ISTO É Dinheiro

Pa­ne­rai lan­ça re­ló­gio em ho­me­na­gem a mer­gu­lha­dor que so­freu gra­ve aci­den­te

- POR LU­CI­A­NA LAN­CEL­LOT­TI

Des­ti­la­dos

Com­bi­nan­do mais de 400 eaux-de-vie – co­mo são cha­ma­dos os des­ti­la­dos de di­fe­ren­tes vi­nhos bran­cos en­ve­lhe­ci­dos em carvalho –, o conhaque L'Or de Je­an Mar­tell cos­tu­ma en­tu­si­as­mar até mes­mo an­ti­gos co­le­ci­o­na­do­res, que não se dei­xam im­pres­si­o­nar fa­cil­men­te. A cai­xa de apre­sen­ta­ção cri­a­da pe­lo ar­qui­te­to pa­ri­si­en­se Eric Gi­zard en­vol­ve um de­can­ter de 700 ml com ni­cho em for­ma de go­ta, es­cul­pi­do em cris­tal de Sè­vres com de­ta­lhes em ou­ro. A de­gus­ta­ção ofi­ci­al da mar­ca in­di­ca aro­mas cí­tri­cos de ber­ga­mo­ta e de cas­cas de la­ran­ja, com no­tas gus­ta­ti­vas de gro­se­lha pre­ta e ve­ge­ta­ção ras­tei­ra. O fi­nal é re­quin­ta­do e per­sis­ten­te. De acor­do com Ch­ris­tophe Val­taud, mes­tre de ade­ga da Mar­tell, L'Or equi­li­bra per­fei­ta­men­te aro­mas ri­cos e po­der. No Bra­sil, o conhaque es­tá dis­po­ní­vel em vá­ri­os e-com­mer­ces, co­mo o Drink­sand­clubs.com.br, com pre­ço su­ge­ri­do de R$ 17.990,00.

Car­ro

Em 2008, quan­do a vi­ní­co­la Mi­o­lo lan­çou seu pi­o­nei­ro pro­gra­ma Wi­ne Ma­ker, vol­ta­do pa­ra en­si­nar a um pú­bli­co in­te­res­sa­do em vi­nhos co­mo a be­bi­da é de fa­to pro­du­zi­da, des­de a co­lhei­ta das uvas até a ro­tu­la­gem das gar­ra­fas, não ha­via na­da pa­re­ci­do no Bra­sil. De lá pa­ra cá, sur­gi­ram mui­tas pos­si­bi­li­da­des de vi­ven­ci­ar a te­o­ria e a prá­ti­ca da vi­ti­vi­ni­cul­tu­ra, a par­tir de ex­pe­ri­ên­ci­as do ti­po mão na mas­sa em vi­nhe­dos e can­ti­nas. Du­ran­te o pe­río­do de co­lhei­ta, que na re­gião Sul do País vai de ja­nei­ro a maio, há atu­al­men­te inú­me­ras for­mas de fa­zer par­te da ro­ti­na dos vi­nha­tei­ros. A mais re­cen­te imer­são na vin­di­ma aca­ba de ser lan­ça­da pe­la char­mo­sa Cris­to­fo­li Vi­nhos de Fa­mí­lia.

Co­nhe­ci­da por re­ce­ber eno­tu­ris­tas em bus­ca de al­go que vá além da vi­si­ta gui­a­da aos tan­ques de inox e de­gus­ta­ções, a vi­ní­co­la fa­mi­li­ar se­di­a­da em Faria Lemos, dis­tri­to de Ben­to Gon­çal­ves (RS) aca­ba de abrir as ins­cri­ções pa­ra o pro­gra­ma Ma­king Wi­ne 2021. Tra­ta-se de uma es­pé­cie de re­a­lity show que irá mos­trar a sa­fra co­mo ela é ao vi­vo, du­ran­te 20 di­as, no mês de fe­ve­rei­ro. Se­gun­do a enó­lo­ga que ho­je es­tá no co­man­do da em­pre­sa, Bru­na Cris­to­fo­li, de 34 anos, a no­vi­da­de nas­ceu de uma ideia de Ar­tur Trem­per

Fa­ri­as, bra­si­lei­ro que foi tra­ba­lhar no Chi­le e lá cri­ou uma agên­cia es­pe­ci­a­li­za­da em eno­tu­ris­mo. Com a pan­de­mia, ele te­ve de fe­char a agên­cia e pas­sou a fa­zer de­gus­ta­ções on-li­ne. “O Ar­tur pen­sou em um mo­de­lo ti­po pay-per-vi­ew, em que as pes­so­as pa­ga­ri­am pa­ra acom­pa­nhar vir­tu­al­men­te a sa­fra. Nós acha­mos que, pa­ra is­so fun­ci­o­nar, era pre­ci­so dar al­gum be­ne­fí­cio adi­ci­o­nal, e a ideia evo­luiu pa­ra o pro­gra­ma que es­ta­mos ofe­re­cen­do ago­ra”, afir­mou Bru­na à DI­NHEI­RO.

CLO­SE FRI­ENDS Pre­ser­van­do par­te de sua ideia ori­gi­nal, Ar­tur irá mo­rar e tra­ba­lhar na vi­ní­co­la du­ran­te os 20 di­as do Ma­king Wi­ne, com­par­ti­lhan­do to­do o con­teú­do por meio do re­cur­so clo­se fri­ends, do Ins­ta­gram. O aces­so aos bas­ti­do­res da sa­fra se­rá res­tri­to a 100 pes­so­as que se ins­cre­ve­rem no pro­gra­ma por meio da aqui­si­ção de um dos qua­tro kits cri­a­dos com es­sa fi­na­li­da­de. Os va­lo­res par­tem de

pro­gra­ma. Nes­te ca­so, as va­gas são li­mi­ta­das. Ain­da não es­tá de­fi­ni­do se ha­ve­rá en­con­tro pre­sen­ci­al, o que vai de­pen­der das res­tri­ções da pan­de­mia.

En­cra­va­da na Ro­ta das Can­ti­nas His­tó­ri­cas de Ben­to Gon­çal­ves, a Cris­to­fo­li se tor­nou um dos des­ti­nos mais pro­cu­ra­dos por enó­fi­los que bus­cam au­ten­ti­ci­da­de. Ela man­tém o ar rús­ti­co de uma vi­ní­co­la tra­di­ci­o­nal que ain­da ope­ra em es­ca­la hu­ma­na. Tu­do ali é fei­to pe­la fa­mí­lia. For­ma­da em eno­lo­gia, Bru­na acu­mu­la fun­ções li­ga­das à vi­ni­fi­ca­ção (que ho­je di­vi­de com o ir­mão Lo­ren­zo, tam­bém enó­lo­go), à ad­mi­nis­tra­ção, ao mar­ke­ting e aos pro­je­tos de am­pli­a­ção da em­pre­sa — ca­so de um no­vo res­tau­ran­te, bem mai­or que o atu­al, pre­vis­to pa­ra ser inau­gu­ra­do em maio. Quem re­ce­be os tu­ris­tas é Le­tí­cia, pri­ma de Bru­na. Na co­zi­nha, pre­pa­ran­do os pra­tos ser­vi­dos du­ran­te as de­gus­ta­ções, es­tão as mu­lhe­res dos dois ir­mãos que su­ce­de­ram o pa­tri­ar­ca no cul­ti­vo de uvas e se­guem no ne­gó­cio de vi­nhos. “Tu­do o que fa­ze­mos faz par­te da nos­sa his­tó­ria. As ex­pe­ri­ên­ci­as que ofe­re­ce­mos nas­ce­ram de vi­vên­ci­as em fa­mí­lia”, dis­se Bru­na.

Par­te do en­can­to da pro­pri­e­da­de es­tá no jei­to co­mo a fa­mí­lia re­ce­be os vi­si­tan­tes. Ali é pos­sí­vel ca­mi­nhar pe­lo vi­nhe­do, pas­se­ar de tra­tor, co­lher as uvas e fa­zer a pi­sa ao som de mú­si­cas tí­pi­cas da imi­gra­ção ita­li­a­na. Além de fes­ti­vo, o be­lo ce­ná­rio ao ar li­vre é tam­bém ro­mân­ti­co. Uma das op­ções ofe­re­ci­das aos tu­ris­tas re­ce­be o su­ges­ti­vo no­me de Edre­dom nos Par­rei­rais. Tra­ta-se de um pi­que­ni­que pa­ra ca­sais no meio do vi­nhe­do com uma se­le­ção de co­mi­di­nhas re­gi­o­nais com­bi­na­das com os me­lho­res vi­nhos da fa­mí­lia.

Can­sa­da de vas­cu­lhar vá­ri­os si­tes de gran­des va­re­jis­tas em bus­ca de pro­du­tos de be­le­za es­pe­cí­fi­cos pa­ra pe­les ne­gras, a em­pre­sá­ria Nya­ko Gri­e­co te­ve a ideia de cri­ar uma pla­ta­for­ma di­gi­tal que reu­nis­se cos­mé­ti­cos pre­mium, es­pe­cí­fi­cos pa­ra pe­les es­cu­ras, se­le­ci­o­na­dos por meio de uma cu­ra­do­ria cri­te­ri­o­sa – ela pró­pria é fun­da­do­ra da Nya­kio Be­auty, mar­ca de be­le­za ins­pi­ra­da em su­as raí­zes que­ni­a­nas, in­te­gran­te da Sun­di­al, pro­pri­e­da­de da Uni­le­ver. Con­ver­sou, en­tão, com o ami­go Pa­trick Her­ning, CEO do e-commerce de mo­da plus si­ze 11 Ho­no­ré, e no au­ge do mo­vi­men­to Black Li­ves Mat­ter o pro­je­to se con­so­li­dou.

Em de­zem­bro, a pla­ta­for­ma Thir­te­en Lu­nes foi lan­ça­da dis­cre­ta­men­te, cen­tra­li­zan­do mar­cas de pro­pri­e­da­de de mi­no­ri­as. Foi o su­fi­ci­en­te pa­ra cha­mar aten­ção de gen­te en­ga­ja­da co­mo o pro­du­tor mu­si­cal Se­an Combs – rap­per mais co­nhe­ci­do co­mo Diddy –, a atriz Gwy­neth Pal­trow, CEO do si­te de well­ness e be­le­za Go­op, Ni­co­le Avant, ex-em­bai­xa­do­ra dos Es­ta­dos Uni­dos nas Baha­mas, e o in­ves­ti­dor Pa­trick Fin­ne­gan. Re­sul­ta­do: com um mês de lan­ça­men­to, a pla­ta­for­ma ga­nhou fô­le­go pa­ra pros­se­guir, com in­ves­ti­men­tos re­sul­tan­tes tam­bém da aju­da de fa­mi­li­a­res e ami­gos, so­man­do um mon­tan­te de US$ 1 mi­lhão.

Com 13 mar­cas ini­ci­ais, o si­te já é con­si­de­ra­do o mai­or ecos­sis­te­ma das cha­ma­das mar­cas pre­tas e mar­rons fun­da­das por re­pre­sen­tan­tes e ali­a­dos da co­mu­ni­da­de Bi­poc (for­ma­da por ne­gros, in­dí­ge­nas e par­dos). Ela e Her­ning pre­ten­dem im­pul­si­o­nar a di­ver­si­da­de no se­tor de cos­mé­ti­cos e vi­rar o jo­go no va­re­jo de be­le­za in­clu­si­va. Um dos pas­sos se­rá abor­dar as bar­rei­ras en­fren­ta­das pe­los em­pre­en­de­do­res ne­gros com re­la­ção ao cres­ci­men­to de seus ne­gó­ci­os.

O INÍ­CIO DA VI­RA­DA Em 2017, o mer­ca­do de cos­mé­ti­cos foi mar­ca­do pe­lo lan­ça­men­to da mar­ca Fenty Be­auty, da can­to­ra Rihan­na, com su­ces­so re­tum­ban­te. A gri­fe trou­xe ao se­tor a pro­pos­ta de aten­der

Com de­sign ele­gan­te, o Thir­te­en Lu­ne cha­mou aten­ção lo­go no pri­mei­ro mês on-li­ne. Ao la­do, Nya­ko Gri­e­co, ide­a­li­za­do­ra do pro­je­to, faz a cu­ra­do­ria de pro­du­tos pre­mium pa­ra pe­les es­cu­ras

a de­man­da de mi­lhões de mu­lhe­res que não se en­con­tra­vam den­tro da ga­ma de co­res de pro­du­tos de ma­qui­a­gem pro­du­zi­dos até en­tão – a mai­or par­te das mar­cas res­trin­gia seus itens en­tre 10 e 20 tons de pe­le, por exem­plo. A mar­ca de Rihan­na che­gou com 40 tons e ho­je ofe­re­ce 50.

Com mais op­ções, a con­su­mi­do­ra, que an­tes acei­ta­va os pro­du­tos im­pos­tos pe­las mar­cas, pas­sou a di­tar as re­gras da in­dús­tria. A tal pon­to que em 2020 a pró­pria Rihan­na lan­çou sua li­nha de cui­da­dos com a pe­le, a Fenty Skin. Ini­ci­al­men­te dis­po­ní­veis ape­nas pa­ra ven­das on-li­ne, os pro­du­tos fo­ram lan­ça­dos no va­re­jo mês pas­sa­do – ain­da sem pre­vi­são de lan­ça­men­to no Bra­sil. E co­mo ser pre­vi­sí­vel es­tá fo­ra da ro­ta da pops­tar, a pro­pos­ta, des­ta vez, foi o mi­ni­ma­lis­mo. Pouquís­si­mos itens com­põem a li­nha. To­dos, po­rém, mul­ti­ta­re­fa e efi­ca­zes. Pa­ra os mais di­ver­sos ti­pos e tons de pe­le.

 ??  ??
 ??  ??
 ??  ??
 ??  ??
 ??  ?? FES­TA DA CO­LHEI­TA
FES­TA DA CO­LHEI­TA
 ??  ?? A par­tir da es­quer­da, a co­lhei­ta de uvas, a can­ti­na on­de os vi­nhos são fei­tos, a ba­bi­da sain­do de um tan­que e a me­sa no par­rei­ral
A par­tir da es­quer­da, a co­lhei­ta de uvas, a can­ti­na on­de os vi­nhos são fei­tos, a ba­bi­da sain­do de um tan­que e a me­sa no par­rei­ral
 ??  ??
 ??  ??
 ??  ??
 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil