OS ESCÂNDALOS DE ES­TI­MA­ÇÃO

ISTO É - - ÚLTIMA PALAVRA -

Agen­te es­tá tão acos­tu­ma­do a ser rou­ba­do, en­ga­na­do, lu­di­bri­a­do pe­los po­lí­ti­cos que ele­ge­mos que, tal­vez pa­ra não pas­sar ates­ta­do de otá­rio, sem­pre que acon­te­ce um es­cân­da­lo, ra­pi­da­men­te da­mos um ape­li­do ca­ri­nho­so.

São no­mes sem­pre no au­men­ta­ti­vo ou no di­mi­nu­ti­vo, pa­ra cri­ar rá­pi­da em­pa­tia, co­mo se fos­se, sei lá, um po­o­dle.

“Men­sa­lão”, por exem­plo.

Olha que gra­ça.

O ape­li­do re­du­zia a im­por­tân­cia do cri­me a um qua­se na­da. Cri­me? Que cri­me?! Ima­gi­ne... era só um men­sa­lão­zi­nho de na­da.

Mui­to me­nos gra­ve do que o pri­mei­ro es­ca­lão de uma pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca cor­rup­ta pe­gar di­nhei­ro de em­pre­sá­ri­os cor­rup­tos pa­ra pa­gar a mem­bros do Con­gres­so Na­ci­o­nal cor­rup­tos.

Era só uma me­sa­di­nha... um es­ti­mu­lo. Na­da mais do que is­so. Aliás, o pró­prio no­me, “Men­sa­lão”, era óti­mo por­que ao mes­mo tem­po em que ali­vi­a­va a gra­vi­da­de do cri­me, nos aju­dou a, in­cons­ci­en­te­men­te, acei­tar que fos­se um cri­me re­cor­ren­te, que se re­pe­tia to­dos os me­ses.

Um gê­nio quem in­ven­tou.

E pron­to. En­go­li­mos sor­rin­do o que não acei­ta­ría­mos ja­mais em nos­sas vi­das.

Ima­gi­ne que o su­jei­to que cor­ta o quei­jo na pa­da­ria, fos­se ao cai­xa to­dos os me­ses e pe­gas­se um ma­ço de di­nhei­ro.

Fla­gra­do, di­ria:

– Cal­ma gen­te! Não es­tou rou­ban­do! Is­so é só o Men­sa­lão que a gen­te pe­ga to­do mês.

– Ah tá. En­tão tá.

E se­gue o en­ter­ro.

En­quan­to gas­tá­va­mos for­tu­nas em re­cur­sos e pes­so­al pa­ra in­ves­ti­gar o Men­sa­lão, nos­sos po­lí­ti­cos já se apres­sa­ram pa­ra cri­ar ou­tro amor de es­cân­da­lo.

– É as­sim, pre­si­den­te, a gen­te vai su­per­fa­tu­rar obras da Pe­tro­bras e re­pas­sar o di­nhei­ro que so­brar pro pes­so­al que tá sen­tin­do fal­ta do Men­sa­lão, en­ten­de?

– E se des­co­bri­rem?

– Qu­an­do des­co­bri­rem, a gen­te dá um no­me ba­ca­na. – Cha­ma­mos de que? - o pre­si­den­te per­gun­ta, pre­o­cu­pa­do com o que re­al­men­te im­por­ta.

– Que tal Pe­tro­li­nho? - su­ge­re um as­ses­sor.

– Acho fo­fo. - res­pon­de o man­da­tá­rio.

De­pois de al­gu­ma dis­cus­são fe­cha­ram em “Pe­tro­lão”, por­que o di­mi­nu­ti­vo po­de­ria ofen­der os di­re­to­res de al­gu­ma em­prei­tei­ra. E as­sim foi.

Ago­ra es­ta­mos tes­te­mu­nhan­do a gê­ne­se de mais um es­cân­da­lo mei­go.

E mais uma vez, es­ta­mos to­dos qui­e­ti­nhos, as­sis­tin­do co­mo­vi­dos.

É mais ou me­nos as­sim co­mo se vo­cê, lei­tor, fos­se um al­to fun­ci­o­ná­rio de uma em­pre­sa, tal­vez um en­ge­nhei­ro, ou um ad­vo­ga­do.

Vo­cê es­tu­dou mui­tos anos pa­ra o car­go im­por­tan­te que ocu­pa. A em­pre­sa mon­ta uma equi­pe pa­ra tra­ba­lhar sob seu co­man­do.

Pro­fis­si­o­nais que vão au­xi­liá-lo a en­tre­gar um tra­ba­lho ain­da mais com­pe­ten­te.

En­tão vo­cê faz um acor­do com sua equi­pe.

– To­do mês, qu­an­do vo­cês re­ce­be­rem o sa­lá­rio, uma par­te vo­cês de­po­si­tam aqui na con­ta do Ge­ni­val e ele re­pas­sa pa­ra mi­nha con­ta, com­bi­na­do?

– Mas, che­fe, co­mo as­sim? Is­so não é rou­bo?

– Rou­bo?! Tá doi­do? Cla­ro que não! Is­so é “Ra­cha­di­nha”!

– Ah tá. En­tão tá.

Só que, no ca­so atu­al, o Ra­cha­dei­ro não é vo­cê ou eu. As in­ves­ti­ga­ções, que ain­da es­tão em cur­so in­di­cam que o res­pon­sá­vel po­de ser o fi­lho do pre­si­den­te.

Ora, ora, que sur­pre­sa.

Mais um go­ver­no, mais um es­can­da­lo­zi­nho.

A re­cei­ta é tão efi­ci­en­te, que fi­co aqui pen­san­do se o Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça não de­ve­ria mu­dar o no­me de to­dos os cri­mes lo­go de uma vez...

As­sas­si­na­to po­de­ria ser re­ba­ti­za­do de “Pas­sa­dão”, se­ques­tro de “Su­mi­ci­nho” e assalto a ban­co, quem sa­be, de “Re­pos­si­nha”.

To­dos fe­li­zes, vi­ve­ría­mos num país on­de o afe­to ao cri­me não se li­mi­ta­ria ape­nas aos po­lí­ti­cos.

E a Jus­ti­ça, de­sobs­truí­da, po­de­ria cui­dar de coi­sas que re­al­men­te im­por­tam.

Im­pe­a­ch­ment, por exem­plo.

Men­tor Ne­to é es­cri­tor e cro­nis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.