ISTO É Dinheiro

Cres­ce na Câ­ma­ra a pre­são pa­ra a aber­tu­ra do pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment de Jair Bol­so­na­ro, acu­sa­do de omis­são e cri­mes

- Paula CRIS­TI­NA Elections · Politics · Jair Bolsonaro · Dilma Rousseff · Brazil · Democrats · Venezuela · Partido Progressista · Partido dos Trabalhadores · Portugal · Brazilian Social Democracy Party · Party of the Brazilian Democratic Movement · Rodrigo Maia · Rio de Janeiro · German Federal Police · Rio de Janeiro · Santana · Wilson José Witzel · Supreme Federal Court · Paris · Harvard University · Falcon · Michel Temer · Joice Hasselmann · Socialism and Freedom Party · Sustainability Network · Marcelo Freixo · Federal University of Rio de Janeiro · Tabata Amaral · Kim Kataguiri

Es­sa his­to­ria nós já co­nhe­ce­mos. Um pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment co­me­ça co­mo bur­bu­ri­nho até vi­rar re­a­li­da­de. Foi as­sim com Dil­ma Rous­seff, em um mo­vi­men­to que nas­ceu em 2015 e cres­ceu até ser vo­ta­do na Câ­ma­ra, no ano se­guin­te. Foi as­sim na re­nún­cia de Fer­nan­do Col­lor, em 1992. Ago­ra, en­quan­to o Bra­sil en­fren­ta uma cri­se sa­ni­tá­ria e econô­mi­ca sem pre­ce­den­tes, o te­ma vol­tou a ron­dar a Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos. E os nú­me­ros já são ex­pres­si­vos: 110 par­la­men­ta­res se po­si­ci­o­na­ram fa­vo­rá­veis à ins­tau­ra­ção das in­ves­ti­ga­ções, nú­me­ro bem in­fe­ri­or aos 342 ne­ces­sá­ri­os, mas o su­fi­ci­en­te pa­ra pre­o­cu­par o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro e dei­xar a eco­no­mia, mais uma vez, em se­gun­do pla­no den­tro do go­ver­no fe­de­ral.

To­do pro­ces­so de im­pe­di­men­to é ca­ta­li­sa­dor de tur­bu­lên­cia econô­mi­ca. No ca­so da Dil­ma, em 2016, o ar­gu­men­to é que a pre­si­den­te ha­via co­me­ti­do cri­me de res­pon­sa­bi­li­da­de por pe­da­la­das fis­cais. A saí­da de­la se­ria im­por­tan­te pa­ra re­a­ti­var a eco­no­mia. Em 2017, quan­do Mi­chel Te­mer

tam­bém foi al­vo de uma vo­ta­ção de im­pe­a­ch­ment na mes­ma Ca­sa, os de­pu­ta­dos con­trá­ri­os à ins­tau­ra­ção do pro­ces­so ar­gu­men­ta­vam que a eco­no­mia não iria aguen­tar mais um afas­ta­men­to. Nos anos de 2017 e 2018 (in­te­gral­men­te co­man­da­dos por Te­mer) o PIB an­dou de la­do, cres­cen­do 1,3% e 1,8%, res­pec­ti­va­men­te.

No ca­so de Bol­so­na­ro, os dois ar­gu­men­tos são vá­li­dos. Há de­pu­ta­dos que de­fen­dem a saí­da pre­co­ce do pre­si­den­te co­mo a úni­ca so­lu­ção pa­ra fre­ar a fal­ta de de­co­ro e tra­tar de as­sun­tos co­mo po­lí­ti­ca ex­ter­na, saú­de e eco­no­mia de mo­do me­nos ama­dor. Es­sa é ava­li­a­ção da ex-ali­a­da de Bol­so­na­ro Joi­ce Has­sel­mann (PSLSP). “Não há am­bi­en­te pa­ra os in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros e nem pa­ra os em­pre­sá­ri­os in­je­ta­rem ca­pi­tal por­que há uma sen­sa­ção ge­ne­ra­li­za­da de in­se­gu­ran­ça”, dis­se a par­la­men­tar. “Eu já en­trei com o pe­di­do de im­pe­a­ch­ment. Bas­ta que o pre­si­den­te da Câ­ma­ra co­lo­que pa­ra vo­tar.” Kim Ka­ta­gui­ri (DEM-SP) de­fen­de que a for­ma co­mo Bol­so­na­ro se po­si­ci­o­nou so­bre su­as ide­o­lo­gi­as po­lí­ti­cas po­dem ser con­si­de­ra­das es­te­li­o­na­to elei­to­ral. “Ele di­zia que o Bra­sil não po­de­ria vi­rar a Venezuela e ho­je es­ta­mos mais per­to do que nun­ca de lá”, afir­mou.

O pon­to de in­fle­xão pa­ra uma aber­tu­ra de im­pe­di­men­to re­si­de no mes­mo blo­co de par­la­men­tes que ga­ran­ti­ram vo­tos o su­fi­ci­en­te pa­ra que Dil­ma fos­se afas­ta­da. O Cen­trão. Os par­la­men­ta­res que in­te­gram es­sa cor­ren­te, con­si­de­ra­da a mais fi­si­o­ló­gi­ca da Câ­ma­ra, cos­tu­mam na­dar de acor­do com a ma­ré e tro­car vo­tos por fa­vo­res po­lí­ti­cos e car­gos. Bol­so­na­ro, que du­ran­te a cam­pa­nha ga­ran­tiu que não ha­ve­ria es­pa­ço pa­ra in­di­ca­ções po­lí­ti­cas em seu go­ver­no, pre­ci­sou se ren­der. Já fo­ram mais 20 car­gos dis­tri­buí­dos en­tre par­la­men­ta­res do Cen­trão nos úl­ti­mos três me­ses pa­ra ga­ran­tir apoio em vo­ta­ções de in­te­res­se do Exe­cu­ti­vo. Só que o Cen­trão não é fi­el. E o pre­si­den­te sa­be dis­so. Du­ran­te seus 27 anos de man­da­to co­mo de­pu­ta­do fe­de­ral, Bol­so­na­ro in­te­gra­va o cha­ma­do bai­xo cle­ro do Cen­trão,

gru­po de par­la­men­ta­res com me­nos vi­si­bi­li­da­de e mais adep­tos às po­lê­mi­cas den­tro da Ca­sa.

A ba­la de pra­ta que po­de­ria ma­tar o vam­pi­ro do im­pe­di­men­to se­ria a elei­ção do ala­go­a­no Arthur Li­ra (Pro­gres­sis­tas) pa­ra a pre­si­dên­cia da Ca­sa. No en­tan­to, com uma fren­te com­pos­ta por PT, PSDB, PSB, PSOL, Re­de e ou­tros par­ti­dos me­no­res de cen­tro e es­quer­da, a opo­si­ção ten­ta co­lo­car na li­de­ran­ça da Câ­ma­ra o de­pu

A que­da de Dil­ma Rous­sef, em 2016, te­ve iní­cio com pro­tes­tos nas ru­as. Na sex­ta-fei­ra (9), o Bra­sil to­do fez um pa­ne­la­ço pe­la saí­da de Bol­so­na­ro

ta­do Ba­leia Ros­si (MDB-SP), que avan­ça­ria com a pau­ta do im­pe­a­ch­ment. De­pois de dei­xar na ga­ve­ta os pe­di­dos de im­pe­di­men­to, sob o ar­gu­men­to de que o País pre­ci­sa­va avan­çar com ou­tras pau­tas, o atu­al pre­si­den­te­da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), tam­bém su­biu o tom. O par­la­men­tar já es­ta­ria son­dan­do se­na­do­res pa­ra ver se o am­bi­en­te é pro­pí­cio pa­ra vo­tar o pe­di­do. “Te­mos mui­tas coi­sas pa­ra de­ci­dir. O Par­la­men­to tem mui­tas pri­o­ri­da­des li­ga­das à saú­de e eco­no­mia. Pre­ci­sa­mos dar um pas­so de ca­da vez”, dis­se Maia.

CA­OS Pa­ra o de­pu­ta­do Mar­ce­lo Frei­xo (PSOL-RJ), po­rém, o ca­mi­nho da vo­ta­ção do im­pe­a­ch­ment de Bol­so­na­ro é ur­gen­te em vir­tu­de dos cri­mes que se amon­to­am. “Há de­ze­nas de ar­gu­men­to pa­ra o im­pe­di­men­to”, afir­mou. Pa­ra ele, os ar­gu­men­tos en­vol­vem cri­me con­tra hu­ma­ni­da­de na ques­tão da pan­de­mia, in­fluên­cia in­cons­ti­tu­ci­o­nal na Po­lí­cia Fe­de­ral e fal­ta

de de­co­ro. “A ques­tão da eco­no­mia só se­rá re­sol­vi­da quan­do es­se ter­ror po­lí­ti­co for re­sol­vi­do”, dis­se.

Na ava­li­a­ção do pro­fes­sor de ma­cro­e­co­no­mia da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Rio de Ja­nei­ro (UFRJ) Jo­nas San­ta­na, que foi um dos au­to­res da ação que re­sul­tou no pro­ces­so de afas­ta­men­to do go­ver­na­dor flu­mi­nen­se Wil­son Wit­zel, o cli­ma de ten­são po­lí­ti­ca já du­rou mais do que de­ve­ria. “Des­de 2013 vi­ve­mos nes­se ca­os. O País não tem es­ta­bi­li­da­de e a eco­no­mia não vai re­a­gir. O mer­ca­do vai es­pe­cu­lar e não vai ar­ris­car co­lo­car di­nhei­ro efe­ti­va­men­te na eco­no­mia”, afir­mou.

O co­ro do im­pe­a­ch­ment ga­nhou for­ça com a fa­la do ex-mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) Car­los Ay­res Bri­to. Em en­tre­vis­ta à Fo­lha de S. Pau­lo, ele afir­mou que en­ten­de que a de­ci­são ca­be ao Con­gres­so, mas “há si­nais do co­me­ti­men­to de cri­me de res­pon­sa­bi­li­da­de”. Pa­ra o ma­gis­tra­do, um man­da­to pre­si­den­ci­al que ig­no­ra a Cons­ti­tui­ção se tor­na uma ame­a­ça a ela prór­pia.

Na ter­ça-fei­ra (19), um ato na em­bai­xa­da do Bra­sil em Pa­ris mos­trou ao mun­do as vi­o­la­ções de di­rei­tos hu­ma­nos co­me­ti­dos pe­lo go­ver­no. Com uma fu­ma­ça ne­gra e car­ta­zes, ati­vis­tas mos­tra­vam a fal­ta de cui­da­do do Bra­sil com o meio am­bi­en­te e o des­ca­so com o es­ca­lo­na­men­to

Na em­bai­xa­da bra­si­lei­ra em Pa­ris, ma­ni­fes­tan­tes le­van­tam car­ta­zes em de­fe­sa do meio am­bi­en­te e cri­ti­can­do as ações do go­ver­no bra­si­lei­ro com os gru­pos so­ci­ais mi­no­ri­tá­ri­os

da de­si­gual­da­de. Na opor­tu­ni­da­de foi en­tre­gue um le­van­ta­men­to à em­bai­xa­da, as­si­na­do pe­la Co­a­li­ti­on So­li­da­ri­té Bré­sil, uma ali­an­ça de 18 en­ti­da­des que in­clui Act Up Pa­ris, Fran­ce Li­ber­tés e Se­cours Catho­li­que - Caritas Fran­ce. Ne­le fo­ram ana­li­sa­dos 11 te­mas re­la­ti­vos a qu­es­tões so­ci­ais, am­bi­en­tais e po­lí­ti­cas. “Es­te barô­me­tro ecoa os gri­tos de alerta dos mo­vi­men­tos so­ci­ais di­an­te das vi­o­la­ções dos di­rei­tos hu­ma­nos e am­bi­en­tais, que fo­ram co­me­ti­das com to­tal im­pu­ni­da­de, mas é tam­bém o re­fle­xo de uma so­ci­e­da­de ci­vil bra­si­lei­ra que re­sis­te, in­ven­ta e se mo­bi­li­za nos seus ter­ri­tó­ri­os”, afir­mou a co­a­li­zão no tex­to.

No mes­mo dia do pro­tes­to em Pa­ris, um ex­pres­si­vo gru­po de ex-alu­nos bra­si­lei­ros da es­co­la de Di­rei­to da Uni­ver­si­da­de Har­vard lan­çou um ma­ni­fes­to em

fa­vor do im­pe­a­ch­ment do pre­si­den­te. No tex­to, é res­sal­ta­da a “ir­res­pon­sa­bi­li­da­de” de Jair Bol­so­na­ro des­de o iní­cio da pan­de­mia e as in­ves­ti­das do pre­si­den­te con­tra a Cons­ti­tui­ção “em pre­juí­zo da saú­de da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra, da ins­ti­tu­ci­o­na­li­da­de dos po­de­res cons­ti­tuí­dos e do be­mes­tar so­ci­al e econô­mi­co do País”. En­tre os 54 ex-alu­nos que as­si­nam a de­cla­ra­ção es­tão o ju­ris­ta Jo­a­quim Fal­cão, o ad­vo­ga­do Caio Ro­dri­guez, a de­pu­ta­da Ta­ba­ta Ama­ral e o pro­fes­sor do Ins­per Ivar Hart­mann. Se­gun­do o tex­to, a afir­ma­ção “Eu sou a Cons­ti­tui­ção”, pro­fe­ri­da por Bol­so­na­ro em abril de 2020, bas­ta­ria pa­ra jus­ti­fi­car um pro­ces­so de im­pe­a­cha­ment. Mas ele foi além.

CRI­ME A omis­são de Bol­so­na­ro no com­ba­te à pan­de­mia e o fla­gran­te abu­so de po­der ao uti­li­zar a vi­si­bi­li­da­de do car­go pa­ra de­sa­cre­di­tar re­co­men­da­ções sa­ni­tá­ri­as con­sen­su­ais, po­ten­ci­a­li­zam a dis­se­mi­na­ção da Co­vid-19, ca­rac­te­ri­zam cri­me se­gun­do o ar­ti­go 7°, n. 9 da Lei 1.079/50.

Com gran­des chan­ces de ser con­de­na­do pe­la his­tó­ria e com 61 pe­di­dos de im­pe­di­men­to na Câ­ma­ra, Bol­so­na­ro ba­te um re­cor­de que ne­nhum pre­si­den­te gos­ta­ria de ter. Além da der­ro­ta pes­so­al, ele ar­ras­ta o País em uma ten­ta­ti­va va­zia de se man­ter no po­der, com­pro­me­te o an­da­men­to da eco­no­mia no cur­to e mé­dio pra­zo e tor­na sua saí­da a úni­ca so­lu­ção viá­vel pa­ra que o Bra­sil en­fren­te a cri­se sa­ni­tá­ria, re­ce­ba mais in­ves­ti­men­tos e crie um am­bi­en­te me­nos hos­til pa­ra a tão es­pe­ra­da re­to­ma­da.

 ??  ??
 ??  ?? PRES­SÃO Cri­mes de res­pon­sa­bi­li­da­de e de­ban­da­da de ali­a­dos co­lo­cam em dú­vi­da a per­ma­nên­cia de Bol­so­na­ro no car­go
PRES­SÃO Cri­mes de res­pon­sa­bi­li­da­de e de­ban­da­da de ali­a­dos co­lo­cam em dú­vi­da a per­ma­nên­cia de Bol­so­na­ro no car­go
 ??  ??
 ??  ??
 ??  ??
 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil