“OS RE­GI­MES TOTALITÁRI­OS NUN­CA APOIARAM AS AR­TES”

MAITÊ PRO­EN­ÇA Atriz

ISTO É - - ENTREVISTA / MAITÊ PROENÇA - Por An­na Fran­ça

Qua­se sem que­rer ela aca­bou se tor­nan­do um dos pivôs da saí­da de Re­gi­na Du­ar­te da Se­cre­ta­ria Es­pe­ci­al da Cul­tu­ra. Ao gra­var um ví­deo, a pe­di­do do ca­nal de te­le­vi­são CNN, e ques­ti­o­nar a co­le­ga, pe­din­do que ou­vis­se o plei­to de sua ca­te­go­ria, pro­vo­cou uma cri­se his­té­ri­ca em Re­gi­na que aca­bou vi­ra­li­zan­do pe­la In­ter­net e pro­vo­can­do as mais va­ri­a­das re­a­ções, in­clu­si­ve do go­ver­no. Mas não é de ho­je que Maitê Pro­en­ça, 62 anos, cha­ma aten­ção pe­lo seu po­si­ci­o­na­men­to po­lí­ti­co e sua for­ça fe­mi­ni­na que, aliás, co­me­çam a trans­for­mar a atriz e es­cri­to­ra em uma “di­gi­tal influencer”. Di­an­te do iso­la­men­to exi­gi­do pe­la pan­de­mia, ela vem en­con­tran­do na in­ter­net o es­pa­ço pa­ra fa­lar so­bre o que pen­sa, ci­tar mu­lhe­res for­tes de vá­ri­as par­tes do mun­do e até dar di­cas de be­le­za, cla­ro. Em en­tre­vis­ta ex­clu­si­va à ISTOÉ ela fa­la não só so­bre o iso­la­men­to e to­das as li­mi­ta­ções que ele pro­vo­ca, mas tam­bém de po­lí­ti­ca, cul­tu­ra, be­le­za, en­ve­lhe­ci­men­to e do mo­men­to es­pe­ci­al que vi­ve, com o anún­cio da pri­mei­ra gra­vi­dez de sua úni­ca fi­lha. So­bre a cul­tu­ra, Maitê é in­ci­si­va. “Nos­sa ar­te é di­ver­sa, plu­ral, mis­ci­ge­na­da e in­de­pen­den­te”, afir­mou. “E as ar­tes re­pu­di­am ve­e­men­te­men­te a re­pres­são dos re­gi­mes au­to­ri­tá­ri­os”.

Co­mo vo­cê viu a pas­sa­gem de Re­gi­na Du­ar­te pe­la Se­cre­ta­ria Es­pe­ci­al de Cul­tu­ra?

Fal­tou diá­lo­go com os ar­tis­tas. Co­mo o go­ver­no não ti­nha in­te­res­se na­que­la pas­ta de­ram a ela um car­go de­co­ra­ti­vo. De­ve ter si­do qua­se im­pos­sí­vel me­xer na es­tru­tu­ra di­vi­di­da que ela re­ce­beu. Qu­an­do a Cul­tu­ra vi­rou Se­cre­ta­ria, os as­sun­tos que es­ta­vam sob um só ór­gão, fo­ram lo­te­a­dos en­tre o Mi­nis­té­rio da Ci­da­da­nia e o do Tu­ris­mo. Os dois mi­nis­té­ri­os, sa­be­do­res de que cul­tu­ra não era pri­o­ri­da­de, não se co­mu­ni­ca­vam. Por is­so mes­mo, Re­gi­na de­ve­ria ter pe­di­do aju­da à clas­se pa­ra, ao me­nos, de­se­nhar uma po­lí­ti­ca pa­ra o se­tor, e pa­ra que nós a aju­dás­se­mos a co­lo­car es­sa ideia em prá­ti­ca, so­bre­tu­do num mo­men­to em que há 5 mi­lhões de tra­ba­lha­do­res das ar­tes de­sem­pre­ga­dos.

Vo­cê se sen­te um pivô da saí­da de­la do go­ver­no, após o ví­deo na CNN?

Não sei, mas não tem im­por­tân­cia, por­que na re­a­li­da­de ela deu vá­ri­os ti­ros no pró­prio pé. De­pois das gra­ves afir­ma­ções e da can­to­ria ocor­ri­dos na­que­la mes­ma en­tre­vis­ta, não da­va pra Re­gi­na per­ma­ne­cer co­mo re­pre­sen­tan­te da cul­tu­ra de nos­so país. Nos­sa ar­te é di­ver­sa, plu­ral, mis­ci­ge­na­da, e in­de­pen­den­te. E as ar­tes re­pu­di­am ve­e­men­te­men­te a re­pres­são dos re­gi­mes au­to­ri­tá­ri­os.

A ex-se­cre­tá­ria pu­bli­cou um ví­deo pres­tan­do con­tas. Vo­cê acha que ela con­se­guiu fa­zer al­go nes­tes três me­ses em que es­te­ve lá?

Ela con­se­guiu que o Mi­nis­té­rio da Ci­da­da­nia trans­fe­ris­se pa­ra o do Tu­ris­mo (sob o qual fi­ca a Se­cre­ta­ria da Cul­tu­ra) tu­do que es­ta­va im­pos­si­bi­li­tan­do o an­da­men­to de vá­ri­os trâ­mi­tes im­por­tan­tes, co­mo o do Fun­do Se­to­ri­al do Au­di­o­vi­su­al. E is­so é bas­tan­te coi­sa!

Co­mo vo­cê vê o fu­tu­ro da cul­tu­ra?

Va­mos ter que es­pe­rar pas­sar es­se di­lú­vio pra que nas­çam no­vas for­mas pos­sí­veis em tem­pos de dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al. Mas a cul­tu­ra sem­pre re­sis­te. É atra­vés das ar­tes que o po­vo de um país se re­co­nhe­ce e que o mun­do nos per­ce­be co­mo na­ção. O Bra­sil é co­nhe­ci­do pe­lo Car­na­val, pe­lo ci­ne­ma pe­la MPB, pe­las no­ve­las, e não pe­la so­ja trans­gê­ni­ca, ou pe­lo boi do agro­ne­gó­cio. As ar­tes são a nos­sa iden­ti­da­de e or­gu­lho.

O que acha da fal­ta de apoio des­se go­ver­no à Cul­tu­ra?

Os re­gi­mes totalitári­os nun­ca apoiaram as ar­tes por­que es­tas flo­res­cem na li­ber­da­de. E sis­te­mas co­mo o nos­so atu­al — que vem mos­tran­do pe­ri­go­sa­men­te a que veio — pre­ci­sam da fal­si­da­de e es­cu­ri­dão.

Vo­cê acha que al­guém con­se­gui­ria fa­zer al­go pe­la cul­tu­ra no go­ver­no Bol­so­na­ro?

Di­fi­cil­men­te se­ria con­vi­da­do pa­ra o car­go uma pes­soa por ci­ma de quem o go­ver­no não pu­des­se sa­pa­te­ar. E se, por má­gi­ca ou de­sin­for­ma­ção (mais pro­vá­vel no ca­so), acon­te­ces­se de cha­ma­rem uma per­so­na­li­da­de mui­to res­pei­tá­vel co­mo um Ca­cá Di­e­gues ou a Fer­nan­do­na (Fer­nan­da Mon­te­ne­gro), gen­te des­se nai­pe não acei­ta­ria. En­tão, pa­ra res­pon­der, não.

Na sua opi­nião, o no­vo se­cre­tá­rio, Ma­rio Fri­as, po­de aju­dar a me­lho­rar a cul­tu­ra de al­gu­ma ma­nei­ra?

As pes­so­as usam o fa­to de ele ser um ator da sé­rie Ma­lha­ção pa­ra des­me­re­cê-lo. É pre­con­cei­to e to­li­ce. O que me afli­ge é ten­tar en­ten­der por­que al­guém acei­ta um aba­ca­xi des­ses sa­ben­do que não po­de­rá ser útil? Ou ele tem um co­e­lho de pe­los dou­ra­dos na car­to­la pra dri­blar o de­sin­te­res­se do go­ver­no ou tem um pro­je­to pes­so­al de po­der. Pe­lo bem da cul­tu­ra, es­pe­ro que se­ja o co­e­lho!

Além da cul­tu­ra, co­mo vê o fu­tu­ro da edu­ca­ção e da saú­de, áre­as cru­ci­ais que es­tão aban­do­na­das e sem mi­nis­tro de­fi­ni­do?

Não há in­te­res­se do go­ver­no nas ques­tões mais re­le­van­tes pa­ra o bem es­tar do ci­da­dão: saú­de, edu­ca­ção, cul­tu­ra e meio am­bi­en­te. A edu­ca­ção já não era pri­o­ri­da­de nos go­ver­nos an­te­ri­o­res, mas o que se per­ce­be ago­ra é um pla­no in­ten­ci­o­nal de pa­ra­li­sa­ção dos se­to­res con­si­de­ra­dos ir­re­le­van­tes.

Co­mo vê o au­men­to da pre­sen­ça das For­ças Ar­ma­das nos mi­nis­té­ri­os?

Ve­jo co­mo to­da a pes­soa de bom sen­so: es­tou per­ple­xa. Não ha­via na so­ci­e­da­de ci­vil pes­so­as com qua­li­da­des téc­ni­cas pa­ra pre­en­cher es­sas fun­ções?

Acha que a pri­são de Fa­brí­cio Qu­ei­roz, bra­ço di­rei­to da fa­mí­lia Bol­so­na­ro, vai aba­lar o go­ver­no?

“Ser avó, pa­ra mim, aca­bou vin­do num pa­co­te de três, por­que o ma­ri­do de mi­nha fi­lha Ma­ria já ti­nha dois fi­lhos pe­que­nos. Mas tem si­do uma ale­gria sem fim!”

In­fe­liz­men­te nem o Qu­ei­roz nem o ad­vo­ga­do Fre­de­rick Was­sef têm na­da a ga­nhar abrin­do o bi­co. As mi­lí­ci­as não cos­tu­mam per­do­ar de­la­ções.

Vo­cê che­gou a ser lem­bra­da pa­ra uma va­ga no Mi­nis­té­rio do Meio Am­bi­en­te. Se ti­ves­se si­do con­vi­da­da, acei­ta­ria?

Não te­ria acon­te­ci­do por­que eu nun­ca fui pró-Bol­so­na­ro. Quem con­si­de­rou o meu no­me foi um gru­po de ci­en­tis­tas e am­bi­en­ta­lis­tas. O go­ver­no em­pos­sa­do en­xer­ga­va os eco­lo­gis­tas co­mo uma gen­te de es­quer­da que es­ta­va ali pra atra­sar o pro­gres­so. Pre­ci­sá­va­mos ga­nhar tem­po, mos­trar que tal­vez não fos­se ne­ces­sá­rio ter um am­bi­en­ta­lis­ta de pro­fis­são, mas quem sa­be, al­guém li­ga­do à área, sem ser da área. Es­ta era a ideia. O gru­po ten­ta­va evi­tar que fos­se in­di­ca­do um ini­mi­go do meio-am­bi­en­te, co­mo de fa­to acon­te­ceu.

Pre­o­cu­pa­da com o meio am­bi­en­te, co­mo viu a fa­la do mi­nis­tro pa­ra mu­dan­ça da le­gis­la­ção “dei­xan­do pas­sar a boi­a­da” e fa­ci­li­tan­do o des­ma­ta­men­to?

Um des­pau­té­rio, não me­re­ce ser co­men­ta­do. Até nos go­ver­nos an­te­ri­o­res ti­ve­mos no Mi­nis­té­rio do Meio Am­bi­en­te gen­te qua­li­fi­ca­da, que tra­ba­lha­va pe­las flo­res­tas, pe­lo cli­ma, pe­los ma­res, pe­las águas dos ri­os, pe­la saú­de dos bi­o­mas bra­si­lei­ros. Es­te demô­nio tra­ba­lha con­tra.

Seu ex-ma­ri­do, Pau­lo Ma­ri­nho, fez uma de­nún­cia im­por­tan­te so­bre o fi­lho de Jair Bol­so­na­ro e a in­ter­fe­rên­cia na Po­lí­cia Fe­de­ral. O que achou dis­so?

Re­la­ci­o­nei-me com Pau­lo há 30 anos. Se ele tem ma­te­ri­al que com­pro­me­te a ido­nei­da­de de Bol­so­na­ro e seus fi­lhos de­ve apre­sen­tá-lo. As­sim co­mo se­ria es­te o de­ver de qual­quer ou­tro ci­da­dão.

Além da cri­se po­lí­ti­ca, es­ta­mos en­fren­tan­do a ques­tão sa­ni­tá­ria e a cul­tu­ra pa­re­ce que se­rá for­te­men­te atin­gi­da, sen­do uma das úl­ti­mas ca­te­go­ri­as a vol­tar. Co­mo a cul­tu­ra so­bre­vi­ve­rá?

O pes­so­al da mú­si­ca es­tá nas li­ves. O te­a­tro ago­ra tam­bém des­co­briu sua fór­mu­la. Des­de mar­ço te­nho fei­to lei­tu­ras te­a­trais nas mi­nhas re­des so­ci­ais. Fui a pri­mei­ra. Lía­mos e con­tá­va­mos his­tó­ri­as di­ver­ti­das ocor­ri­das du­ran­te a tem­po­ra­da da­que­las pe­ças, to­das já en­ce­na­das por quem ago­ra es­ta­va len­do. Re­cen­te­men­te a coi­sa se so­fis­ti­cou e os te­a­tros es­tão ofe­re­cen­do al­ter­na­ti­vas.

Co­mo as­sim?

O Te­a­tro XP tem fei­to li­ves ex­ce­len­tes. E o Pe­tra Gold ago­ra in­ven­tou o Te­a­tro Já, on­de os ar­tis­tas en­ce­nam su­as pe­ças no pal­co (e não mais em su­as ca­sas), com uma só pes­soa na pla­teia re­pre­sen­tan­do o pú­bli­co. E o pú­bli­co com­pra in­gres­so, a R$ 10, pa­ra ca­da apre­sen­ta­ção ao vi­vo, que é gra­va­da e exi­bi­da uma só vez, no mo­men­to da en­ce­na­ção. É uma li­ve pa­ga, ideia óti­ma da Ana Beatriz No­guei­ra.

Vo­cê vai en­trar nes­ses pro­je­tos?

Vou par­ti­ci­par sim. E a gen­te vai se vi­ran­do. Ha­ve­rá es­pe­tá­cu­los ao ar li­vre, ex­po­si­ções. Se­gui­re­mos!

Vo­cê tem usa­do as re­des so­ci­ais pa­ra fa­lar de vá­ri­os as­sun­tos, além de co­lo­car seu dia a dia. Vo­cê já en­con­trou o ca­mi­nho nes­te uni­ver­so vir­tu­al?

É o que te­mos pa­ra ho­je. Há dois anos que uso as re­des pra fa­lar de mu­lhe­res pi­o­nei­ras, já pes­qui­sei e mos­trei 186 “mu­lhe­res de fi­bra”. Mos­tro tam­bém co­mo vi­ver com me­nos, dou re­cei­tas de pro­du­tos bi­o­de­gra­dá­veis e na­tu­rais pa­ra ca­sa e cor­po, en­si­no a reu­ti­li­zar e fa­zer me­nos li­xo. Pra­ti­co exer­cí­ci­os e io­ga sob ori­en­ta­ção de pro­fes­so­res em au­las que os se­gui­do­res fa­zem co­mi­go. Mos­tro sequên­ci­as de io­ga fa­ci­al, de res­pi­ra­ção e de saú­de ar­ti­cu­lar. Dou di­cas de li­vros, fil­mes e sé­ri­es. As pes­so­as es­tão per­di­das, an­si­o­sas e in­so­nes e re­sol­vi ofe­re­cer tu­do o que es­tu­dei e pra­ti­quei a vi­da in­tei­ra, por ter cer­te­za de que re­al­men­te fun­ci­o­na.

“Não sei se cau­sei a saí­da de­la, mas não tem im­por­tân­cia. De­pois de tu­do na­que­la en­tre­vis­ta, não da­va pa­ra a Re­gi­na per­ma­ne­cer co­mo re­pre­sen­tan­te da Cul­tu­ra”

A re­de te aju­dou a man­ter a “sa­ni­da­de” nes­ta pan­de­mia?

A re­de me dei­xou mui­to me­nos so­li­tá­ria. A im­pres­são é que, ao di­vi­dir mi­nhas prá­ti­cas com mais pes­so­as, cri­ei uma co­mu­ni­da­de de ami­gos, um gru­po gran­de que se co­mu­ni­ca e tro­ca co­mi­go.

Já se ha­bi­tu­ou com a in­te­ra­ção que a in­ter­net exi­ge?

Não. De­tes­to ter que man­ter um rit­mo sem pau­sas. Mas nem tu­do são flo­res co­mo bem sa­be­mos.

A pu­bli­ci­da­de, que mui­tos ar­tis­tas têm fei­to na web, po­de aju­dar a se man­ter até a vol­ta à ati­vi­da­de?

Eu não te­nho fei­to ne­nhu­ma pu­bli­ci­da­de. Não con­si­de­ro es­te um bom mo­men­to pa­ra se fa­zer pro­pa­gan­da e es­ti­mu­lar o con­su­mo.

Vo­cê dis­se re­cen­te­men­te que já to­mou clo­ro­qui­na. Co­mo vê es­sa dis­cus­são po­li­ti­za­da so­bre um re­mé­dio?

To­mei por­que te­nho pro­ble­mas ar­ti­cu­la­res he­re­di­tá­ri­os. To­mei sob pres­são, pois sin­to mui­ta dor. Um dos efei­tos co­la­te­rais do uso con­ti­nu­a­do do re­mé­dio é a ce­guei­ra, por is­so, du­ran­te seis me­ses, fiz exa­mes de fun­do de olho e ti­ve acom­pa­nha­men­to ri­go­ro­so de of­tal­mo­lo­gis­tas. Não fi­quei ce­ga, mas mi­nha do­en­ça ar­ti­cu­lar tam­bém não me­lho­rou. A Clo­ro­qui­na é um re­mé­dio com vá­ri­os efei­tos co­la­te­rais e to­dos já sa­be­mos que não ser­ve pra com­ba­ter o co­ro­na­ví­rus.

“Se o Pau­lo (Ma­ri­nho) tem ma­te­ri­al que com­pro­me­te a ido­nei­da­de de Bol­so­na­ro e seus fi­lhos de­ve apre­sen­tá-lo. As­sim co­mo se­ria es­te o de­ver de qual­quer ou­tro ci­da­dão”

Co­mo vê es­se mo­vi­men­to da Re­de Glo­bo, cor­tan­do vá­ri­os ar­tis­tas an­ti­gos, in­cluin­do vo­cê?

Não per­ce­bi, por ho­ra, uma me­lho­ra na pro­gra­ma­ção. Mas eles po­dem man­dar em­bo­ra quem qui­se­rem, é uma prer­ro­ga­ti­va da em­pre­sa. Só que é pre­ci­so ha­ver sem­pre um avi­so pré­vio, e é im­pe­ra­ti­vo que pa­guem os de­vi­dos be­ne­fí­ci­os aos que ali tra­ba­lha­ram.

Vo­cê co­me­çou na Glo­bo, mas se fir­mou em uma emis­so­ra pe­que­na. As sé­ri­es Do­na Bei­ja e a Mar­que­sa de San­tos co­lo­ca­ram, in­clu­si­ve, a Man­che­te em ou­tro pa­ta­mar. Ago­ra, co­mo vê seu fu­tu­ro fo­ra da Glo­bo?

Di­fí­cil. Tu­do es­tá mui­to in­cer­to.

O mer­ca­do ain­da faz di­fe­ren­ça com quem tem mais ida­de, co­mo é o seu ca­so?

Cer­ta­men­te. E pa­ra al­guém que te­ve a ima­gem as­so­ci­a­da ao es­tig­ma da be­le­za, fi­ca, tal­vez, me­nos fá­cil fu­rar o pre­con­cei­to com a ida­de.

Co­mo es­tá sen­do pa­ra vo­cê, uma mu­lher tão re­ve­ren­ci­a­da pe­la be­le­za, per­ce­ber a pas­sa­gem do tem­po em seu cor­po?

Não gos­to. Mas ten­to dri­blar o ine­vi­tá­vel com prá­ti­cas sau­dá­veis. Não é com­pli­ca­do pa­ra mim por­que sem­pre fui meio bi­cho gri­lo, na­tu­re­ba, ma­cro­bió­ti­ca. Es­tu­do nu­tri­ção há 40 anos e fa­ço to­do ti­po de ex­pe­ri­ên­cia pró-saú­de. Só que an­tes, eu es­cor­re­ga­va na noi­te, e ago­ra eu sou to­da do dia.

Co­mo foi se tor­nar avó?

Veio num pa­co­te de três, por­que o ma­ri­do de mi­nha fi­lha já ti­nha 2 fi­lhos pe­que­nos. Mas tem si­do uma ale­gria sem fim!

Vo­cê en­fren­tou o es­tig­ma da mu­lher bo­ni­ta e mos­trou ou­tros ta­len­tos, se tor­nan­do es­cri­to­ra. As pes­so­as ain­da têm pre­con­cei­to qu­an­do uma mu­lher bo­ni­ta que pen­sa?

Qu­an­do eu não pen­sa­va, eles me jul­ga­vam ar­ro­gan­te e to­la. Qu­an­do apa­re­ceu a mu­lher que pen­sa, pas­sei de to­la pa­ra ame­a­ça­do­ra: ago­ra tam­bém não me que­ri­am por per­to com aque­le con­jun­to tão de­sa­gra­dá­vel (ri­sos). Não sei o que é pi­or.

De­pois de en­fren­tar mui­tos pre­con­cei­tos, co­mo vo­cê vê as jo­vens mu­lhe­res que gri­tam: meu cor­po, mi­nhas re­gras?

Bro­tou do neo-fe­mi­nis­mo e, co­mo em tu­do, há ex­ces­sos. Mas o mo­vi­men­to é le­gí­ti­mo e se jus­ti­fi­ca por sé­cu­los de in­ter­fe­rên­cia e sub­ju­go da so­ci­e­da­de pa­tri­ar­cal. Nós sa­be­mos o que é bom pra nós, não ve­nham se me­ter aqui. Mas é qua­se sem­pre me­lhor ex­pli­car, en­si­nar, con­ver­sar, por­que, coi­ta­dos, eles (os ho­mens) não apren­de­ram na­da, e, afi­nal, a gen­te ain­da gos­ta de­les. Su­gi­ro bo­tar na es­co­la e dar um in­ten­si­vão!

Por que vo­cê de­ci­diu re­ve­ren­ci­ar mu­lhe­res for­tes na sua sé­rie no Ins­ta­gram?

Por­que dos ho­mens a li­te­ra­tu­ra es­tá cheia. Não é pre­ci­so mui­to pa­ra co­nhe­cer os fei­tos dos ci­en­tis­tas, dos es­cri­to­res, avi­a­do­res, po­lí­ti­cos e as­sim por di­an­te. Mas as mu­lhe­res só apa­re­cem for­tes na li­te­ra­tu­ra qu­an­do ide­a­li­za­das por es­cri­to­res ho­mens que ima­gi­na­ram fi­gu­ras ine­xis­ten­tes na vi­da re­al. Na Grécia An­ti­ga, com su­as Li­sís­tra­tas e An­tí­go­nas, as mu­lhe­res eram, de fa­to, tão ali­e­na­das e iso­la­das da vi­da so­ci­al, que de­sen­vol­ve­ram até um dialeto pró­prio, di­fe­ren­te do fa­la­do pe­los ma­ri­dos.

Vo­cê pen­sa em es­cre­ver mais? Es­tá fa­zen­do is­so na qu­a­ren­te­na?

Um pou­qui­nho, de le­ve.

CUL­TU­RA “O Bra­sil é co­nhe­ci­do pe­lo Car­na­val, pe­la MPB e pe­las no­ve­las, e não pe­la so­ja trans­gê­ni­ca, ou pe­lo boi do agro­ne­gó­cio”, diz Maitê

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.