ISTO É - - CULTURA -

Ho­je, ama­nhã e on­tem tam­bém/ As flo­res es­tão mor­ren­do/Co­mo acon­te­ce com to­das as coi­sas”. A fra­se trágica e be­la mar­ca a aber­tu­ra de “Rough and Rowdy Ways”, no­vo ál­bum de Bob Dy­lan e o pri­mei­ro de can­ções iné­di­tas des­de “Tem­pest”, de 2012. É tam­bém sua pri­mei­ra co­le­ção de ver­sos após ter re­ce­bi­do o prê­mio No­bel de Li­te­ra­tu­ra, em 2016. Ver­sos ou le­tras? Des­de seu pri­mei­ro ál­bum, em 1962, Dy­lan sem­pre foi mui­to mais po­e­ta do que mú­si­co. A mú­si­ca é, na ver­da­de, um veí­cu­lo pa­ra dis­se­mi­nar su­as idei­as e men­sa­gens po­de­ro­sas.

“Eu sou um ho­mem de con­tra­di­ções / Eu sou um ho­mem de mui­tos hu­mo­res / Eu con­te­nho mul­ti­dões”, can­ta um dos “vá­ri­os Dy­lans”, ci­tan­do o es­cri­tor ame­ri­ca­no Walt Whit­man. Aos 79 anos, o ar­tis­ta faz uma pro­fun­da re­fle­xão so­bre a vi­da e a mor­te. En­tre os mú­si­cos, é o mai­or de to­dos os po­e­tas. Emo­ci­o­nal­men­te, po­rém, pa­re­ce pre­so a uma épo­ca es­pe­cí­fi­ca do pas­sa­do.

A mai­or pro­va dis­so é

“Mur­der Most Foul”, épi­co de 17 mi­nu­tos em que nar­ra o dia em que o pre­si­den­te John F. Ken­nedy foi as­sas­si­na­do.

Por que vol­tar ho­je a 22 de no­vem­bro de 1963? Dy­lan es­tá lon­ge de ser um ali­e­na­do, co­mo pro­va en­tre­vis­ta re­cen­te ao “The New York Ti­mes” em que co­men­ta no­tí­ci­as atu­ais, in­clu­si­ve o as­sas­si­na­to de Ge­or­ge Floyd. Mas seu co­ra­ção pa­re­ce di­vi­di­do en­tre dois tem­pos: o exis­ten­ci­al, on­de a re­a­li­da­de o pre­pa­ra pa­ra a pro­xi­mi­da­de da mor­te; e o ar­tís­ti­co, em que ain­da cur­te a nos­tal­gia dos anos 1960. É sur­pre­en­den­te, mas es­sa é pri­mei­ra vez em que Dy­lan che­ga ao to­po das pa­ra­das nos EUA. Até por­que, mu­si­cal­men­te, “Rough and Rowdy Ways” não traz no­vi­da­des: mui­tas ba­la­das, al­guns blu­es e rocks. Em “Mother of Mu­ses”, Dy­lan can­ta “eu já vi­vi mui­to além da mi­nha vi­da”. De jei­to ne­nhum: mes­mo com su­as cor­das vo­cais ca­da vez mais rou­cas, Dy­lan ain­da é a voz mais im­por­tan­te do rock.

O can­tor e com­po­si­tor Wil­son Si­mo­ni­nha lan­ça no­va ver­são de

clás­si­co de 1968 eter­ni­za­do por seu pai, Wil­son Si­mo­nal. A re­lei­tu­ra é uma ho­me­na­gem aos 20 anos da mor­te de Si­mo­nal e con­ta com o pi­a­no de An­to­nio Adol­fo, que to­cou em sua ban­da nos anos 1970.

NOS­TAL­GIA Dy­lan e sua má­qui­na do tem­po: le­tras tra­zem re­fe­rên­ci­as a epi­só­di­os dos anos 1960

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.