ISTO É Dinheiro

Che­ga­da de Joe Bi­den à Ca­sa Bran­ca põe em mar­cha pla­no de qua­se US$ 2 tri­lhões pa­ra re­a­ti­var a eco­no­mia dos EUA e do mun­do

- Business · Finance · Economics · Politics · Social Sciences · Joe Biden · Joe (singer) · White House · United States of America · Plano · Janet Yellen · York · Donald Trump · Como · Americas · Brazil · Jair Bolsonaro · G20 · Democratic Party (United States) · Princeton · Paris · Paris Agreement · Mary J. Blige · Marshall Plan · Oxford · Pella

En­quan­to Joe Bi­den, o 46º pre­si­den­te elei­to dos Es­ta­dos Uni­dos, en­fa­ti­za­va a re­le­vân­cia da de­mo­cra­cia em sua ce­rimô­nia de pos­se, na quar­ta-fei­ra (20), os mer­ca­dos glo­bais fes­te­ja­vam a apro­xi­ma­ção do mai­or pa­co­te de res­ga­te econô­mi­co des­de o Pla­no Marshall, ao fim da Se­gun­da Guer­ra mun­di­al. A ofen­si­va re­pre­sen­ta­rá um dos pri­mei­ros ges­tos de Bi­den à fren­te do país mais ri­co do pla­ne­ta, den­tro de um pa­co­te de es­tí­mu­los de US$ 1,9 tri­lhão (R$ 10 tri­lhões). O di­nhei­ro se­rá des­ti­na­do ao com­ba­te da pan­de­mia e aos efei­tos ne­fas­tos que a cri­se de saú­de ge­rou no mer­ca­do ame­ri­ca­no. “Com união, po­de­mos fa­zer mui­ta coi­sa e su­pe­rar es­se ví­rus mor­tal”, dis­se o pre­si­den­te. “Mi­lhões de em­pre­gos fo­ram per­di­dos, mi­lhões de em­pre­sas fo­ram fe­cha­das. Há mui­to a ser re­pa­ra­do, há mui­to a ser fei­to.” O di­ag­nós­ti­co de Bi­den so­bre a eco­no­mia já ha­via re­ce­bi­do o en­dos­so pré­vio da secretária do Te­sou­ro dos Es­ta­dos Uni­dos, Ja­net Yel­len, no Se­na­do, um dia an­tes. A or­dem do no­vo go­ver­no é cla­ra: in­je­tar al­tos es­for­ços fis­cais pa­ra so­cor­rer a ati­vi­da­de econô­mi­ca.

Fi­ca fá­cil en­ten­der por que as prin­ci­pais bol­sas eu­ro­pei­as e os ín­di­ces fu­tu­ros em No­va York ope­ra­ram em al­ta na ma­nhã do dia da pos­se no su­ces­sor de Do­nald Trump na Ca­sa Bran­ca. “Co­mo Bi­den te­rá um go­ver­no mais vol­ta­do ao mul­ti­la­te­ra­lis­mo, is­so tem um efei­to po­si­ti­vo em to­do o mun­do”, dis­se Pa­tri­cia Krau­se, eco­no­mis­ta­che­fe pa­ra Amé­ri­ca La­ti­na na con­sul­to­ria Co­fa­ce. “Os es­tí­mu­los fis­cais aju­dam na re­cu­pe­ra­ção do­més­ti­ca, mas te­rá re­sul­ta­do em to­dos os paí­ses que man­têm re­la­ção com os ame­ri­ca­nos, in­clu­si­ve o Bra­sil.”

As­sim que as­su­miu a pre­si­dên­cia, Bi­den pe­diu ur­gên­cia ao Legislativ­o na apro­va­ção das me­di­das e afir­mou que o pa­co­te é am­bi­ci­o­so, mas viá­vel. O prin­ci­pal fo­co da pro­pos­ta é na va­ci­na­ção e no alí­vio pa­ra os ci­da­dãos, com o pa­ga­men­to de che­ques no va­lor de US$ 1,4 mil, que de­vem se so­mar aos US$ 600 já apro­va­dos em de­zem­bro.

Bi­den ga­ran­tiu que US$ 440 bi­lhões de seu pla­no de res­ga­te de­vem ter co­mo des­ti­no co­mu­ni­da­des que es­tão so­fren­do mais com a cri­se. O al­vo a ser per­se­gui­do em sua ges­tão é a cri­a­ção de tra­ba­lhos “bem pa­gos”, no com­ba­te às mu­dan­ças cli­má­ti­cas e na pro­mo­ção de igual­da­de ra­ci­al.

Ou­tra pro­pos­ta que ge­rou eu­fo­ria mun­do afo­ra foi a in­ten­ção de au­men­tar do sa­lá­rio mí­ni­mo no país pa­ra US$ 15 a ho­ra, já que mui­tos dos tra­ba­lha­do­res com re­mu­ne­ra­ção bai­xa es­ti­ve­ram mais ex­pos­tos du­ran­te a pan­de­mia. Ho­je, es­se va­lor de sa­lá­rio/ho­ra já é con­si­de­ra­do o mí­ni­mo ape­nas em al­guns es­ta­dos, co­mo No­va York. “Va­mos pro­ver aos pe­que­nos ne­gó­ci­os o ne­ces­sá­rio pa­ra re­a­brir e re­cons­truir, fa­ci­li­tan­do aces­so a cré­di­to de US$ 175 bi­lhões pa­ra as em­pre­sas de me­nor por­te, além de US$ 35 bi­lhões em in­ves­ti­men­to di­re­to”, dis­se o no­vo pre­si­den­te ame­ri­ca­no. “O nú­me­ro de em­pre­sas que o pro­gra­ma tem o ob­je­ti­vo de al­can­çar é mai­or que 1 mi­lhão, en­tre as mais atin­gi­das pe­la cri­se.”

As­sim co­mo o oti­mis­mo in­ter­na­ci­o­nal, den­tro dos Es­ta­dos Uni­dos as ini­ci­a­ti­vas fo­ram bem ava­li­a­das. Se­gun­do a Na­ti­o­nal As­so­ci­a­ti­on for Bu­si­ness Eco­no­mics (Na­be), 73% dos eco­no­mis­tas ame­ri­ca­nos acre­di­tam que a eco­no­mia dos Es­ta­dos Uni­dos re­tor­na­rá ao ní­vel pré-pan­de­mia até o fim des­te ano. Es­se re­sul­ta­do con­tras­ta com o ce­ná­rio no Bra­sil. A mais re­cen­te pes­qui­sa Da­ta­fo­lha re­ve­lou que 41% dos bra­si­lei­ros acre­di­tam na pi­o­ra da eco­no­mia nos pri­mei­ros me­ses do ano.

Na ava­li­a­ção de Car­lo Bar­bi­e­ri, eco­no­mis­ta e ana­lis­ta po­lí­ti­co que atua nos Es­ta­dos Uni­dos há mais de 30 anos, e que pre­si­de a con­sul­to­ria de in­ves­ti­men­tos Ox­ford Group, a pro­je­ção po­si­ti­va das va­ci­nas já au­men­tou a con­fi­an­ça no ce­ná­rio econô­mi­co ame­ri­ca­no. “Co­me­ça­mos o ano de 2021 com au­men­to da pro­cu­ra por in­ves­ti­do­res bra­si­lei­ros em bus­ca de in­for­ma­ções so­bre o ce­ná­rio nos pró­xi­mos qua­tro ano”, dis­se. Pa­ra ten­tar ca­pi­ta­li­zar es­se bom mo­men­to, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro apro­vei­tou a pos­se pa­ra di­zer que os paí­ses são ir­mãos e pre­ci­sam bus­car har­mo­nia. Ele não co­men­tou, no en­tan­to, que foi o úl­ti­mo lí­der do G20 a re­co­nhe­cer a vi­tó­ria do su­ces­sor de Do­nald Trump.

Com for­te apa­ra­to mi­li­tar, Joe Bi­den con­se­guiu ser no­me­a­do pre­si­den­te sem con­fli­tos. Pro­mes­sa de cam­pa­nha é es­ti­mu­lar a ge­ra­ção de em­pre­go com au­men­to de sa­lá­ri­os

Pe­la pri­mei­ra vez em 152 anos, um pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca não es­te­ve na no­me­a­ção do su­ces­sor

PRI­MEI­RO TEM­PO Aos olhos dos mer­ca­dos, os 100 pri­mei­ros di­as do no­vo go­ver­no de­ter­mi­na­rão o rit­mo de Bi­den pa­ra a eco­no­mia. “Ape­sar de os de­mo­cra­tas te­rem mai­o­ria do Con­gres­so, o Trump ain­da tem mui­to apoio”, dis­se Ju­li­an Ze­li­zer, ci­en­tis­ta po­lí­ti­co de da Uni­ver­si­da­de Prin­ce­ton.

Em dez di­as Bi­den quer ofi­ci­a­li­zar a re­en­tra­da dos EUA no Acor­do de Pa­ris, re­ver­ter proi­bi­ções de vi­a­gens, exi­gir o uso de más­ca­ras em ór­gãos fe­de­rais, além de pror­ro­gar as res­tri­ções a des­pe­jos e a ar­res­tos de imó­veis re­si­den­ci­ais por dé­bi­tos. Um dos pon­tos de mai­or in­cer­te­za é a re­la­ção de­le com o Bra­sil, em es­pe­ci­al com Bol­so­na­ro. O em­bai­xa­dor bra­si­lei­ro nos Es­ta­dos Uni­dos, Nes­tor Fors­ter, dis­se que Bi­den irá se de­pa­rar com umPaís di­fe­ren­te do que co­nhe­ceu na era Oba­ma. Em en­tre­vis­ta à Glo­boNews, Fors­ter não en­trou em de­ta­lhes so­bre quais mu­dan­ças en­xer­gou no pe­río­do, mas dis­se que te­rá co­mo um de seus de­sa­fi­os en­ten­dê-las. Com o mun­do mu­dan­do e a pan­de­mia trans­for­man­do re­la­ções, en­ten­der o que se pas­sa no Bra­sil, sem dú­vi­da, não se­rá a pri­o­ri­da­de

de Joe Bi­den.

O cres­ci­men­to das ta­re­fas re­mo­tas am­pli­ou o es­pa­ço pa­ra os “ci­ber­cri­mi­no­sos”, que re­a­li­zam frau­des por meio di­gi­tal.

O cres­ci­men­to po­lí­ti­co de li­de­ran­ças na­ci­o­na­lis­tas e po­pu­lis­tas de­ve ele­var as bar­rei­ras econô­mi­cas pro­te­ci­o­nis­tas, afe­tan­do os ne­gó­ci­os

De­fi­nir 2020 co­mo “de­sa­fi­a­dor” é o eu­fe­mis­mo dos úl­ti­mos 100 anos. Con­ta-se nos de­dos quem não de­se­je um 2021 mais pre­vi­sí­vel. No en­tan­to, is­so não es­tá ga­ran­ti­do. Des­de 2005, os re­la­tó­ri­os de ris­co di­vul­ga­dos anu­al­men­te pe­lo Fó­rum Econô­mi­co Mun­di­al (FEM) vi­nham ad­ver­tin­do con­tra a ame­a­ça de uma pan­de­mia. Nin­guém pres­tou aten­ção. Ago­ra que o ris­co de uma pan­de­mia tor­nou-se uma re­a­li­da­de, se­ria um bom exer­cí­cio de hu­mil­da­de ou­vir os aler­tas dos es­pe­ci­a­lis­tas so­bre as fu­tu­ras ame­a­ças à es­ta­bi­li­da­de de so­ci­e­da­des, de em­pre­sas e de in­ves­ti­men­tos no ano que se ini­cia.

Em pri­mei­ro lu­gar es­tão os ris­cos de­ri­va­dos da pró­pria pan­de­mia. “As mu­dan­ças no tra­ba­lho au­men­ta­ram mui­to a ati­vi­da­de vir­tu­al, o que abriu mais es­pa­ço pa­ra os cri­mes di­gi­tais”, dis­se o CEO mun­di­al da con­sul­to­ria Con­trol Risks, Nick Al­lan. Além de fa­ci­li­tar o tra­ba­lho dos cri­mi­no­sos, a mai­or di­gi­ta­li­za­ção das re­la­ções am­pli­ou o fos­so que se­pa­ra quem li­da bem com o mun­do vir­tu­al dos anal­fa­be­tos di­gi­tais. Se­gun­do a edi­ção mais re­cen­te do re­la­tó­rio de ris­cos glo­bais do FEM, di­vul­ga­da na ter­ça-fei­ra (19), “bi­lhões de cui­da­do­res, tra­ba­lha­do­res e es­tu­dan­tes, em es­pe­ci­al as mi­no­ri­as que já se en­con­tra­vam em des­van­ta­gem an­tes mes­mo da pan­de­mia, es­tão ago­ra em ris­co de per­der o ca­mi­nho pa­ra so­ci­e­da­des no­vas e mais jus­tas”.

As me­di­das to­ma­das pe­los go­ver­nos pa­ra com­pen­sar a cri­se tam­bém pro­vo­cam efei­tos co­la­te­rais. Pe­los cál­cu­los dos es­pe­ci­a­lis­tas, ape­nas nes­ta pan­de­mia os ban­cos cen­trais dos paí­ses de­sen­vol­vi­dos des­pe­ja­ram US$ 10 tri­lhões em li­qui­dez nos mer­ca­dos fi­nan­cei­ros, pa­ra im­pe­dir que as ro­das da eco­no­mia tra­vem. Des­de a cri­se do sub­pri­me, em 2008, já são US$ 25 tri­lhões. Es­se di­nhei­ro tem um efei­to be­né­fi­co, que é im­pe­dir uma que­bra­dei­ra em sé­rie de ban­cos, pri­van­do pes­so­as de su­as pou­pan­ças e em­pre­sá­ri­os de ca­pi­tal e cré­di­to. Po­rém, tan­to ca­pi­tal sen­do in­je­ta­do sem con­tra­par­ti­da re­al pro­vo­ca mo­vi­men­tos in­fla­ci­o­ná­ri­os. Po­de ser uma in­fla­ção nos pre­ços dos ati­vos, co­mo criptomoed­as. Po­dem ser ações. E po­dem ser com­mo­di­ti­es, co­mo mi­né­rio de fer­ro e grãos de so­ja, o que pro­vo­ca um au­men­to de pre­ços de pro­du­tos bá­si­cos e, no li­mi­te, re­duz a ren­da dos tra­ba­lha­do­res mais po­bres.

 ??  ??
 ??  ??
 ??  ??
 ??  ??
 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil