos pa­ra in­du­zir o co­ma. Pa­ci­en­tes fi­cam mais de 15 di­as de­sa­cor­da­dos. Além do au­men­to bru­tal da ne­ces­si­da­de de me­di­ca­men­tos houve au­men­to de pro­du­ção pa­ra aten­der à de­man­da gra­ças a uma in­dús­tria mui­to bem es­tru­tu­ra­da.

Há es­pa­ço pa­ra am­pli­ar ain­da mais a pro­du­ção, se is­so for ne­ces­sá­rio?

Há, mas a ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da da in­dús­tria de me­di­ca­men­tos es­tá ho­je 100% ocu­pa­da. Mui­tas mul­ti­na­ci­o­nais es­tão ten­do de im­por­tar tam­bém. A ques­tão da va­ci­na ago­ra re­ve­lou a to­dos que o Bra­sil pro­duz mui­to pou­co dos cha­ma­dos IFAs, os in­su­mos far­ma­cêu­ti­cos ati­vos, ma­té­ria-pri­ma pa­ra pro­du­ção de me­di­ca­men­tos e va­ci­nas. En­tão, mes­mo en­tre as fá­bri­cas bra­si­lei­ras, houve a ne­ces­si­da­de de im­por­tar es­ses in­su­mos da Chi­na e da Ín­dia. Ima­gi­ne a com­ple­xi­da­de des­sas com­pras, da lo­gís­ti­ca e da ca­pa­ci­da­de de ge­ren­ci­a­men­to dos es­to­ques.

Por que ne­nhu­ma fa­bri­can­te bra­si­lei­ra se tor­nou pro­ta­go­nis­ta do com­ba­te à pan­de­mia?

O que es­ta­mos ven­do ago­ra, com as va­ci­nas, é que as em­pre­sas bra­si­lei­ras se­rão cha­ma­das pa­ra par­ti­ci­par da so­lu­ção. O que se tem de­mons­tra­do é que os me­di­ca­men­tos se­rão es­sen­ci­ais pa­ra o su­ces­so das va­ci­nas. Os me­di­ca­men­tos se­rão com­ple­men­ta­res à va­ci­na­ção e, de­pois de tes­ta­dos e apro­va­dos, te­rão a pos­si­bi­li­da­de de cu­rar a Co­vid. Es­ses me­di­ca­men­tos são, em par­te, os que têm an­ti­cor­pos mo­no­clo­nais e os an­ti­vi­rais, que nos­sas em­pre­sas já fa­bri­cam ou es­tão co­me­çan­do a fa­bri­car. O Bra­sil tem uma in­dús­tria em con­di­ções de res­pon­der a de­sa­fi­os tão ma­lu­cos co­mo es­se ago­ra. A in­dús­tria che­gou a quin­tu­pli­car a pro­du­ção no pe­río­do crí­ti­co, de abril e ju­nho, quan­do se apos­ta­va na clo­ro­qui­na, na iver­mec­ti­na. A An­vi­sa te­ve uma enor­me ca­pa­ci­da­de de re­a­gir po­si­ti­va­men­te de­sen­vol­ven­do nor­mas que aten­des­sem à emer­gên­cia, sem per­der o con­tro­le e o mo­ni­to­ra­men­to da in­dús­tria.

Por que a An­vi­sa não de­mons­trou es­sa mes­ma agi­li­da­de na li­be­ra­ção da va­ci­na?

“Nun­ca cons­truí­mos ne­nhu­ma hi­pó­te­se se o me­di­ca­men­to é bom ou ruim. As con­clu­sões são dos pes­qui­sa­do­res. Quem decide se vai re­co­men­dar ou dis­tri­buir ao po­vo bra­si­lei­ro, é o Mi­nis­té­rio da Saú­de”

Sin­ce­ra­men­te, não houve atra­so da An­vi­sa. As nor­mas agi­li­za­ram, por exem­plo, po­der tro­car o for­ne­ce­dor do prin­cí­pio ati­vo ou au­men­to dos lo­tes de pro­du­ção. O pro­ces­so de re­gis­tro é lon­go, co­mo é tam­bém no FDA [equi­va­len­te à An­vi­sa nos Es­ta­dos Uni­dos]. As va­ci­nas não ti­nham re­gis­tro em ne­nhum lu­gar do mun­do. Por is­so foi apro­va­do o uso emer­gen­ci­al sem que hou­ves­se to­dos os es­tu­dos ne­ces­sá­ri­os.

Com mais de 1 mil mor­tes por dia no Bra­sil, a An­vi­sa não de­ve­ria ter si­do mais pró-ati­va?

A An­vi­sa não sai por aí ca­tan­do do­cu­men­tos das em­pre­sas. As fa­bri­can­tes pre­ci­sam re­que­rer a au­to­ri­za­ção e apre­sen­tar os re­qui­si­tos. En­tão, o que de­mo­rou foi a apre­sen­ta­ção do uso emer­gen­ci­al das va­ci­nas. Nes­se pon­to, co­mo des­co­nhe­ço, não pos­so di­zer quais são as ra­zões dos atra­sos.

A agên­cia agiu sob in­fluên­cia po­lí­ti­ca?

Não te­nho ne­nhu­ma in­for­ma­ção pri­vi­le­gi­a­da so­bre is­so. No do­min­go pas­sa­do, quan­do a An­vi­sa li­be­rou as va­ci­nas, ela de­mons­trou que agiu tec­ni­ca­men­te, co­mo se es­pe­ra de um ór­gão de Es­ta­do. Por is­so que os di­re­to­res da An­vi­sa têm man­da­tos apro­va­dos pe­lo Se­na­do. Mes­mo o pre­si­den­te da agên­cia, que so­freu crí­ti­cas por par­ti­ci­par de um even­to com o Bol­so­na­ro sem más­ca­ra, dei­xou bem cla­ro que não exis­te, até o mo­men­to, tra­ta­men­to pa­ra cu­rar a Co­vid. A An­vi­sa tam­bém fez elo

 ??  ??
 ??  ??
 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil