A SÉ­RIE

ISTO É - - ÚLTIMA PALAVRA -

Oro­tei­ris­ta e seu agen­te en­tram na sa­la de reu­niões com o frio na bar­ri­ga de um ator quan­do so­be ao pal­co. Uma me­sa com de­zes­seis ca­dei­ras, só du­as va­zi­as, pa­ra eles. Na sa­la de es­pe­ra, o agen­te re­pe­te o con­se­lho:

– Não en­ro­la. Es­sa gen­te é mui­to ocu­pa­da. A Netf….

– A Net­flix é a no­va Hollywo­od… já sei, já sei, vo­cê já me dis­se umas 300 ve­zes.

A reu­nião era pa­ra apre­sen­tar, pa­ra o ca­nal, a si­nop­se de uma sé­rie-do­cu­men­tá­rio, em oi­to epi­só­di­os, so­bre o Bra­sil de Bol­so­na­ro.

O ro­tei­ris­ta ini­cia a apre­sen­ta­ção com um Power­Point fei­to es­pe­ci­al­men­te pa­ra a reu­nião.

– A sé­rie, co­mo os se­nho­res sa­bem, tra­ta do Bra­sil du­ran­te o go­ver­no Bol­so­na­ro. O pri­mei­ro epi­só­dio é exa­ta­men­te no dia da pos­se e apre­sen­ta a ro­ti­na do pre­si­den­te adap­tan­do-se ao Pa­lá­cio do Pla­nal­to, ce­nas pro­sai­cas co­mo seu ca­fé da ma­nhã pas­san­do lei­te con­den­sa­do no pão, com­bi­na­das com reu­niões de no­me­a­ção dos mi­nis­tros. Des­ta­que ao mi­nis­tro Moro, o juiz da Ope­ra­ção La­va Ja­to e res­pon­sá­vel pe­la pri­são de Lu­la. Os ame­ri­ca­nos con­ver­sam en­tre si.

Um de­les até já ti­nha ou­vi­do fa­lar do Lu­la.

Ou­tro ex­pli­cou que lei­te con­den­sa­do é o que se usa pa­ra fa­zer “bre­ga­de­rou”.

O agen­te, dis­cre­ta­men­te, ges­ti­cu­la pa­ra que o ro­tei­ris­ta ace­le­re.

– No se­gun­do epi­só­dio fa­re­mos um flash­back con­tan­do a cam­pa­nha pa­ra pre­si­den­te.

O sli­de mos­tra um clip com ce­nas re­ais, le­gen­da­das. Ter­mi­na com o pre­si­den­te di­zen­do que não en­ten­de na­da de eco­no­mia e que pa­ra is­so es­co­lheu o mi­nis­tro Pau­lo Gu­e­des.

Nes­te pon­to o ro­tei­ris­ta im­pro­vi­sa pa­ra ex­pli­car o sig­ni­fi­ca­do de “Pos­to Ipi­ran­ga”.

Os ame­ri­ca­nos ri­em, di­ver­ti­dos.

A apre­sen­ta­ção con­ti­nua mos­tran­do tu­do que já co­nhe­ce­mos. A ideia de no­me­ar o fi­lho sem ex­pe­ri­ên­cia pa­ra em­bai­xa­dor em Washing­ton, as pri­mei­ras re­a­ções do pre­si­den­te à pan­de­mia, as en­tre­vis­tas no cer­ca­di­nho, a saí­da do mi­nis­tro Moro.

A pla­téia es­tá gos­tan­do.

Con­ver­sam en­tre eles, pas­sam no­tas, e em al­gu­mas ce­nas, co­mo nos er­ros de por­tu­guês do mi­nis­tro Wein­traub, ri­em a va­ler.

O ro­tei­ris­ta es­tá trans­pi­ran­do.

Olha pa­ra o agen­te ten­tan­do en­ten­der por­que es­tão to­dos rin­do, mas o agen­te, co­mo bom ne­go­ci­a­dor, já as­su­miu o cli­ma dos an­fi­triões e con­ta so­bre o dia em que a mi­nis­tra Da­ma­res dis­se que viu Je­sus num pé de goi­a­ba.

A sa­la ex­plo­de em gar­ga­lha­das.

A apre­sen­ta­ção con­ti­nua.

O ro­tei­ris­ta, ten­tan­do dar a de­vi­da se­ri­e­da­de ao as­sun­to, apre­sen­ta um cli­pe da reu­nião de abril e os im­pro­pé­ri­os di­tos pe­lo pre­si­den­te.

Um dos exe­cu­ti­vos su­ge­re que na pro­du­ção fi­nal, o tex­to se­ja su­a­vi­za­do pa­ra que a sé­rie pos­sa ser vis­ta por um pú­bli­co mais jo­vem.

Bom si­nal, pen­sa o agen­te.

A apre­sen­ta­ção vai che­gan­do ao fim, com a fu­ga do mi­nis­tro Wein­traub pa­ra Mi­a­mi e as men­ti­ras apre­sen­ta­das pe­lo mi­nis­tro Car­los Al­ber­to De­co­tel­li em seu cur­rí­cu­lo.

As ri­sa­das ago­ra são uma cons­tan­te.

Con­fu­so, o ro­tei­ris­ta con­clui di­zen­do que a sé­rie dá mar­gem a uma se­gun­da tem­po­ra­da, com o que acon­te­cer da­qui pa­ra fren­te. A sa­la ex­plo­de em aplau­sos.

O prin­ci­pal exe­cu­ti­vo, na pon­ta da me­sa to­ma a pa­la­vra: – Pa­ra­béns! E que gra­ta sur­pre­sa. Acre­di­tá­va­mos que se­ria um do­cu­men­tá­rio e vo­cês trou­xe­ram uma co­mé­dia que é exa­ta­men­te o gê­ne­ro que es­tá fal­tan­do na nos­sa gra­de!

Con­clui in­for­man­do que a sé­rie es­tá apro­va­da e que a pro­du­ção de­ve co­me­çar o quan­to an­tes.

Sain­do da reu­nião, o ro­tei­ris­ta pen­sa em di­zer que não fa­rá par­te da­que­la far­sa.

A sé­rie é um do­cu­men­tá­rio e não uma co­mé­dia. Ele tem um no­me a ze­lar.

Mas seu bol­so fa­la mais al­to e ao in­vés dis­so, per­gun­ta ao agen­te:

– Acho que não ro­la mais o Fa­gun­des pro pa­pel de pre­si­den­te, né?

O agen­te não res­pon­de. Es­ta­va man­dan­do um What­sApp pa­ra o Mar­ce­lo Ad­net.

Men­tor Ne­to é es­cri­tor e cro­nis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.