Da in­dús­tria de ho­je pa­ra a do fu­tu­ro

Jornal Brasil Peças - - Artigo -

Ou­tro dia re­sol­vi com­prar o car­ro dos meus so­nhos. Já tra­ba­lhei bas­tan­te e acho que é ho­ra de me pre­sen­te­ar com es­te, que de tão es­pe­ci­al e ca­ro, é qua­se co­mo uma jóia. Após a com­pra (en­co­men­da, na ver­da­de, pois ele se­rá fei­to es­pe­ci­al­men­te pa­ra mim), ga­nhei um smartwat­ch pa­ra acom­pa­nhar o pro­ces­so de pro­du­ção do car­ro e ser avi­sa­do, da­li mes­mo, di­re­to do meu pul­so, de ca­da uma das eta­pas do pro­ces­so e de quan­do ele es­ti­ves­se che­gan­do. Mas, an­tes dis­so, o ven­de­dor me co­lo­cou den­tro de um scan­ner. Sim... é ver­da­de. Ti­ve o meu cor­po in­tei­ro “sca­ne­a­do” pa­ra que o car­ro fos­se cons­truí­do pen­san­do nas mi­nhas ne­ces­si­da­des, no meu ta­ma­nho etc. Achei tu­do aqui­lo sur­re­al e mui­to in­te­res­san­te, e nu­ma con­ver­sa com o ven­de­dor des­co­bri que a mar­ca se va­le de ou­tras tec­no­lo­gi­as pa­ra man­ter re­ven­das en­vol­vi­das nes­tes e ou­tros pro­ces­sos; e que den­tro da fá­bri­ca, to­das as “coi­sas e equi­pa­men­tos se con­ver­sam” e emi­tem in­for­ma­ções umas às ou­tras.

É cla­ro que es­sa é uma his­tó­ria fic­tí­cia, pois ain­da es­tou um tan­to quan­to lon­ge de po­der “me dar a es­se lu­xo”. Não fos­se is­so, eu já po­de­ria en­con­trar no mer­ca­do uma in­dús­tria ca­paz de tor­ná-la re­a­li­da­de. Temos con­ver­sa­do com com­pa­nhi­as de ma­nu­fa­tu­ra dos seg­men­tos mais di­ver­sos, no Bra­sil e em ou­tros lu­ga­res do mun­do, e pro­je­tos co­mo es­se já saí­ram do cam­po das idei­as. Já es­tão em pa­péis, em fa­se de es­ti­ma­ti­vas, pro­vas de con­cei­to, etc. É a tal da in­dús­tria 4.0, que pro­me­te fa­zer com que sis­te­mas ci­ber-fí­si­cos mo­ni­to­rem pro­ces­sos, to­mem de­ci­sões, se co­mu­ni­quem e co­o­pe­rem en­tre si e com hu­ma­nos em tem­po re­al, por meio de com­pu­ta­ção em nu­vem, in­ter­net das coi­sas, re­a­li­da­de au­men­ta­da, in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al, etc.

Por exem­plo, em­pre­sas co­mo a Fer­ra­ri, cli­en­te da In­for, vão por es­se ca­mi­nho. Eles já ado­ta­ram o ERP, pro­ces­sos de Sup­ply chain ma­na­ge­ment, de ma­nu­fa­tu­ra e fi­nan­ças que es­tão sen­do con­so­li­da­dos com o mid­dlewa­re ino­va­dor In­for ION.

Se por um la­do, o mer­ca­do tem dis­cu­ti­do, e mui­to, os be­ne­fí­ci­os, im­pac­tos, mon­tan­tes de in­ves­ti­men­to, vi­a­bi­li­da­de pa­ra que a in­dús­tria 4.0 se tor­ne uma re­a­li­da­de; por ou­tro ve­mos em­pre­sas que es­tão con­fu­sas, de olho em ino­va­ção, mas ain­da dei­xan­do de fa­zer al­gu­mas coi­sas bá­si­cas co­mo, por exem­plo, olhar pa­ra os seus pro­ces­sos. Por is­so, an­tes de in­ves­tir nu­ma sé­rie de tec­no­lo­gi­as com o ob­je­ti­vo de trans­for­mar a sua in­dús­tria nu­ma ver­são 4.0, ana­li­se-os. O his­tó­ri­co mos­tra que o em­pre­en­de­dor bra­si­lei­ro, por exem­plo, não vê va­lor no pro­ces­so. A in­dús­tria uti­li­za, en­tre ou­tros in­di­ca­do­res, o OEE (Ove­rall Equip­ment Ef­fec­ti­ve­ness) pa­ra aná­li­se da li­nha de pro­du­ção. Mas se um equi­pa­men­to es­tá ro­dan­do a 75%, ele pre­fe­re tro­car uma li­nha de pro­du­ção in­tei­ra, ao in­vés de in­ves­tir em in­te­li­gên­cia pa­ra ga­ran­tir que os equi­pa­men­tos e sua efi­ci­ên­cia vol­tem a fun­ci­o­nar em 100%. So­lu­ções de sche­du­ling op­ti­mi­za­ti­on se­ri­am mui­to va­li­o­sas nes­te ca­so. Com is­so, ele au­men­ta seu con­su­mo em ou­tras pon­tas, co­mo água, ener­gia, ma­nu­ten­ção, pes­so­as, etc. Se a in­dús­tria tem um gar­ga­lo na par­te pro­du­ti­va, é pre­ci­so en­ten­der, com ba­se no pro­ces­so, aon­de in­ves­tir em tec­no­lo­gia. E é nes­se sen­ti­do, quan­do fa­la­mos em in­te­li­gên­cia em pró de mai­or efi­cá­cia e efi­ci­ên­cia ope­ra­ci­o­nal, que acre­di­to que to­da es­sa dis­cus­são em tor­no da in­dús­tria 4.0 co­me­ce a ge­rar va­lor.

Ho­je mui­to se fa­la em big da­ta, mas a aná­li­se de pe­que­nos da­dos – small da­ta - é mais va­li­o­sa pa­ra en­ten­der on­de es­tão os prin­ci­pais de­sa­fi­os. So­lu­ções de ges­tão de ati­vos, por exem­plo, po­dem aju­dar a me­dir a ges­tão das má­qui­nas. A in­ter­net das coi­sas é ca­paz de co­nec­tar da­dos, com­pa­rar pro­ces­sos e iden­ti­fi­car quais ações de­vem ser to­ma­das. A in­dús­tria pre­ci­sa ter efi­ci­ên­cia ope­ra­ci­o­nal a seu fa­vor pa­ra que ela en­tre­gue óti­mos ser­vi­ços aos seus cli­en­tes. No Bra­sil, al­guns seg­men­tos já atu­am com ino­va­ção, co­mo o se­tor de be­bi­das, que me­de 100% da sua li­nha de pro­du­ção e con­se­gue ga­ran­tir o aten­di­men­to de pon­ta a pon­ta (da pro­du­ção à en­tre­ga), em um tem­po ade­qua­do, e de acor­do com os ní­veis de con­su­mo.

Ga­bri­el Lo­bitsky

é Di­re­tor de ven­das pa­ra o Sul da Amé­ri­caLa­ti­na, na In­for

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.