L'Officiel Brasil

Lembrança palpável

- POR PAULA ROSCHEL

Regiões contam histórias a cada quilômetro percorrido, entre viagens ou longas estadias. Com a Puglia, ou Apúlia, no bom e velho português, não seria diferente. Aliás, nesse ponto do Hemisfério Norte, tal menu de cultura e arte recebe doses significat­ivas de tempo, em uma jornada lapidada por gerações.

No calcanhar da Itália estão elementos rústicos que brotam por toda a parte, como em seu artesanato típico. Há também muitos rostos sorridente­s ali, entre habitantes de povoados, que socializam em pequenos parques ou praias pouco conhecidas. O calor humano abre caminhos para que visitantes queiram se envolver.

Toda essa atmosfera bucólica, e que para muitos não teria uma relação próxima ao luxo ostensivo de outrora, encontrou o coração e a alma da Dior a bertos para novas e ricas experiênci­as. A marca francesa está em sua fase mais humanizada, desde a entrada da carismátic­a Maria Grazia Chiuri, diretora criativa.

Trata-se de uma mulher forte à frente de uma m aison pautada pela originalid­ade, que resolve pegar carona em suas lembranças da juventude na Puglia para mostrá-las ao mundo da moda, na coleção Cruise 2021. “Procurei dar aos esforços coletivos uma nova dimensão. Apesar das desvantage­ns da distância, trazer uma perspectiv­a diferente para nossas vidas diárias nos deu força e imaginação”, diz Maria Grazia. A apresentaç­ão aconteceu em um período em que a Europa começava a se recompor da primeira onda da pandemia do novo coronavíru­s. Ainda não era muito confortáve­l pensar em um desfile, mas a Dior deu o passo ousado de seguir, minimament­e, com um calendário que mirava um futuro mais otimista.

QUANDO A MODA SE ENVOLVE COM A CULTURA, INTIMAMENT­E ELA PASSA DE UMA SIMPLES JUNÇÃO DE ROUPAS PARA UMA EXPERIÊNCI­A ARTÍSTICA COMPLETA

FONTES INESGOTÁVE­IS

Um dos gatilhos para que Maria Grazia procurasse percorrer destinos afetivos envolveram os textos de Ernesto De Martino. Neles, o antropólog­o explora as tradições da região que influencia­ram autores como Germano Celant e Georges Didi-huberman.

A maison parecia encantada e honrada em poder colaborar, in loco, com os talentosos artesãos e artistas locais. O artista Pietro Ruffo, participan­do da concepção da coleção, imaginou uma paisagem de verão repleta de campos de trigo. Em looks singelos, vestidos longos, camisetas e shorts de algodão encantaram os olhares.

A cultura através da literatura também enriqueceu o universo da marca. Ruffo, inspirado pelas ilustraçõe­s do livro “De Florum Cultura”, publicad o pelo jesuíta Giovanni Battista Ferrari, em 1638, idealizou cinco desenhos de flores adornadas com ditados como “Les Parfums sont les Sentiments des Fleurs”, que, em tradução livre, significa “Os Perfumes são os Sentimento­s das Flores”.

NAS LINHAS

Entre os materiais usados é possível citar os majestosos tecidos da Fundação Le Constantin­e, incluindo o icônico paletó Bar. Na parte posterior das saias

também se encontra o lema da Fundação: “Amando e Cantando”. Mais italiano que isso, impossível. A instituiçã­o visa promover e movimentar a região por meio da preservaçã­o de seu patrimônio cultural, principalm­ente de arte têxtil.

Nos lenços multicolor­idos da coleção está a homenagem às “Luminarie”, tradição que exalta linhas arquitetôn­icas, com a luz de praças e edifícios na Puglia. Elas foram reinterpre­tadas pela artista Marinella Senatore.

P ara fechar em grande estilo, a técnica de bordado tombolo também se fez presente de forma majestosa. “Tombolo lembra-me de onde nasceram algumas das minhas paixões. Minha avó costumava fazer tombolo. Todas as senhoras que conhecia também o faziam, mas ele era considerad­o um trabalho doméstico. Esse espetáculo ajuda as pessoas a perceberem que se trata de um trabalho artístico. Na Itália, ainda não valorizamo­s suficiente­mente os nossos artesãos e eles são uma grande parte da nossa cultura”, diz Maria Grazia.

O passado se fez presente e assim, mesmo que por alguns minutos, a Dior encantou o mundo com técnicas que precisam de almas para saírem do pap el. Em um momento tão delicado do planeta, um pouco de arte faz muito bem.

 ??  ??
 ??  ??
 ??  ??
 ??  ??
 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil