ISTO É Dinheiro

AL­CAN­CE mil mil mil mil

130 30 2 5 40

-

de­pois, foi com­pra­da pe­la Totvs em um ne­gó­cio de R$ 778 mi­lhões.

Se ho­je a Ne­o­grid go­za de uma po­si­ção con­so­li­da­da no mer­ca­do, o mes­mo não se po­de di­zer dos anos se­guin­tes à fun­da­ção, em 1999. Co­mo a pro­pos­ta da em­pre­sa re­pre­sen­ta­va uma mu­dan­ça de cul­tu­ra em re­la­ção às prá­ti­cas de mer­ca­do, o de­sa­fio se in­ten­si­fi­cou. Se­gun­do Abuhab, foi pre­ci­so con­ven­cer os va­re­jis­tas a abri­rem os seus da­dos a for­ne­ce­do­res, “ca­te­qui­zá-los”. E a apos­ta pa­re­ce ter da­do re­sul­ta­do. Em 2019, a re­cei­ta lí­qui­da da com­pa­nhia foi de R$ 207,9 mi­lhões. En­tre ja­nei­ro e se­tem­bro de 2020, che­gou a R$ 154,5 mi­lhões — os nú­me­ros re­la­ti­vos ao úl­ti­mo tri­mes­tre ain­da não fo­ram di­vul­ga­dos. As ope­ra­ções in­ter­na­ci­o­nais re­pre­sen­tam 25% da re­cei­ta da com­pa­nhia.

A Ne­o­grid tem no pla­ne­ja­men­to pa­ra es­te ano avan­çar nas aqui­si­ções. “Às ve­zes, uma com­pa­nhia, ape­sar de me­nor, de­sen­vol­veu de­ter­mi­na­da fun­ção, mas não te­ve o al­can­ce de mer­ca­do que nós ho­je con­se­gui­mos”, afir­mou Abuhab. O que a com­pa­nhia de ma­nu­fa­tu­ra não quer, de acor­do com ele, é fa­bri­car um pro­du­to que

A pla­ta­for­ma cri­a­da pe­la Ne­o­grid co­nec­ta os sis­te­mas de ges­tão de dis­tri­bui­do­res, va­re­jis­tas, in­dús­tri­as e for­ne­ce­do­res. No ano pas­sa­do a fer­ra­men­ta mo­vi­men­tou R$ 36 bi­lhões por mês

vai fi­car en­ca­lha­do na re­de de va­re­jo. “Ele ocu­pa es­pa­ço de ou­tro que po­de­ria es­tar gi­ran­do.” Os no­mes das com­pa­nhi­as no fo­co, no en­tan­to, são man­ti­dos em si­gi­lo pe­lo pre­si­den­te do con­se­lho e por Edu­ar­do Ra­ga­sol, CEO da Ne­o­grid. O exe­cu­ti­vo me­xi­ca­no re­ve­lou o in­te­res­se em com­pa­nhi­as de seg­men­tos co­mo agro­ne­gó­cio, bens de con­su­mo, far­ma­cêu­ti­co e mo­da. “São três gran­des ave­ni­das: con­so­li­da­ção de mer­ca­do, aqui­si­ção de no­vos ni­chos pa­ra nos­sos port­fó­li­os atu­ais e de no­vas ca­pa­ci­da­des tec­no­ló­gi­cas.”

TEN­DÊN­CIA O tra­ba­lho da Ne­o­grid é vis­to com ten­dên­cia de mer­ca­do pe­lo eco­no­mis­ta Bru­no Re­zen­de, fun­da­dor e CEO da 4in­tel­li­gen­ce, star­tup que de­sen­vol­ve so­lu­ções pa­ra su­por­tar to­ma­das de de­ci­sões ba­se­a­das em aná­li­se de da­dos, atra­vés de al­go­rit­mos e In­te­li­gên­cia Ar­ti­fi­ci­al. Pa­ra ele, as gran­des em­pre­sas es­tão que­bran­do a bar­rei­ra so­bre com­par­ti­lha­men­to de da­dos e o con­cei­to de fe­de­ra­ted le­ar­ning é uma das prin­ci­pais ten­dên­ci­as. “Vo­cê pe­ga da­dos de en­ti­da­des di­fe­ren­tes, de players di­fe­ren­tes de mer­ca­do e, a par­tir dis­so, cria uma in­te­li­gên­cia que be­ne­fi­cie a to­dos”, dis­se. Se­gun­do ele, o va­re­jis­ta não per­de a ven­da por­que não vai ter rup­tu­ra. Já a in­dús­tria co­mer­ci­a­li­za mais, além de pre­ci­sar de me­nos es­to­que e me­nos ca­pi­tal imo­bi­li­za­do pa­ra fa­zer a ven­da.

Re­zen­de afir­mou que, até al­guns anos, es­se mo­de­lo de ne­gó­cio era im­pos­sí­vel por­que sem o acom­pa­nha­men­to e a dis­po­ni­bi­li­da­de dos da­dos não era pos­sí­vel calcular di­rei­to o re­tor­no so­bre in­ves­ti­men­to des­se ti­po de ini­ci­a­ti­va. “Ago­ra, os pró­pri­os da­dos que per­mi­tem que es­se ti­po de oti­mi­za­ção se­ja ge­ra­do tam­bém pos­si­bi­li­tam que o im­pac­to na em­pre­sa se­ja me­di­do. Sem dú­vi­da é uma no­va era. Não tem vol­ta.” re­des de va­re­jo ma­nu­fa­tu­ras pro­du­tos ati­vos dis­tri­bui­do­res lo­jas

Fal­tan­do cin­co di­as pa­ra o Cam­pe­o­na­to Mun­di­al de

Mer­gu­lho Li­vre de 2015, o fran­cês Guil­lau­me Néry (fo­to) ten­tou que­brar o re­cor­de mun­di­al em Mer­gu­lho de Pe­so Cons­tan­te

(CWT) du­ran­te um pré-cam­pe­o­na­to no Chi­pre. A mar­ca a atin­gir: 129 me­tros de pro­fun­di­da­de. Mas, por um er­ro gra­ve da or­ga­ni­za­ção, a cor­da guia foi mar­ca­da a 139 me­tros – o equi­va­len­te à al­tu­ra de um pré­dio de 42 an­da­res. Néry des­mai­ou a 15 me­tros da su­per­fí­cie, so­freu uma le­são pul­mo­nar e nun­ca mais par­ti­ci­pou de com­pe­ti­ções. Ho­je ele vi­a­ja o mun­do co­mo em­bai­xa­dor da Pa­ne­rai, mar­ca ita­li­a­na de­cla­ra­da­men­te apai­xo­na­da pe­lo mar, que deu iní­cio à ope­ra­ção de e-commerce no Bra­sil no mês pas­sa­do. Na se­gun­da-fei­ra (18), a gri­fe de re­ló­gi­os lan­çou, em edi­ção es­pe­ci­al, o Lu­mi­nor Ma­ri­na 44m Edi­ção Guil­lau­me Néry (PAM1122), ho­me­na­gem ao he­rói fran­cês e aos 70 anos da cri­a­ção do Lu­mi­nor – ma­te­ri­al pa­ten­te­a­do à ba­se de trí­tio, au­to­lu­mi­no­so, que ga­ran­te bri­lho in­ten­so ao apa­re­lho du­ran­te o mer­gu­lho. É o se­gun­do mo­de­lo lan­ça­do pe­la mar­ca com o no­me do mer­gu­lha­dor. Re­sis­ten­te a até 300 me­tros de pro­fun­di­da­de, o re­ló­gio traz du­as pul­sei­ras — pre­ta, con­fec­ci­o­na­da com ma­te­ri­al PET re­ci­cla­do, e bran­ca, de bor­ra­cha. A cai­xa em al­mo­fa­da, as­si­na­tu­ra da Pa­ne­rai, é pro­du­zi­da com ti­tâ­nio ja­te­a­do, com mos­tra­dor em de­gra­dê. As 70 úni­cas pe­ças da edi­ção têm ga­ran­tia iné­di­ta de 70 anos e são ven­di­das ape­nas nas lo­jas fí­si­cas da mar­ca, por US$ 18,9 mil ca­da.

OU O EQUI­VA­LEN­TE A R$ 20.517.760,00 FOI O VA­LOR PA­GO EM UM LEI­LãO EM PA­RIS NA QUIN­TA-FEI­RA (14) POR UMA PIN­TU­RA DO CARTUNISTA BEL­GA HERGé (1907-1983), ES­TA­BE­LE­CEN­DO NO­VO RE­COR­DE PA­RA A OBRA MAIS CA­RA DE AR­TE EM QUA­DRI­NHOS. NO TRA­BA­LHO, PRO­DU­ZI­DO EM GUACHE EM 1936, O CRI­A­DOR DE AS AVENTURAS DE TINTIN MOS­TRA SEU PER­SO­NA­GEM MAIS FA­MO­SO COM O MASCOTE SNOWY EM FREN­TE à RE­PRE­SEN­TA­çãO DE UM DRA­GãO CHI­NêS.

 ??  ??
 ??  ??
 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil