DEI­XA PA­RA AMA­NHã

ISTO É - - COMPORTAME­NTO/FUTURO -

olho no olho com o elei­tor te­ve que mu­dar de da­ta: o plei­to ori­gi­nal­men­te mar­ca­do pa­ra 4 de ou­tu­bro foi adi­a­do em um mês, Até mes­mo o ré­veil­lon na praia de Co­pa­ca­ba­na no Rio de Ja­nei­ro, po­de ser can­ce­la­do por cau­sa da pan­de­mia.

As au­to­ri­da­des im­pu­se­ram, já no ini­cio da qu­a­ren­te­na, em mar­ço, mu­dan­ças que evi­tas­sem even­tos com gran­des aglo­me­ra­ções. As es­co­las, em ge­ral, on­de a pro­li­fe­ra­ção da Co­vid -19 se­ria in­con­tro­lá­vel se as au­las ti­ves­sem si­do man­ti­das, es­tão fe­cha­das há três me­ses. Em São Pau­lo, a pre­vi­são de re­tor­no se­rá gra­du­al ini­ci­an­do em se­tem­bro. Tam­bém na ca­pi­tal pau­lis­ta­na, o pre­fei­to Bru­no Co­vas e os ve­re­a­do­res an­te­ci­pa­ram al­guns fe­ri­a­dos, com a fi­na­li­da­de de dei­xar as pes­so­as em ca­sa e re­du­zir a cir­cu­la­ção, o que, con­se­quen­te­men­te, dei­xou as da­tas comemorati­vas des­ca­rac­te­ri­za­das, mas com mais se­gu­ran­ça pa­ra a saú­de das pes­so­as.

Um dos prin­ci­pais even­tos de en­tre­te­ni­men­to, a Vi­ra­da Cul­tu­ral, que se de­sen­vol­ve por to­da a ci­da­de de São Pau­lo, con­ta com a par­ti­ci­pa­ção de cin­co mi­lhões de pes­so­as, ge­ran­do uma re­cei­ta de R$ 235 mi­lhões e, tal­vez, se­ja re­a­li­za­da no fi­nal de se­tem­bro. Se­gun­do Ga­bri­e­la Fon­ta­na, co­or­de­na­do­ra de pro­gra­ma­ção da pre­fei­tu­ra pau­lis­ta­na, o de­sa­fio pa­ra a ges­tão da pas­ta da Cul­tu­ra mu­ni­ci­pal é en­con­trar ou­tras

for­mas de che­gar até as pes­so­as. “Va­mos pro­por­ci­o­nar con­teú­do ar­tís­ti­co sem ge­rar aglo­me­ra­ção”, diz. A in­ten­ção de res­pei­tar os pro­to­co­los de saú­de cri­a­dos pa­ra que as pes­so­as não fi­quem ex­pos­tas, “os ar­tis­tas po­dem per­for­mar em pal­cos mó­veis e o pes­so­al acom­pa­nhar das ja­ne­las, por exem­plo”, con­tou. Os es­tu­dos pa­ra a re­a­li­za­ção dos even­tos de rua tam­bém se ba­sei­am nas ma­ni­fes­ta­ções in­ter­na­ci­o­nais, co­mo o fes­ti­val de mú­si­ca, em Pa­ris. “Nós acom­pa­nha­mos o que es­tá sen­do fei­to na Eu­ro­pa, com me­nos gen­te”, diz Fon­ta­na. No ca­so da Pa­ra­da do Or­gu­lho LGBT, uma das mai­o­res ma­ni­fes­ta­ções po­pu­la­res de rua do mun­do, que ini­ci­al­men­te se re­a­li­za­ria em 14 de junho, aca­bou mi­gran­do pa­ra in­ter­net na for­ma de múltiplas li­ves e seu for­ma­to pre­sen­ci­al de­ve ser re­a­li­za­do em no­vem­bro.

Na es­fe­ra es­por­ti­va, o fu­te­bol é o car­ro che­fe, cor­res­pon­den­do a 0,72% do PIB na­ci­o­nal, al­go em tor­no de R$ 52 bi­lhões ao ano. Ape­sar de al­gu­mas ini­ci­a­ti­vas de re­tor­no às ati­vi­da­des na Eu­ro­pa, es­pe­ci­al­men­te na Ale­ma­nha, no Bra­sil não há pre­vi­são de vol­tar­mos a ou­vir os cân­ti­cos das tor­ci­das, se­ja em es­tá­di­os ou em gi­ná­si­os. Pa­ra Ro­dolpho Luiz, pro­fes­sor na Es­co­la de Pro­pa­gan­da e Mar­ke­ting, o que os clu­bes e em­pre­sas de­vem bus­car é o diá­lo­go nes­se mo­men­to de cri­se. “De­ve­mos ne­go­ci­ar me­lhor os pa­tro­cí­ni­os, au­men­tar a ex­po­si­ção das mar­cas na in­ter­net, por exem­plo, pois as mar­cas con­ti­nu­am for­tes”, diz.

IM­PAC­TO NOS EVEN­TOS

Além dis­so, as fei­ras e ex­po­si­ções ti­ve­ram su­as agen­das re­mar­ca­das, a exem­plo da Co­mic Con, even­to de tec­no­lo­gia, que mo­vi­men­ta R$ 265 mi­lhões e que acon­te­ce em São Pau­lo. Ela foi re­mar­ca­da de abril pa­ra a pri­mei­ra se­ma­na de de­zem­bro. No ce­ná­rio in­ter­na­ci­o­nal, a cú­pu­la do BRICS ha­via si­do pla­ne­ja­da de 21 a 23 de ju­lho, em São Pe­ters­bur­go, na Rús­sia, mas o even­to foi adi­a­do e ain­da não há uma da­ta de­fi­ni­da. As reu­niões dos lí­de­res de ca­da país que com­põe o gru­po são im­por­tan­tes pa­ra de­fi­nir es­tra­té­gi­as ge­o­po­lí­ti­cas em vá­ri­os se­to­res de co­o­pe­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal. O que to­dos es­pe­ram é que a Co­vid-19 ar­re­fe­ça e os even­tos pos­sam acon­te­cer.

“Es­ta­mos em uma si­tu­a­ção di­fe­ren­te de­vi­do à pan­de­mia, que re­quer cri­a­ti­vi­da­de. Te­mos que res­pei­tar os pro­to­co­los sa­ni­tá­ri­os e não dei­xar a ro­da da eco­no­mia pa­rar”

Ai­nau­gu­ra­ção em Mi­a­mi de uma pop-up store em um shop­ping cau­sou al­vo­ro­ço no mun­do re­al e vir­tu­al. Não é pa­ra me­nos: a ca­sa ofe­re­ce pro­du­tos vol­ta­dos pa­ra pro­te­ção con­tra o co­ro­na­ví­rus. A lo­ja tem­po­rá­ria mos­trou que a má­xi­ma de que uma cri­se po­de ori­gi­nar pro­ble­mas, mas tam­bém opor­tu­ni­da­des se ma­te­ri­a­li­zou. Nas vi­tri­nes da Co­vid-19 Es­sen­ti­als exi­bem-se itens vi­tais co­mo más­ca­ras, es­te­ri­li­za­do­res e hi­gi­e­ni­za­do­res de to­dos os ti­pos. Na por­ta, o con­tro­le de quem en­tra é fei­to por um equi­pa­men­to que es­ca­neia a pes­soa e de­tec­ta qual­quer al­te­ra­ção da tem­pe­ra­tu­ra. Um dos res­pon­sá­veis pe­lo co­mér­cio, Na­dav Be­ni­metzky, afir­mou a um ca­nal de te­vê que “a de­man­da es­ta­va evi­den­te” e que ele so­men­te apro­vei­tou.

DAS AR­TES MAR­CI­AIS PA­RA A CO­ZI­NHA

Co­muns em da­tas comemorati­vas já tra­di­ci­o­nais, a exem­plo do Na­tal ou do hal­lowe­en, os ne­gó­ci­os tem­po­rá­ri­os vi­e­ram ago­ra co­mo sal­va­ção pa­ra mui­tos pro­fis­si­o­nais e co­mer­ci­an­tes que vi­ram as su­as ati­vi­da­des pa­ra­li­sa­das de­vi­do à pan­de­mia. En­tão, pa­ra so­bre­vi­ver, usam a ca­be­ça, mu­dam de ra­mo e se ade­quam às no­vas si­tu­a­ções. Foi o que acon­te­ceu com o ca­be­lei­rei­ro Fer­nan­do Ar­la­ti, que aos 50 anos de ida­de e 20 de pro­fis­são, aca­bou sem tra­ba­lho do dia pa­ra a noi­te. De­ses­pe­ra­do, ele aca­bou lan­çan­do mão do li­vro de re­cei­tas de sua avó e cri­ou um ne­gó­cio de cal­dos e pães, di­vul­ga­do am­pla­men­te en­tre su­as cli­en­tes pe­las re­des so­ci­ais. “Pen­sei até em aten­der a do­mi­ci­lio, mas as pes­so­as es­ta­vam com me­do e aí não ti­nha ou­tra al­ter­na­ti­va”, diz Ar­la­ti.

Não é di­fe­ren­te a his­tó­ria de Car­los Fer­ra­ri. Do­no em São Pau­lo de uma aca­de­mia de lu­tas mar­ci­ais e com dois fi­lhos pa­ra sus­ten­tar, ele fi­cou re­pen­ti­na­men­te nas trai­ço­ei­ras mãos do no­vo co­ro­na­ví­rus. Mais as­sus­ta­dor ain­da, a ele e a to­dos em idên­ti­ca si­tu­a­ção, foi o fa­to de não ha­ver pre­vi­são pa­ra a re­a­ber­tu­ra do co­mér­cio no iní­cio da qu­a­ren­te­na. As­sim, já no se­gun­do mês, Fer­ra­ri en­trou de cor­po e al­ma na co­zi­nha e co­me­çou a fa­zer pas­teis de for­no, cus­cuz e ou­tros di­ver­sos ti­pos de co­mi­da. Su­pe­ra­das as di­fi­cul­da­des ini­ci­ais, o no­vo ne­gó­cio co­me­ça a se mos­trar bas­tan­te pro­mis­sor, tor­nan­do-se uma gran­de opor­tu­ni­da­de pa­ra ele — que já pen­sa até em con­ti­nu­ar com as re­cei­tas após a pan­de­mia: “o que co­me­çou no im­pro­vi­so vi­rou uma das ba­ses do or­ça­men­to da ca­sa”.

De pou­co usa­das a ar­ti­go es­sen­ci­al: ago­ra, as más­ca­ras com­põem o ves­tuá­rio

O Glo­bo de Ou­ro, even­to ci­ne­ma­to­grá­fi­co que an­te­ce­de a prin­ci­pal pre­mi­a­ção, o Os­car, te­ve sua da­ta de re­a­li­za­ção al­te­ra­da de 5 de ja­nei­ro pa­ra 28 de fe­ve­rei­ro de 2021 Já o Os­car fi­cou de 28 de fe­ve­rei­ro pa­ra 25 de abril de 2021 Lol­la­pa­lo­o­za Bra­sil es­ta­va agen­da­do pa­ra 3,4 e 5 de abril e mu­dou pa­ra 4, 5 e 6 de de­zem­bro de 2020. O lo­cal per­ma­ne­ce o mes­mo, no Au­tó­dro­mo de In­ter­la­gos, em São Pau­lo Co­mic Com Bra­sil — de­ve­ria ter si­do re­a­li­za­da de 13 a 16 de abril, mas foi trans­fe­ri­da pa­ra o mês de de­zem­bro, nos di­as 3 e 6 A pa­ra­da do Or­gu­lho LGBT que acon­te­ce to­dos os anos na ave­ni­da Pau­lis­ta em 14 de junho. Iria pa­ra 22 de no­vem­bro, mas aca­bou acon­te­cen­do de for­ma di­fe­ren­te, no on­li­ne na da­ta ori­gi­nal Em 16 de mar­ço o cam­pe­o­na­to pau­lis­ta de fu­te­bol foi pa­ra­li­sa­do por tem­po in­de­ter­mi­na­do, as­sim co­mo os ou­tros tor­nei­os es­por­ti­vos pe­lo País

EM AL­TA

POR­TAS ABER­TAS Shop­ping em Mi­a­mi: lu­cro com a pre­ven­ção da do­en­ça e apa­ra­to tec­no­ló­gi­co pa­ra evi­tar o con­tá­gio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.