A Re­po­si­ção e a Automec 2017

Jornal Brasil Peças - - Info BR - Por Hum­ber­to Ro­liz Pre­si­den­te da AMAP Hum­ber­to Ro­liz Pre­si­den­te da AMAP RJ

Já faz al­gum tem­po que es­ta­mos vi­ven­do um mo­men­to de re­tra­ção na eco­no­mia. Es­se fa­to é con­sequên­cia de uma sé­rie de ações cu­ja ori­gem es­tá na má con­du­ta dos go­ver­nan­tes – mo­vi­da pe­la cor­rup­ção e pe­la ga­nân­cia ou, ain­da, por pu­ra in­com­pe­tên­cia... As­sim, po­de­mos di­zer que a eco­no­mia foi en­tre­gue a pes­so­as sem qual­quer qua­li­fi­ca­ção: gen­te que não sa­bia fa­zer, ad­mi­nis­trar ou pro­du­zir.

Até ho­je, me fa­ço uma pergunta pa­ra qual, mui­to pro­va­vel­men­te, não en­con­tra­rei uma res­pos­ta: Te­rá nos­so país per­di­do mais di­nhei­ro com os des­vi­os da cor­rup­ção ou com a in­com­pe­tên­cia ge­ne­ra­li­za­da em to­dos os ní­veis?

Em­bo­ra es­te não se­ja o fórum mais ade­qua­do pa­ra as dis­cus­sões po­lí­ti­cas, uma vez que o re­sul­ta­do da eco­no­mia es­tá in­ti­ma­men­te li­ga­do às ações po­lí­ti­cas, fo­mos obri­ga­dos a en­trar nes­se as­sun­to.

Re­al­men­te, em ter­mos ge­rais, os ín­di­ces econô­mi­cos in­di­cam que fo­mos até o fun­do do po­ço mes­mo. Nun­ca vi­mos, ao lon­go dos úl­ti­mas dé­ca­das, ta­ma­nha que­da na cons­tru­ção ci­vil, na in­dús­tria e nos trans­por­tes de mer­ca­do­ri­as. Nun­ca vi­mos tan­tos anún­ci­os de “ven­de-se” e de “alu­ga­se” na fa­cha­da de (tan­tas) lo­jas fe­cha­das. E, nós, pes­so­as li­ga­das ao mun­do dos ne­gó­ci­os, não gos­ta­mos de ver is­so.

No se­tor de au­to­pe­ças e re­po­si­ção, en­tre­tan­to, a coi­sa não foi ruim. Pen­sá­va­mos que se­ría­mos afe­ta­dos tam­bém, mas mal sa­bía­mos que a que­da na ven­da de car­ros no­vos iria dar ta­ma­nho im­pul­so aos se­to­res de re­po­si­ção e de me­câ­ni­ca pre­ven­ti­va e cor­re­ti­va. Aliás, pa­ra al­guns, o mo­men­to foi, in­clu­si­ve, de cres­ci­men­to, de fa­re­jar no­vos ne­gó­ci­os.

Com­pa­ran­do o nos­so se­tor a ou­tros se­to­res da eco­no­mia cu­jos exe­cu­ti­vos fa­zem par­te de nos­so cír­cu­lo so­ci­al, po­de­mos di­zer que se­gui­mos “mui­to bem obri­ga­do”.

No que diz res­pei­to ao Rio de Ja­nei­ro, em con­ver­sa com al­guns co­le­gas re­pre­sen­tan­tes do se­tor, che­ga­mos a con­clu­são que ti­ve­mos de tra­ba­lhar mais e me­lhor, mas o re­sul­ta­do foi com­pen­sa­tó­rio. Sal­vo ca­sos iso­la­dos – que con­sis­tem, na re­a­li­da­de, em pon­tos fo­ra da cur­va – hou­ve cres­ci­men­to nas ven­das.

De acor­do com da­dos do Sin­di­pe­ças, em­bo­ra te­nha ti­do que­da de 10,2 % na li­nha pe­sa­da, o se­tor de au­to­pe­ças te­ve cres­ci­men­to de 5% na li­nha le­ve, no pe­río­do de Ja­nei­ro a No­vem­bro de 2016, em com­pa­ra­ção ao mes­mo pe­río­do do ano an­te­ri­or.

Con­si­de­ran­do que al­gu­mas das in­dús­tri­as de au­to­pe­ças es­ta­vam ex­tre­ma­men­te vin­cu­la­das às mon­ta­do­ras e não ti­nham qual­quer par­ti­ci­pa­ção na re­po­si­ção e, con­si­de­ran­do que di­ver­sas in­dús­tri­as de au­to­pe­ças não es­tão li­ga­das ao Sin­di­pe­ças, acre­di­ta­mos que o re­sul­ta­do te­nha si­do bem mais ex­pres­si­vo, in­clu­si­ve.

Por es­se mo­ti­vo, acre­di­to que, no mês de Abril, te­re­mos uma Automec mui­to ati­va e mui­to po­si­ti­va, e, di­fe­ren­te­men­te do mun­do ex­ter­no, nes­te even­to fa­la­re­mos mui­to em cres­ci­men­to, in­ves­ti­men­to e pla­nos!

Lem­bran­do que a Automec é o mai­or even­to do se­tor e, nes­te ano, reu­ni­rá a li­nha le­ve e li­nha pe­sa­da no mes­mo even­to (uma de­man­da já an­ti­ga dos fa­bri­can­tes, que re­cla­ma­vam do in­ves­ti­men­to mul­ti­pli­ca­do por du­as fei­ras se­pa­ra­das!).

Abra­ços e bons ne­gó­ci­os !!!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.