ADEUS, BOL­SO­NA­RO

ISTO É - - ARTIGOS -

Agra­vi­da­de da cri­se bra­si­lei­ra não pa­re­ce in­co­mo­dar Jair Bol­so­na­ro. Ele con­ti­nua agin­do co­mo se fos­se um de­pu­ta­do do bai­xo cle­ro. Dá até a im­pres­são que não de­se­ja ser Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. A vi­da de par­la­men­tar de­di­ca­do as pau­tas do ex­tre­mis­mo po­lí­ti­co — e, na mai­o­ria das ve­zes, sem qual­quer efei­to prá­ti­co — era mais cô­mo­da. Ago­ra tem de ter uma vi­são de con­jun­to, go­ver­nar pa­ra to­dos os bra­si­lei­ros. E, pi­or, em um mo­men­to mais com­ple­xo da vi­da do país. Es­ta­mos as­sis­tin­do — e aí é qua­se no sen­ti­do de sim­ples­men­te ob­ser­var — a cri­se mais agu­da da his­tó­ria re­pu­bli­ca­na, tan­to no cam­po da saú­de pú­bli­ca, co­mo na eco­no­mia e na sem­pre pre­sen­te ten­são po­lí­ti­coins­ti­tu­ci­o­nal.

O des­pre­pa­ro é evi­den­te. Des­co­nhe­ce ques­tões co­me­zi­nhas da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca. De na­da aju­dou per­ma­ne­cer 28 anos co­mo de­pu­ta­do fe­de­ral e, em te­se, acom­pa­nhar a os gran­des te­mas da po­lí­ti­ca na­ci­o­nal. As­su­miu a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca co­mo se fos­se um de­pu­ta­do fe­de­ral re­e­lei­to, com a mes­ma lin­gua­gem, a mes­ma prá­ti­ca e a mes­ma vi­são de mun­do. O mais ter­rí­vel — pa­ra ele e, prin­ci­pal­men­te, pa­ra o Bra­sil — foi à coin­ci­dên­cia da inép­cia pa­ra o exer­cí­cio de tão al­ta fun­ção com a mais gra­ve cri­se des­de 1889.

Nes­te ce­ná­rio de hor­ro­res, Bol­so­na­ro es­ti­mu­lou nos úl­ti­mos me­ses um con­fron­to per­ma­nen­te com as ins­ti­tui­ções e a Cons­ti­tui­ção. O ten­si­o­na­men­to re­ti­rou o fo­co dos efei­tos da pan­de­mia e de co­mo com­ba­tê-la. O país es­tá sem ru­mo. A reu­nião de 22 de abril, que o Bra­sil to­mou co­nhe­ci­men­to com a di­vul­ga­ção de­ter­mi­na­da pe­lo mi­nis­tro Cel­so de Mel­lo, re­pre­sen­ta bem o es­ti­lo ad­mi­nis­tra­ti­vo de Bol­so­na­ro. É o ca­os co­mo mé­to­do de go­ver­no. E pa­ra agra­var ain­da mais es­te cal­dei­rão de tur­bu­lên­ci­as, a pri­são do seu ami­go — de mais de trin­ta anos — e au­xi­li­ar — um es­pé­cie de faz-tu­do, li­te­ral­men­te fa­lan­do —, Fa­brí­cio Qu­ei­roz, trans­for­mou o co­ti­di­a­no do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca em um con­tí­nuo tra­ba­lho de bus­car ar­ti­fí­ci­os ju­rí­di­cos pa­ra evi­tar, além do im­pe­a­ch­ment, uma pos­sí­vel

Se­gun­do as in­ves­ti­ga­ções no ca­so Qu­ei­roz, o Bra­sil po­de ter seu pre­si­den­te en­vol­vi­do com o cri­me or­ga­ni­za­do

pri­são por de­li­tos gra­vís­si­mos co­me­ti­dos nas re­la­ções pe­ri­go­sas — não as do li­vro de Cho­der­los de La­clos — com as mi­lí­ci­as ca­ri­o­cas, sem­pre de acor­do com as in­ves­ti­ga­ções prin­ci­pal­men­te do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Rio de Ja­nei­ro.

Se a ima­gem ex­ter­na do Bra­sil já es­ta­va ar­ra­nha­da, os úl­ti­mos acon­te­ci­men­tos apre­sen­ta­ram ao mun­do um país que, além de agir pes­si­ma­men­te em re­la­ção à pan­de­mia, ao meio am­bi­en­te e aos di­rei­tos hu­ma­nos, tem na Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca um ci­da­dão en­vol­vi­do, se­gun­do as de­nún­ci­as, com o cri­me or­ga­ni­za­do.

BETTY FA­RIA,

AN­GE­LA MER­KEL, pri­mei­ra-mi­nis­tra da Ale­ma­nha, pres­tes a pre­si­dir a União Eu­ro­peia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.