O BELO DE­PAR­TA­MEN­TO DE RH DO PLA­NAL­TO

ISTO É - - ARTIGOS -

Eu sin­ce­ra­men­te gos­ta­ria de sa­ber de­ta­lhes so­bre o De­par­ta­men­to de Re­cur­sos Hu­ma­nos do Pa­lá­cio do Pla­nal­to. Quem são? Co­mo vi­vem? Do que se ali­men­tam? E, prin­ci­pal­men­te, co­mo é o pro­ces­so de se­le­ção pa­ra tra­ba­lhar no go­ver­no fe­de­ral? Não, não es­tou pen­san­do em en­vi­ar meu cur­rí­cu­lo. Que­ro mes­mo é des­co­brir co­mo, en­tre tan­tos bra­si­lei­ros ca­pa­ci­ta­dos, es­sa tur­ma con­se­gue con­tra­tar tan­ta gen­te ruim.

Pa­re­ce pi­a­da, mas não é. Acre­di­to sin­ce­ra­men­te que eles fa­zem uma lis­ta dos me­lho­res can­di­da­tos, os mais pre­pa­ra­dos, os mais in­te­li­gen­tes. E de­pois vi­ram a lis­ta de ca­be­ça pa­ra bai­xo, pa­ra en­tão co­me­çar as son­da­gens. Pro­me­te­ram ao País um mi­nis­té­rio téc­ni­co; em vez dis­so, re­ce­be­mos um mi­nis­té­rio té­tri­co.

O ca­so do úl­ti­mo mi­nis­tro da Edu­ca­ção — que foi sem ter si­do — é a mais no­va pro­va do ine­gá­vel ta­len­to que o RH do go­ver­no tem pa­ra con­tra­tar pes­so­as er­ra­das. Um fun­ci­o­ná­rio bem edu­ca­do po­de­ria ter avi­sa­do de­li­ca­da­men­te o se­nhor De­co­tel­li que men­tir no cur­rí­cu­lo é fal­ta de edu­ca­ção. O pre­si­den­te Bol­so­na­ro já se ga­bou que tem um sis­te­ma de in­for­ma­ção par­ti­cu­lar que fun­ci­o­na mui­to bem. Não te­nho cer­te­za, mas tal­vez a che­ca­gem de um cur­rí­cu­lo se­ja uma ta­re­fa mui­to com­ple­xa pa­ra eles. É sem­pre bom lem­brar que o RH do go­ver­no já ha­via da­do a sua con­tri­bui­ção pa­ra o em­po­bre­ci­men­to in­te­lec­tu­al do País com a es­co­lha dos dois mi­nis­tros an­te­ri­o­res, Ri­car­do Vé­lez Rodríguez e Abraham Wein­traub. Sa­be­mos que se­rão ape­nas ro­da­pés es­que­ci­dos nos li­vros de his­tó­ria, se mui­to, mas o es­tra­go que fi­ze­ram den­tro e fo­ra das sa­las de au­la afe­ta­rá o País por mui­to tem­po. De­co­tel­li é, no má­xi­mo, ape­nas mais um per­so­na­gem a es­que­cer.

Es­se ta­len­to (ao con­trá­rio) pa­ra con­tra­ta­ções não acon­te­ce ape­nas na Edu­ca­ção. Nun­ca na his­tó­ria des­se País foi tão es­sen­ci­al ter um mi­nis­tro da Saú­de com­pe­ten­te. O atu­al pa­re­ce co­nhe­cer tan­to a sua pas­ta quan­to eu

Pro­me­te­ram ao País um mi­nis­té­rio téc­ni­co. Em vez dis­so, re­ce­be­mos um mi­nis­té­rio té­tri­co

en­ten­do de fí­si­ca as­troquân­ti­ca (não en­ten­do na­da). En­tre os no­mes dos qu­ais já nos li­vra­mos, meu fa­vo­ri­to foi o se­cre­tá­rio da Cul­tu­ra que acha­va que era o na­zis­ta Jo­seph Go­eb­bels. Ines­que­cí­vel. O RH do go­ver­no cri­ou um cri­té­rio de con­tra­ta­ção bas­tan­te ori­gi­nal: quan­to mais o can­di­da­to en­ten­de do as­sun­to, mai­or se­rá a chan­ce de ser des­car­ta­do; quan­to me­nor for sua no­ção so­bre o te­ma, mais al­to se­rá o seu car­go. Ve­jam o pre­si­den­te da Em­bra­tur, por exem­plo. Sua fluên­cia em in­glês deixaria Jo­el San­ta­na en­ver­go­nha­do. Seu cur­rí­cu­lo, no en­tan­to, ti­nha um ele­men­to es­sen­ci­al pa­ra o car­go: ele sa­be to­car san­fo­na.

Al­guém sa­be me di­zer se exis­te im­pe­a­ch­ment pa­ra di­re­tor de RH?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.