UM QUA­DRO DE GI­GAN­TES

Jornal Brasil Peças - - Ar­ti­go - Por Fer­nan­do Cal­mon Fer­nan­do Cal­mon é au­tor da Co­lu­na Al­ta Ro­da. fer­nan­do@cal­mon.jor.br www.fb.com/fer­nan­do.cal­mon2

En­tre os gran­des de­sa­fi­os da in­dús­tria au­to­mo­bi­lís­ti­ca mun­di­al es­tá a ten­dên­cia de con­so­li­da­ção. Em ou­tras pa­la­vras, fu­sões, aqui­si­ções, ali­an­ças e acor­dos pa­ra tor­nar o ne­gó­cio sus­ten­tá­vel a lon­go pra­zo. Es­sa co­lu­na co­men­tou, em mais de uma opor­tu­ni­da­de, que o qua­dro atu­al de gran­des gru­pos con­tro­lan­do vá­ri­as mar­cas ain­da pas­sa­rá por mo­di­fi­ca­ções.

Afi­nal, os in­ves­ti­men­tos pa­ra di­mi­nui­ção de con­su­mo (por con­sequên­cia de dió­xi­do de car­bo­no – mais co­nhe­ci­do por CO2, um dos ga­ses de efei­to es­tu­fa e mu­dan­ças cli­má­ti­cas), con­tro­le de emis­sões de ga­ses re­gu­la­men­ta­dos (mo­nó­xi­do de car­bo­no, óxi­dos de ni­tro­gê­nio e hi­dro­car­bo­ne­tos) e mai­o­res exi­gên­ci­as de se­gu­ran­ça vei­cu­lar ati­va e pas­si­va vão de­man­dar imen­sos re­cur­sos fi­nan­cei­ros.

Mais re­cen­te­men­te os es­for­ços pa­ra a gra­da­ti­va ado­ção de veí­cu­los com di­re­ção se­mi­autô­no­ma e, em se­gui­da, to­tal­men­te autô­no­ma, le­va­ram os gru­pos au­to­mo­bi­lís­ti­cos a de­sen­vol­ver pes­qui­sas avan­ça­das al­ta­men­te cus­to­sas, al­guns por con­ta pró­pria e ou­tros em as­so­ci­a­ção com gi­gan­tes da in­for­má­ti­ca. Co­mo há mui­to di­nhei­ro en­vol­vi­do e al­tos ris­cos ine­ren­tes ao pró­prio ne­gó­cio, o qua­dro atu­al de con­glo­me­ra­dos de­ve vol­tar a se al­te­rar.

Há cer­ca de dois anos a con­sul­to­ria Bu­si­ness In­si­der (BI) fez um le­van­ta­men­to e apon­tou que 14 gru­pos au­to­mo­bi­lís­ti­cos con­tro­la­vam 54 mar­cas de au­to­mó­veis e veí­cu­los co­mer­ci­ais le­ves, con­for­me a ilus­tra­ção. Pe­lo cri­té­rio da BI os gru­pos Re­nault e Nis­san es­tão se­pa­ra­dos pois for­mam ape­nas uma ali­an­ça. Nes­se meio tem­po a ali­an­ça com­prou a rus­sa La­da e a Nis­san ane­xou a ja­po­ne­sa Mit­su­bishi. Mais ce­do ou mais tar­de os re­fe­ri­dos gru­pos ten­dem a se fun­dir, ape­sar de re­sis­tên­cia do go­ver­no fran­cês do­no de 20% das ações da Re­nault.

A Su­zu­ki, que ven­deu par­te das su­as ações pa­ra a Volkswa­gen e as com­prou de vol­ta, é a ja­po­ne­sa mais per­to de al­gum gran­de con­glo­me­ra­do. A Hon­da afir­ma que­rer se man­ter in­de­pen­den­te. Du­as pe­que­nas ja­po­ne­sas, Maz­da e Isu­zu, te­rão di­fi­cul­da­des se não se uni­rem a um gru­po mai­or.

Em fe­ve­rei­ro, GM e PSA (Peu­ge­ot, Ci­troën, DS e a chi­ne­sa Dong­feng) ad­mi­ti­ram con­ver­sa­ções pa­ra ven­da da ale­mã Opel e da in­gle­sa Vauxhall (na ver­da­de car­ros Opel com lo­go­ti­po pró­prio e vo­lan­te do la­do di­rei­to). O gru­po ame­ri­ca­no per­de di­nhei­ro na sua sub­si­diá­ria eu­ro­peia há 16 anos e acu­mu­la pre­juí­zo de US$ 15 bi­lhões. Co­mo PSA e Opel já têm par­ce­ria pa­ra de­sen­vol­vi­men­to de du­as fa­mí­li­as de mo­de­los, tu­do in­di­ca que o ne­gó­cio se­rá fe­cha­do, em­bo­ra não al­te­ras­se o qua­dro mun­di­al de con­so­li­da­ção, pois se tra­ta­ria de mo­vi­men­to in­ter­no.

Es­pe­cu­la­ções, no en­tan­to, ron­dam os des­do­bra­men­tos des­se fa­to re­cen­te. Po­de acon­te­cer de a GM exa­mi­nar a pos­si­bi­li­da­de de com­pra do gru­po FCA (Fi­at Chrys­ler Au­to­mo­bi­les). No ano pas­sa­do, Ser­gio Mar­chi­on­ne, prin­ci­pal exe­cu­ti­vo da FCA, veio a pú­bli­co su­ge­rir tal ne­go­ci­a­ção, mas os ame­ri­ca­nos ig­no­ra­ram. Se fi­car sem ne­nhu­ma pre­sen­ça na Eu­ro­pa, tal­vez te­nha che­ga­do o mo­men­to de a GM re­ver o as­sun­to, co­mo co­men­ta­do na imprensa es­pe­ci­a­li­za­da dos EUA.

Li­vre do pe­so que a Opel/Vauxhall re­pre­sen­ta, a su­per­fu­são for­ma­ria o mai­or con­glo­me­ra­do au­to­mo­bi­lís­ti­co do mun­do, co­mo foi a pró­pria GM por 75 anos (1931 a 2005 e em 2011).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.