O LO­BO NA PE­LE DE “JAIRZINHO”

ISTO É - - EDITORIAL -

Ano­va fá­bu­la in­ven­ta­da pe­lo go­ver­no é a de que ele ago­ra ro­ga pe­la pa­ci­fi­ca­ção. Quer a paz, o ar­mis­tí­cio, o en­ten­di­men­to. Com o Con­gres­so, o Su­pre­mo, os in­di­ge­nis­tas, mé­di­cos, pro­fes­so­res, quem apa­re­cer pe­la fren­te. Dei­xou de la­do o tom be­li­ge­ran­te, a ar­ro­gân­cia vo­lup­tu­o­sa do “eu que man­do”. A ver­são mal aco­cham­bra­da do “Jairzinho paz e amor” — tal qual a em­ba­la­gem mar­que­tei­ra do de­miur­go do agres­te “lu­li­nha...”, dei­xa prá lá, cri­mi­no­so já en­car­ce­ra­do no pas­sa­do — tem in­ten­to e ra­zões de ser. O man­da­tá­rio de qua­tro cos­ta­dos, se­gu­ro de si por se jul­gar sus­ten­ta­do pe­la ca­ser­na e pe­las ru­as, per­deu o chão. Não se vê mais co­mo aque­la co­ca­da to­da. Dos mi­li­ta­res ou­viu que se­ria bom (im­po­si­ti­vo até) bai­xar o tom. Da pla­teia de elei­to­res sou­be, es­pan­ta­do, não exis­tir qual­quer apoio a aven­tu­ras di­ta­to­ri­ais nes­sas pa­ra­gens. Em pes­qui­sa que ca­lou seus arroubos, 75% dos en­tre­vis­ta­dos dis­se­ram-se a fa­vor da de­mo­cra­cia, 52% não gos­tam na­da da pre­sen­ça far­da­da no po­der po­lí­ti­co e a mai­o­ria ab­so­lu­ta abo­mi­na ím­pe­tos gol­pis­tas. Aca­bou o as­sun­to. E com ele os so­nhos to­ta­li­tá­ri­os de um ca­pi­tão re­for­ma­do. Mas tem mais: Bol­so­na­ro no Pla­nal­to, fi­lhos, apa­ni­gua­dos, mi­li­tan­tes, ali­a­dos, paus man­da­dos e ope­ra­do­res es­tão, por vá­ri­as fren­tes, acu­a­dos. O pre­si­den­te em pes­soa en­fren­ta ao me­nos du­as in­ves­ti­ga­ções no Su­pre­mo. Os re­ben­tos Flá­vio e Car­los, idem, na Jus­ti­ça Fe­de­ral do Rio. Ami­gos de lon­ga da­ta, pre­sos ou sob sus­pei­ta. Fi­nan­ci­a­do­res de es­que­mas de fa­ke news no “ga­bi­ne­te do ódio”, par­la­men­ta­res en­ga­la­na­dos que par­ti­ci­pa­ram das “ra­cha­di­nhas”, a tro­pa de mi­nis­tros ide­o­ló­gi­cos que apron­tam e atra­pa­lham, ge­ran­do pre­juí­zos so­no­ros, a cum­bu­ca in­tei­ra dos se­gui­do­res, pas­sa­ram da con­di­ção de pe­dra à vi­dra­ça. Bol­so­na­ro vi­rou bon­zi­nho, bai­xou a bo­la, por­que es­tá amar­gan­do con­se­cu­ti­vas der­ro­tas e, mais gra­ve, sob sé­rio ris­co de per­der o car­go e a gló­ria an­tes do tem­po. Emi­te si­nais de con­ci­li­a­ção pa­ra re­men­dar os es­tra­gos. E olha que não fo­ram pou­cos. Na co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal, Bol­so­na­ro en­con­tra no mo­men­to o am­bi­en­te mais ad­ver­so pos­sí­vel. Com ris­cos de per­der até o mai­or ali­a­do. Do­nald Trump, o ído­lo in­do­má­vel, a re­fe­rên­cia pa­ra tan­tas di­a­bru­ras, que po­de em al­guns me­ses não es­tar mais lá na ca­dei­ra de ho­mem mais po­de­ro­so da Ter­ra. Cor­re sé­ria ame­a­ça de fra­cas­sar nas elei­ções por fa­lhas, di­ga­mos, de­ci­béis abai­xo das pra­ti­ca­das pe­lo lí­der ba­na­nei­ro da par­te de cá das Amé­ri­cas. O mun­do, no úl­ti­mo fi­nal de se­ma­na, re­ce­beu ma­ni­fes­ta­ções em de­ze­nas de paí­ses e con­ti­nen­tes com os di­ze­res “Stop Bol­so­na­ro”. Há uma re­vol­ta ge­ne­ra­li­za­da em es­pe­ci­al com o seu des­ca­so pe­las quei­ma­das e des­ma­ta­men­tos, que san­gram a Amazô­nia. Nin­guém de­se­ja ou aguen­ta mais ta­ma­nha des­trui­ção e vai pu­nir o Bra­sil, tal­vez co­mo cúm­pli­ce, pe­lo dis­pa­ra­te do seu che­fe de Es­ta­do.Um gru­po de 29 ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras, en­tre as mai­o­res do pla­ne­ta, res­pon­sá­veis por na­da me­nos que US$ 3,7 tri­lhões em re­cur­sos (ou o do­bro do PIB na­ci­o­nal) emi­ti­ram uma car­ta ame­a­çan­do cla­ra­men­te re­ti­rar seus in­ves­ti­men­tos da­qui ca­so o País si­ga su­bin­do seus ín­di­ces de afron­tas am­bi­en­tais. Já se sa­be, o te­ma caiu pa­ra o úl­ti­mo lu­gar na hi­e­rar­quia de aten­ções do “mi­to”. Mas ele quer se re­di­mir, to­mar pru­mo. É o que ale­ga. Na ver­da­de, Bol­so­na­ro es­tá por al­guns di­as com­por­ta­do, mas não se emen­da. Nem aca­len­te es­pe­ran­ças! Não é da na­tu­re­za de­le. Quem age, co­lo­ca pa­nos quen­tes e se me­xe no meio de cam­po é a en­tou­ra­ge dos mi­nis­tros e as­ses­so­res cons­ci­en­tes. Bol­so­na­ro fez o que era pos­sí­vel e es­ta­va ao al­can­ce do seu li­mi­te: saiu de cam­po. Al­gu­mas se­ma­nas sem Jair e com o “Jairzinho Paz e Amor” atu­an­do fo­ram, no mí­ni­mo, pe­da­gó­gi­cas. Uma au­sên­cia que pre­en­cheu uma la­cu­na. Sem o tom his­tri­ô­ni­co e de­sa­gre­ga­dor do ca­pi­tão, o País pô­de fi­nal­men­te cui­dar do que in­te­res­sa. O lo­bo fi­cou na to­ca e mo­vi­men­ta­ções pro­du­cen­tes, co­mo a da ne­go­ci­a­ção do czar Pau­lo Gu­e­des com de­pu­ta­dos pa­ra evo­luir na pau­ta econô­mi­ca, con­se­gui­ram ga­nhar pri­o­ri­da­de. Sem o pre­si­den­te iras­cí­vel o País evo­luiu me­lhor. Quem di­ria! A au­sên­cia bem vin­da. No co­ra­ção do po­der rei­na, mo­men­ta­ne­a­men­te, um co­man­dan­te ma­ni­e­ta­do, tutelado pe­las for­ças mi­li­ta­res, to­lhi­do pe­lo des­cré­di­to jun­to aos de­mais po­de­res, ig­no­ra­do por tan­tos dis­pa­ra­tes e im­pru­dên­cia. Não o ima­gi­ne co­mo ví­ti­ma. Ja­mais! Es­tá sim na po­si­ção de réu por mal­fei­tos em sé­rie. Al­guém em quem não se po­de con­fi­ar. Não ape­nas pe­las men­ti­ras que pro­fes­sa, mas pe­los atos in­do­má­veis e in­con­se­quen­tes que exe­cu­ta. O lo­bo ain­da es­tá ali, mas ves­tiu, por con­ve­ni­ên­cia, a pe­le de Jairzinho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.