O PLA­NO CARANGUEJO DE GO­VER­NO

ISTO É - - ARTIGOS -

Fa­mo­so por su­as gar­ras, pa­tas, ca­ra­pa­ça, car­ne sa­bo­ro­sa, sa­be-se, ago­ra, que o caranguejo ins­pi­ra um pla­no de go­ver­no. Uma de su­as ca­rac­te­rís­ti­cas mais in­tri­gan­tes es­tá na tro­ca da ca­ra­pa­ça, quan­do já gas­ta, que o pro­te­ge con­tra dos pre­da­do­res, tal quan­do cha­fur­da na la­ma dos man­gue­zais ou se hos­pe­da em con­chas va­zi­as. An­da pa­ra fren­te, pa­ra trás e ve­loz­men­te pa­ra am­bos os la­dos, com su­as dez pa­tas (du­as da fren­te com gar­ras de­fen­si­vas), um crus­tá­ceo com du­as has­tes e seus olhos aten­tos e des­con­fi­a­dos. O go­ver­nan­te ne­le se ins­pi­ran­do, em cam­pa­nha, vem com a pri­mei­ra ca­ra­pa­ça e se exi­be, com pro­mes­sas e pla­nos, quan­do elei­to os co­lo­ca em prá­ti­ca. Mon­ta um qua­li­fi­ca­do mi­nis­té­rio e de ban­de­ja, apro­va uma es­pe­ra­da le­gis­la­ção aos ina­ti­vos. Dá um enor­me pas­so à fren­te!

De re­pen­te, por ciu­mei­ra des­me­di­da, ima­gi­nan­do que al­guns de seus au­xi­li­a­res es­tão in­va­din­do seu ob­je­ti­vo (que em cam­pa­nha não era), ao in­vés de exal­tar su­as es­co­lhas, des­pe a pri­mei­ra ca­ra­pa­ça. Com a se­gun­da, de­mi­te os bons, um dos gran­des ava­lis­tas de seu go­ver­no e ou­tro com com­pe­tên­cia pa­ra

Mon­ta um qua­li­fi­ca­do mi­nis­té­rio e, de ban­de­ja, apro­va uma es­pe­ra­da le­gis­la­ção aos ina­ti­vos. Dá um enor­me pas­so à fren­te!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.