ISTO É Dinheiro

In­dús­tria quí­mi­ca co­me­mo­ra 11% de cres­ci­men­to, mas te­me ce­ná­rio de 2021

- POR HUGO CILO Business

To­dos os in­gre­di­en­tes po­si­ti­vos da eco­no­mia bra­si­lei­ra em 2020, en­tre eles o au­xí­lio emer­gen­ci­al e o au­men­to do cré­di­to, de­ve­rão es­tar au­sen­tes em 2021, com­pro­me­ten­do to­do o se­tor pro­du­ti­vo. Es­se é o ce­ná­rio que o exe­cu­ti­vo Ci­ro Ma­ri­no, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra da In­dús­tria Quí­mi­ca (Abi­quim), pin­ta pa­ra o País nos pró­xi­mos me­ses. De­pois de um cres­ci­men­to de 11% na de­man­da por in­su­mos quí­mi­cos em 2020, ele pro­je­ta ex­pan­são de ape­nas 2%, na me­lhor das hi­pó­te­ses. “A si­tu­a­ção po­de se de­te­ri­o­rar mui­to se no­vas me­di­das não fo­rem lan­ça­das”, afir­mou Ma­ri­no.

“Se o go­ver­no tra­tas­se a in­dús­tria quí­mi­ca co­mo tra­ta o agro­ne­gó­cio, a gen­te iria ex­plo­dir de cres­ci­men­to nos pró­xi­mos anos”, dis­se, ao des­ta­car que o País po­de­ria su­bir da sex­ta co­lo­ca­ção no ran­king glo­bal pa­ra a quar­ta po­si­ção. “Nos­so po­ten­ci­al é imen­so, mas fi­ca­mos pa­ra trás por cau­sa da ques­tão tri­bu­tá­ria, do cus­to do gás e da fal­ta de vi­são es­tra­té­gi­ca so­bre a im­por­tân­cia do nos­so se­tor”, afir­mou. A in­dús­tria quí­mi­ca na­ci­o­nal fa­tu­rou no ano pas­sa­do al­go pró­xi­mo a US$ 110 bi­lhões.

 ??  ??
 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil