100 DI­AS DE SO­LI­DÃO

ISTO É - - EDITORIAL - Car­los Jo­sé Mar­ques, di­re­tor edi­to­ri­al

Com o per­dão e a li­cen­ça poé­ti­ca do mag­ní­fi­co Ga­bri­el Gar­cía Már­quez, aqui o enun­ci­a­do é pa­ra clas­si­fi­car es­se lon­go e — aos olhos de to­dos — in­ter­mi­ná­vel in­ter­reg­no. Lá se fo­ram mais de três me­ses e o iso­la­men­to en­cer­ra li­ções que de­vem, pe­lo bem ou pe­lo mal, trans­for­mar a hu­ma­ni­da­de e a ma­nei­ra co­mo vi­ve­mos em so­ci­e­da­de. Em to­das as di­re­ções. Econô­mi­ca, po­lí­ti­ca, de re­la­ções in­ter­pes­so­ais, pro­fis­si­o­nais, de con­du­ta emo­ci­o­nal e de vi­são de mun­do. Nes­ses tem­pos de ab­so­lu­to con­fi­na­men­to pa­ra al­guns, de des­ca­so com as me­di­das pa­ra ou­tros, de ris­cos pa­ra quem não tem qual­quer op­ção que não a de sair, vi­ve­mos o im­pon­de­rá­vel, o me­do do des­co­nhe­ci­do e da mor­te pro­pri­a­men­te di­ta. Di­an­te da ame­a­ça sor­ra­tei­ra as más­ca­ras caí­ram. De di­ver­sos per­so­na­gens. Tal­vez de to­dos. Ha­ters dis­si­mu­la­dos mos­tra­ram a au­tên­ti­ca fa­ce e en­con­tra­ram o am­bi­en­te ide­al pa­ra des­ti­lar o ódio que aca­len­ta­vam. Os des­pro­vi­dos de com­pai­xão as­su­mi­ram co­mo de fa­to não re­ser­vam qual­quer in­te­res­se pe­lo pró­xi­mo. São eles em pri­mei­ro lu­gar. Seus ne­gó­ci­os, sua re­a­li­da­de, a so­bre­vi­vên­cia pes­so­al que im­por­tam. Quan­to aos ou­tros? Que sim­ples­men­te...mor­ram. É da vi­da. “Faz par­te!”, dis­se aque­le lí­der ba­na­nei­ro de ati­tu­des tres­lou­ca­das. Go­ver­nan­tes do fim do mun­do ex­pu­se­ram a ca­ra­pu­ça mais som­bria e abo­mi­ná­vel da au­sên­cia de ca­rá­ter e ca­pa­ci­da­de de li­de­ran­ça. Nes­se ca­so, ne­nhum de­les su­pe­rou em aber­ra­ções e ir­res­pon­sa­bi­li­da­de o man­da­tá­rio bra­si­lei­ro Jair Mes­si­as Bol­so­na­ro, um es­cro­que de mal­da­de e in­to­le­rân­cia que ma­qui­nou afron­tas à se­gu­ran­ça na­ci­o­nal e cri­mes de res­pon­sa­bi­li­da­de em pro­fu­são. Tri­pu­di­ou do drama alheio an­dan­do de jet ski, a ca­va­lo e em aglo­me­ra­ções pro­vo­ca­ti­vas que es­can­da­li­za­ram o mun­do. Ig­no­rou qual­quer ges­to de con­so­lo aos fa­mi­li­a­res des­tro­ça­dos pe­la do­en­ça, en­quan­to su­ge­ria fa­zer um bom chur­ras­co, com três mil par­ti­ci­pan­tes, pa­ra es­que­cer tu­do e zom­bar das res­tri­ções. Van­glo­ri­ou-se da con­di­ção de “atle­ta” que não ce­de a uma “gri­pe­zi­nha”. Foi o in­sen­sí­vel em es­ta­do pu­ro. Nes­ses 100 di­as de so­li­dão, qua­se 60 mil mor­re­ram, mais de um mi­lhão caí­ram de ca­ma vi­ti­ma­dos por uma pan­de­mia im­pla­cá­vel. E is­so ape­nas no Bra­sil, que exi­be recordes im­pen­sá­veis e ver­go­nho­sos — boa par­te de­cor­ren­te da im­pru­dên­cia, ir­res­pon­sa­bi­li­da­de, po­li­ti­ca­gem ta­ca­nha de ges­to­res que não en­ten­dem o au­tên­ti­co sen­ti­do da pa­la­vra go­ver­nar. Bra­si­lei­ros es­tão apren­den­do na mar­ra, e de for­ma do­lo­ri­da, o quan­to cus­ta e o ta­ma­nho do pro­ble­ma que é fa­zer uma es­co­lha elei­to­ral er­ra­da. O con­tem­pla­do, em cir­cuns­tân­ci­as li­mi­te, sai mo­vi­do es­tri­ta­men­te pe­lo pro­pó­si­to da so­bre­vi­da nas ur­nas, abrin­do ca­mi­nhos ide­o­lo­gi­ca­men­te ne­fas­tos e so­ci­al­men­te in­jus­tos. Mes­si­as Bol­so­na­ro, no hi­a­to dos úl­ti­mos 100 di­as, pa­ra além da co­le­ção de pe­ri­pé­ci­as, abu­sos e des­vi­os de con­du­ta, des­de que as­su­miu há mais de um ano, viu seu man­da­to se es­fa­re­lar. Pra­ti­ca­men­te vi­rar pó, di­an­te de tan­tas per­ver­sões. No mo­men­to en­con­tra-se en­vol­to nas in­ves­ti­ga­ções do laranjal do fi­lho ze­ro um, de seus com­par­sas e do es­que­ma de ra­cha­di­nha, que já le­va­ram pa­ra a ca­deia o di­le­to ami­go de 40 anos de re­la­ção, Fa­brí­cio Qu­ei­roz, e co­lo­ca­ram em sus­pei­ção o ad­vo­ga­do da fa­mí­lia, ti­do co­mo um faz tu­do da ca­sa. Aba­ti­do, o pre­si­den­te ain­da es­tá pre­ci­san­do li­dar com acu­sa­ções de ter in­ter­fe­ri­do na Po­lí­cia Fe­de­ral e, su­pre­ma hu­mi­lha­ção, ten­do de de­por pa­ra ex­pli­car o inex­pli­cá­vel. Os em­pre­sá­ri­os ami­gos e po­lí­ti­cos ali­a­dos fo­ram al­vos de ba­ti­das po­li­ci­ais e de ave­ri­gua­ções em inqué­ri­tos que le­van­tam es­que­mas de fi­nan­ci­a­men­to ile­gal de fa­ke news e de mo­bi­li­za­ções an­ti­de­mo­crá­ti­cas de ata­ques aos po­de­res cons­ti­tuí­dos. Pa­ra com­ple­tar, o Pla­nal­to ain­da se en­fro­nha nu­ma mal ex­pli­ca­da ope­ra­ção de fu­ga do ex-mi­nis­tro da Edu­ca­ção Abraham Wein­traub que saiu às pres­sas do Bra­sil, com pas­sa­por­te di­plo­má­ti­co que não po­de­ria usar, pa­ra evi­tar ser pe­go pa­ra jul­ga­men­to no STF. É uma po­ro­ro­ca de maus pres­sá­gi­os que cer­cam Bol­so­na­ro e um go­ver­no que sub­mer­ge, iso­la­do, so­li­tá­rio, há bem mais de 100 di­as. Co­mo tá­bua de sal­va­ção, mis­tu­ra-se ao que exis­te de pi­or na po­lí­ti­ca, o cor­dão de en­ca­la­cra­dos do Cen­trão que pe­de ver­bas e pos­tos em tro­ca de sus­ten­ta­ção. Bol­so­na­ro des­ce ao po­ço e se pen­du­ra na me­di­o­cri­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va. Não quer que se­jam vo­ta­das as re­for­mas, ad­mi­nis­tra­ti­va e tri­bu­tá­ria, pa­ra evi­tar dis­sa­bo­res com elei­to­res. Dis­se is­so de vi­va voz. Ale­gou ser um “des­gas­te mui­to gran­de” o en­ga­ja­men­to nes­sas pau­tas que aju­da­ri­am no de­sen­vol­vi­men­to do País. Ele não es­tá pre­o­cu­pa­do com is­so. É um de­sin­te­res­sa­do das re­for­mas, do com­ba­te à cor­rup­ção, da lu­ta em prol do bem co­mum. Na so­li­dão do po­der, go­ver­na pa­ra ele, pa­ra os seus, pa­ra os apa­ni­gua­dos. A bem mais de 100 di­as é as­sim, em um in­ter­reg­no que não pa­re­ce mes­mo ter fim.

Ma­rio Fri­as é o no­vo se­cre­tá­rio es­pe­ci­al da Cul­tu­ra. Ele é a quin­ta pes­soa a as­su­mir o car­go em de­zoi­to me­ses de go­ver­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.