É

ISTO É - - COMPORTAME­NTO / MEDICINA -

ir­re­pre­en­sí­vel o his­tó­ri­co de su­ces­so bra­si­lei­ro no que diz res­pei­to à pre­ven­ção de do­en­ças por meio de va­ci­na­ção. Não é exa­ge­ro di­zer que o pro­ces­so de fa­bri­ca­ção des­sa ca­te­go­ria de me­di­ca­men­tos, pro­du­zi­dos em la­bo­ra­tó­rio, a par­tir de mi­cro­or­ga­nis­mos cau­sa­do­res de do­en­ças, fez do País uma re­fe­rên­cia mun­di­al em imu­ni­za­ção. A tec­no­lo­gia na­ci­o­nal em­pre­ga­da no se­tor es­tá no mes­mo ní­vel de na­ções mais de­sen­vol­vi­das nes­sa área, co­mo o Ca­na­dá, a Aus­trá­lia e o Rei­no Uni­do. Pa­ra al­can­çar es­se pa­ta­mar, o Bra­sil sem­pre dis­po­ni­bi­li­zou re­cur­sos pa­ra pes­qui­sas — o Mi­nis­té­rio da Saú­de vai in­ves­tir, es­te ano, R$ 400 mi­lhões em va­ci­nas. As­sim, o Bra­sil faz par­te de um se­le­to gru­po de paí­ses que têm a po­pu­la­ção pro­te­gi­da de do­en­ças co­mo a po­li­o­mi­e­li­te, que por aqui foi er­ra­di­ca­da em 1990.

A ex­per­ti­se bra­si­lei­ra vem sen­do cons­truí­da há mais de cem anos. Os dois prin­ci­pais pó­los pú­bli­cos de ex­ce­lên­cia são o Ins­ti­tu­to Bu­tan­tan, em São Pau­lo, e a Fun­da­ção Fi­o­cruz/Man­gui­nhos, no Rio de Ja­nei­ro, ins­ti­tui­ções cen­te­ná­ri­as que es­tão em bus­ca de uma va­ci­na con­tra a Co­vid-19. Des­de os anos 40 do sé­cu­lo pas­sa­do, o Bu­tan­tan, que já era es­pe­ci­a­lis­ta na pro­du­ção so­ros an­ti­en­ve­na­men­to, e cri­ou uma es­tru­tu­ra pro­du­ti­va de va­ci­nas que o cre­den­cia pa­ra a ela­bo­ra­ção de um imu­ni­zan­te con­tra a pan­de­mia. Nes­se pro­ces­so o ins­ti­tu­to fir­mou par­ce­ria com a far­ma­cêu­ti­ca chi­ne­sa Si­no­vac, dan­do sequên­cia aos es­tu­dos re­a­li­za­dos por es­sa em

Pes­qui­sa­do­res no la­bo­ra­tó­rio Fi­o­cruz/Man­gui­nho: a imu­ni­za­ção po­de es­tar pró­xi­ma

pre­sa. Des­se tra­ba­lho, sur­giu a Co­ro­na Vac, uma va­ci­na já na fa­se de en­sai­os clí­ni­cos, com tes­tes em hu­ma­nos: no­ve mil vo­lun­tá­ri­os par­ti­ci­pa­rão do pro­je­to. Di­mas Ta­deu Co­vas, di­re­tor do Bu­tan­tan, ex­pli­ca que por cau­sa da ex­pe­ri­ên­cia da en­ti­da­de na pro­du­ção de imu­ni­zan­tes e em en­sai­os clí­ni­cos, a pos­si­bi­li­da­de de ter­mos uma va­ci­na se­gu­ra con­tra a

Co­vid-19, an­tes do pra­zo mí­ni­mo de de­zoi­to me­ses é crí­vel. “A jun­ção da ex­pe­ri­ên­cia chi­ne­sa com os ví­rus da Sars, e o nos­so know how em bi­o­tec­no­lo­gia, per­mi­ti­rá ao Bu­tan­tan com­ple­tar o ci­clo de de­sen­vol­vi­men­to da va­ci­na. Que­re­mos ga­ran­tir pro­te­ção em lar­ga es­ca­la e cer­ti­fi­ca­ção. Is­so de­ve acon­te­cer an­tes do fi­nal do ano”, dis­se.

PAR­CE­RIA EFI­CAZ

O sur­gi­men­to da pan­de­mia Co­vid-19 impôs ao mun­do a bus­ca ur­gen­te de mais co­nhe­ci­men­tos ci­en­tí­fi­cos pa­ra en­ten­der e com­ba­ter o ví­rus. A Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de ob­ser­va mais de cem es­tu­dos que po­dem re­sul­tar em um re­mé­dio efi­ci­en­te. Na Fi­o­cruz não é di­fe­ren­te. Lá se de­sen­vol­vem três fren­tes de tra­ba­lho, e a prin­ci­pal é a ma­nu­fa­tu­ra de va­ci­nas, uti­li­zan­do pre­pa­ros sin­té­ti­cos e pro­teí­nas do ví­rus. Com a in­ten­ção de dis­po­ni­bi­li­zar um imu­ni­zan­te à po­pu­la­ção bra­si­lei­ra, a fun­da­ção op­tou por as­so­ci­ar-se à Uni­ver­si­da­de de Ox­ford, que já tra­ba­lha jun­to à em­pre­sa far­ma­cêu­ti­ca As­tra Ze­ne­ca, em es­tá­gio avan­ça­do pa­ra a cri­a­ção de uma va­ci­na. A par­ce­ria de­ve per­mi­tir que o pri­mei­ro imu­ni­zan­te se­ja uti­li­za­do na po­pu­la­ção bra­si­lei­ra am­pla­men­te já no iní­cio do ano que vem.

De acor­do com Aki­ra Hom­ma, pes­qui­sa­dor emé­ri­to da Fi­o­cruz, o acor­do fir­ma­do com a As­traZe­ne­ca per­mi­ti­rá que o Bra­sil re­ce­ba 15,2 mi­lhões de do­ses em de­zem­bro e 30,4 mi­lhões até ja­nei­ro. “É um in­ves­ti­men­to de ris­co, mas ne­ces­sá­rio pa­ra ga­ran­tir o su­pri­men­to de va­ci­nas pa­ra o país”,

TEC­NO­LO­GIA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.