ISTO É Dinheiro

Re­gi­nal­do Ar­cu­ri

- Business · Health · Pharmaceutical Industry · Medicine · Industries · Prince Harry of Wales · Jair Bolsonaro · Mary J. Blige · Albert Einstein · Brazil · Donald Trump · Ford Motor Company · France · Hadrian · Santos · Davis · Oswaldo Cruz · Nelson · Thiago Emiliano da Silva

gi­os ao ex-mi­nis­tro Hen­ri­que Man­det­ta. En­tão, não pa­re­ce que houve com­por­ta­men­to des­vi­an­te do que se es­pe­ra de uma agên­cia de pa­drão mun­di­al.

Se a An­vi­sa re­co­nhe­ce que não há tra­ta­men­to pa­ra a Co­vid, afir­ma­ção em li­nha com ci­en­tis­tas do mun­do to­do, por que as fa­bri­can­tes, mes­mo sa­ben­do que re­mé­di­os co­mo clo­ro­qui­na e iver­mec­ti­na não fun­ci­o­nam pa­ra a Co­vid-19, não se ma­ni­fes­ta­ram con­trá­ri­as ao con­su­mo des­sas dro­gas?

Não há com­pro­va­ção ci­en­tí­fi­ca de quê? Exis­te com­pro­va­ção ci­en­tí­fi­ca que a clo­ro­qui­na fun­ci­o­na pa­ra o que cons­ta da bu­la de­la. É efi­caz. A bu­la da iver­mec­ti­na tam­bém mos­tra pa­ra que é in­di­ca­da. A in­dús­tria não saiu por aí di­zen­do que a clo­ro­qui­na é óti­ma pa­ra na­da além do que es­tá na bu­la. A in­dús­tria não po­de fa­zer is­so.

Mas es­ses me­di­ca­men­tos têm si­do usa­dos pa­ra com­ba­te à Co­vid, do­en­ça que não es­tá des­cri­ta na bu­la, in­di­ca­dos até pe­lo pre­si­den­te Bol­so­na­ro... Não ca­be à in­dús­tria pres­cre­ver me­di­ca­men­tos. Ape­nas os mé­di­cos po­dem fa­zer pro­pa­gan­da ou re­co­men­dar o con­su­mo “off la­bel”, ou se­ja, fo­ra da bu­la. Não po­de­mos di­zer que fun­ci­o­na, nem que não fun­ci­o­na. O Vi­a­gra não foi de­sen­vol­vi­do pa­ra dis­fun­ção eré­til. Foi cri­a­do pa­ra tra­ta­men­to de pro­ble­mas co­ro­na­ri­a­nos. Du­ran­te o uso, foi-se ve­ri­fi­can­do que o me­di­ca­men­to ge­ra­va ou­tros efei­tos. En­tão, do mes­mo jei­to que a in­dús­tria não po­de pres­cre­ver, a in­dús­tria não po­de sair por aí di­zen­do que to­dos es­tão er­ra­dos. É uma ques­tão ló­gi­ca.

As em­pre­sas não po­dem ser cor­res­pon­sa­bi­li­za­das pe­lo uso ina­de­qua­do de me­di­ca­men­tos pa­ra ver­mes e ma­lá­ria? O cha­ma­do kit Co­vid é dis­tri­buí­do pe­la re­de pú­bli­ca... É uma ques­tão le­gal. Não es­ta­mos ti­ran­do o cor­po. De jei­to ne­nhum. É uma ques­tão do que po­de­mos e do que não po­de­mos fa­zer. Nun­ca cons­truí­mos ne­nhu­ma hi­pó­te­se se o me­di­ca­men­to é bom ou ruim. As con­clu­sões quem ti­ram são os pes­qui­sa­do­res. Quem decide se vai re­co­men­dar ou dis­tri­buir ao po­vo bra­si­lei­ro, é o Mi­nis­té­rio da Saú­de. O que fi­ze­mos, jun­to aos prin­ci­pais hos­pi­tais, co­mo Al­bert Eins­tein, Oswal­do Cruz, Sí­rio-Li­ba­nês, foi ofe­re­cer me­di­ca­men­tos e pla­ce­bos pa­ra que os mé­di­cos pu­des­sem con­du­zir seus es­tu­dos. De­pois dis­so, che­gou-se à con­clu­são que não foi pos­sí­vel de­tec­tar di­fe­ren­ças no tra­ta­men­to. Foi in­con­clu­si­vo. Es­sa foi a co­la­bo­ra­ção da in­dús­tria.

En­tão, não exis­te in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca nes­sa ques­tão?

Não. Se a gen­te fi­zer qual­quer coi­sa fo­ra da nor­ma, po­de­mos ter os re­gis­tros cas­sa­dos ou mes­mo res­pon­der por cri­me he­di­on­do. En­tão, não exis­te qual­quer pos­si­bi­li­da­de de um fa­bri­can­te de me­di­ca­men­to fa­zer al­go por con­ta pró­pria. An­da­mos na li­nha o tem­po to­do. So­mos sem­pre hi­per­re­gu­la­dos, co­mo de­ve ser. É as­sim no Bra­sil, co­mo é no res­tan­te do mun­do.

Qual é a ga­ran­tia de que es­ses no­vos me­di­ca­men­tos em de­sen­vol­vi­men­to pe­la in­dús­tria não se­rão mais uma es­pé­cie de clo­ro­qui­na? Quan­do o ex-pre­si­den­te ame­ri­ca­no Do­nald Trump te­ve Co­vid, to­mou um co­que­tel de me­di­ca­men­tos mo­no­clo­nais. São me­di­ca­men­tos de al­tís­si­ma tec­no­lo­gia e com mui­tos es­tu­dos sé­ri­os em an­da­men­to. O que pa­re­ce que vai dar re­sul­ta­do é es­sa ro­ta tec­no­ló­gi­ca, den­tro de um pra­zo de mais ou me­nos um ano. As em­pre­sas bra­si­lei­ras já co­me­ça­ram a fa­bri­car es­ses pro­du­tos e mui­to di­fe­ren­te de se pro­du­zir fár­ma­cos de sín­te­se quí­mi­ca. O re­mé­dio de an­ti­cor­po mo­no­clo­nal é pro­du­zi­do a par­tir de pro­teí­nas de cé­lu­las vi­vas. É al­go di­fe­ren­te, de pri­mei­ra li­nha. Aí en­tra uma ques­tão fun­da­men­tal, que e a lei de pa­ten­tes.

“No do­min­go (17), quan­do a An­vi­sa li­be­rou as va­ci­nas, ela de­mons­trou que agiu tec­ni­ca­men­te, co­mo se es­pe­ra de um ór­gão de Es­ta­do”

Mui­tos la­bo­ra­tó­ri­os di­zem que a lei de­sen­co­ra­ja in­ves­ti­men­tos... Sim. Pre­ci­sa­mos ter pra­zos fi­xos e co­nhe­ci­dos, não mó­veis, de qu­an­to tem­po du­ra uma pa­ten­te. É o po­lê­mi­co pa­rá­gra­fo úni­co do ar­ti­go 40 da Lei de Pro­pri­e­da­de In­dus­tri­al. Ho­je, a lei de pa­ten­tes é um de­sas­tre pa­ra País. A ca­pa­ci­da­de de de­sen­vol­ver mo­lé­cu­las no­vas de­ve es­tar am­pa­ra­da por uma lei igual a que os ou­tros paí­ses têm.

Foi es­sa lei que fez com que mul­ti­na­ci­o­nais fos­sem em­bo­ra?

A de­ci­são de fe­cha­men­to de mul­ti­na­ci­o­nais co­mo Ro­che e Eli Lilly se ex­pli­ca pe­lo mo­de­lo de ne­gó­ci­os de­las, não só pe­lo am­bi­en­te de ne­gó­ci­os. Mas te­mos que apri­mo­rar a lei. Te­mos ex­ce­len­tes ci­en­tis­tas e em­pre­sas. Pre­ci­sa­mos ter fo­co e in­cen­ti­var a ino­va­ção. A lei de pro­pri­e­da­de in­dus­tri­al não po­de fa­zer es­sa ba­gun­ça que es­tá fa­zen­do. Só pre­ju­di­ca o po­vo bra­si­lei­ro.

O tris­te fim da Ford no Bra­sil Tra­ba­lhei e me apo­sen­tei na Ford. Es­tou re­al­men­te cha­te­a­do com es­sa si­tu­a­ção, mas pre­ci­sa­mos pen­sar no fu­tu­ro.

Nel­son Bac­chi

Es­se des­go­ver­no não tem li­mi­te. Jo­sé Ro­dri­gues

A cul­pa não é do go­ver­no, é da es­tru­tu­ra do Es­ta­do. Pre­ci­sa­mos re­for­mar mui­to ain­da an­tes de vol­tar a ser pal­co de mul­ti­na­ci­o­nais do ra­mo in­dus­tri­al.

Car­li­nha França

Pre­ci­sa­mos ur­gen­te­men­te de uma po­lí­ti­ca de Es­ta­do pa­ra mo­der­ni­za­ção dos par­ques fa­bris no Bra­sil!

É no­tó­ria a fal­ta de ca­pa­ci­da­de de de­sen­vol­vi­men­to in­dus­tri­al. Se não hou­ver fi­nan­ci­a­men­to pú­bli­co pa­ra com­pra de no­vas má­qui­nas ou­tras em­pre­sas vão per­der.

“A po­lí­ti­ca ex­ter­na de Bol­so­na­ro tem cau­sa­do gran­de es­tra­go econô­mi­co ”

O co­mér­cio mun­di­al não pre­ci­sa de po­lí­ti­ca de Es­ta­do. Só não fi­can­do no ca­mi­nho o go­ver­no já aju­da.

Már­cio Ávi­la

A ver­go­nha não tem li­mi­tes. Qu­e­ro ver ago­ra co­mo se­rá a re­la­ção com Bi­den.

Thi­a­go Silva Ne­to

O Bra­sil per­de mui­to mais que os ou­tros paí­ses ao se sub­me­ter aos mais ri­cos.

O olhar do mun­do so­bre o Bra­sil

Não exis­te ar­ma mais le­tal do que ele­ger um idi­o­ta.

Adri­a­no Santos

Uma pe­na que um país his­to­ri­ca­men­te me­di­a­dor co­mo o nos­so se re­su­me ho­je a uma pi­a­da de mau gos­to nos even­tos in­ter­na­ci­o­nais.

Car­los Uc­chi

Não acho que a po­lí­ti­ca ex­ter­na es­tá tão ruim. As ex­por­ta­ções es­tão ba­ten­do re­cor­de. Al­go es­tá sen­do fei­to.

Nós só não po­de­mos mais acei­tar ser sub­mis­sos aos paí­ses im­pe­ri­a­lis­tas.

O ví­rus da de­si­gual­da­de

Pa­ra mui­tos es­te ví­rus não exis­te. Da­vis Olym­pio

Trans­fe­rên­cia de ren­da só vai acon­te­cer quan­do os cus­tos da pro­du­ção caí­rem e os sa­lá­ri­os au­men­ta­rem. E is­so só é pos­sí­vel com a di­mi­nui­ção dos im­pos­tos. E a di­mi­nui­ção dos im­pos­tos só se da­rá com a di­mi­nui­ção do Es­ta­do por meio de pri­va­ti­za­ções

Mar­tim Afon­so

Mais uma dé­ca­da per­di­da. Mais uma ge­ra­ção es­que­ci­da.

Ja­mes Du­rand

 ??  ??
 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil