Iso­la­men­to ain­da abai­xo do ide­al

NO­VO CO­RO­NA­VÍ­RUS Uma se­ma­na após de­cre­ta­ção de quarentena, iso­la­men­to so­ci­al fi­cou na fai­xa mé­dia dos 50%. O ide­al se­ria 70%

Jornal do Commercio - - Primeira Página - CINTHYA LEI­TE cinthya­lei­te@ca­sa­sau­da­vel.com.br

Gran­de Re­ci­fe não vai além da fai­xa dos 50%, pou­co pa­ra os 70% re­co­men­da­dos pe­la Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de.

Éum ga­nho quan­do al­can­ça­mos qual­quer au­men­to, mes­mo que dis­cre­to, na ade­são mé­dia de iso­la­men­to so­ci­al – re­co­nhe­ci­do ci­en­ti­fi­ca­men­te co­mo a al­ter­na­ti­va que mais traz re­sul­ta­dos pa­ra con­ter a trans­mis­são do no­vo co­ro­na­ví­rus. Mas o que ve­mos ho­je, dia em que se com­ple­ta a pri­mei­ra se­ma­na de quarentena rí­gi­da em cin­co mu­ni­cí­pi­os do Gran­de Re­ci­fe, é que não con­se­gui­mos ir além da fai­xa mé­dia dos 50%, o que é bas­tan­te aquém do que re­co­men­da a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de (OMS) pa­ra se dei­tar a cur­va epi­dê­mi­ca e sal­var vi­das.

Há 40 di­as, quan­do Per­nam­bu­co ini­ci­a­va o pro­ces­so de ace­le­ra­ção de ca­sos e mor­tes por co­vid-19, o se­cre­tá­rio de Saú­de de Per­nam­bu­co, An­dré Lon­go, já cla­ma­va por um ín­di­ce de iso­la­men­to ele­va­do. “Se es­ti­vés­se­mos com ní­vel de dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al na ca­sa dos 70%, cer­ta­men­te nos­sa cur­va de ace­le­ra­ção epi­dê­mi­ca es­ta­ria me­nor do que es­tá. Mas se ne­nhum iso­la­men­to ti­ves­se si­do ado­ta­do, a cur­va es­ta­ria bem mais ín­gre­me do que es­tá ho­je”, dis­se o se­cre­tá­rio, em co­le­ti­va de im­pren­sa trans­mi­ti­da on­li­ne do dia 13 de abril.

Na­que­la oca­sião, ele já dei­xa­va cla­ro que o ce­ná­rio po­de­ria es­tar me­lhor se a população res­pei­tas­se as me­di­das de res­tri­ções à cir­cu­la­ção. “O ide­al se­ria al­go em tor­no de 70%, e te­mos flu­tu­a­do na ca­sa dos 50%, o que mos­tra que ain­da po­de­mos nos es­for­çar mais”, acres­cen­tou. Es­se de­poi­men­to de Lon­go há mais de um mês, com­pa­ra­do com o pa­no­ra­ma atu­al, faz a gen­te per­ce­ber o quan­to pou­co avan­ça­mos, mes­mo vi­ven­do uma qua­ren­ta du­ra no de­cor­rer nos úl­ti­mos se­te di­as.

Pa­ra a mé­di­ca sa­ni­ta­ris­ta Ber­na­de­te Pe­rez, vi­ce-presidente da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Saú­de Co­le­ti­va (Abras­co), as ta­xas atu­ais de iso­la­men­to so­ci­al no Re­ci­fe, Ja­bo­a­tão dos Gu­a­ra­ra­pes, Ca­ma­ra­gi­be, São Lou­ren­ço da Ma­ta e Olin­da não es­tão su­fi­ci­en­tes pa­ra con­ter o cres­ci­men­to dos ca­sos e das mor­tes, co­mo tam­bém pa­ra per­mi­tir que a re­de de saú­de con­si­ga aten­der os pa­ci­en­tes de for­ma ade­qua­da. Na quin­ta-fei­ra (21), nas cin­co ci­da­des, a ta­xa mé­dia de iso­la­men­to so­ci­al foi de 50,3%, con­tra 48,4% da quin­ta-fei­ra da se­ma­na an­te­ri­or, an­tes do iní­cio da quarentena rí­gi­da. É um tí­mi­do au­men­to.

“Não adi­an­ta só ter­mos um de­cre­to pa­ra ins­ti­tuir uma quarentena se não exis­te uma po­lí­ti­ca de pro­te­ção so­ci­al pa­ra os mais vul­ne­rá­veis. É mui­to di­fí­cil, por exem­plo, fa­zer iso­la­men­to em pa­la­fi­tas do Re­ci­fe. As pes­so­as que vi­vem nes­sas con­di­ções, ali­a­das ao ca­lor da ci­da­de, não con­se­guem so­bre­vi­ver sem cir­cu­lar. São me­di­das de­li­ca­das pa­ra uma re­gião com mui­ta de­si­gual­da­de so­ci­al co­mo a nos­sa”, acre­di­ta Ber­na­de­te, que tam­bém é pro­fes­so­ra da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Per­nam­bu­co (UFPE).

Pa­ra ela, as au­to­ri­da­des sa­ni­tá­ri­as pre­ci­sam exe­cu­tar ações que di­a­lo­guem com as co­mu­ni­da­des mais po­bres e ofe­re­cer al­ter­na­ti­vas pa­ra re­a­li­za­ção do iso­la­men­to. “As es­co­las da re­de pú­bli­ca de en­si­no es­tão fe­cha­das. Elas po­de­ri­am ser­vir de alo­ja­men­to pa­ra es­sas pes­so­as (que não con­se­guem se­guir as re­gras da quarentena por con­di­ções pre­cá­ri­as de mo­ra­dia). Não é só fa­zer is­so. Tam­bém é ne­ces­sá­rio fa­zer ori­en­ta­ção co­mu­ni­tá­ria de for­ma con­ti­nu­a­da e pos­si­bi­li­tar ca­mi­nhos pa­ra que os agen­tes co­mu­ni­tá­ri­os de saú­de che­guem per­to das pes­so­as nes­te mo­men­to, mes­mo que re­mo­ta­men­te, pa­ra fa­zer o tra­ba­lho de edu­ca­ção em saú­de”, com­ple­men­ta Ber­na­de­te, com a cer­te­za de que o iso­la­men­to so­ci­al é va­li­o­so pa­ra sal­var vi­das, mas pre­ci­sa vir acom­pa­nha­do de me­di­das que ga­ran­tam o bem-es­tar das pes­so­as so­ci­o­e­co­no­mi­ca­men­te vul­ne­rá­veis.

Quarentena co­me­çou no úl­ti­mo sá­ba­do, em 5 ci­da­des da RMR

PO­VO NA RUA Em São Lou­ren­ço da Ma­ta, população con­ti­nua cir­cu­lan­do. Ce­nas se re­pe­tem em bair­ros po­bres de ou­tras ci­da­des da RMR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.