Por que exis­tem pou­cos cães-guia no Bra­sil?

Malu - - Meu pet, minha vida -

Se­gun­do da­dos do IBGE em par­ce­ria com o Mi­nis­té­rio da Saú­de, o Bra­sil pos­sui apro­xi­ma­da­men­te 7 mi­lhões de ha­bi­tan­tes com al­gum ti­po de de­fi­ci­ên­cia visual. Des­ses, 1 mi­lhão têm li­mi­ta­ção in­ten­sa ou mui­to in­ten­sa e são im­pos­si­bi­li­ta­dos de re­a­li­zar ati­vi­da­des ro­ti­nei­ras. Em­bo­ra ha­ja uma enor­me ne­ces­si­da­de, a Se­cre­ta­ria Es­pe­ci­al de Di­rei­tos Hu­ma­nos, do Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça, es­ti­ma que exis­tam me­nos de 200 cães-guia em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. Mas por que es­sa é a realidade?

Ques­tões fi­nan­cei­ras

Para Ge­or­ge Har­ri­son, es­pe­ci­a­lis­ta do Ins­ti­tu­to Mag­nus, “a cau­sa des­se nú­me­ro re­du­zi­do é a au­sên­cia des­sa cul­tu­ra, mo­ti­va­da por al­guns fa­to­res co­mo o bai­xo in­ves­ti­men­to para o trei­na­men­to dos ani­mais e, prin­ci­pal­men­te, pela fal­ta de fa­mí­li­as vo­lun­tá­ri­as para re­ce­bê-los du­ran­te o pe­río­do de so­ci­a­li­za­ção”.

So­ci­a­li­za­ção

Mui­tos não sa­bem, mas a pre­pa­ra­ção des­ses cães não é sim­ples, e vai mui­to além de um trei­na­men­to tem­po­rá­rio. “Des­de os três me­ses de vi­da até por vol­ta de um ano e meio, o ani­mal pre­ci­sa con­vi­ver com uma fa­mí­lia, que se tor­na res­pon­sá­vel por apre­sen­tá-lo às mais va­ri­a­das si­tu­a­ções do dia a dia, co­mo la­zer, vi­a­gens, trans­por­te pú­bli­co e a con­vi­vên­cia com cri­an­ças”, ex­pli­ca. As fa­mí­li­as so­ci­a­li­za­do­ras pre­ci­sam se­guir uma sé­rie de pro­ce­di­men­tos; so­bre­tu­do, pas­sar gran­de parte do dia com os cães. “Is­so é im­pres­cin­dí­vel para que a so­ci­a­li­za­ção se­ja fei­ta cor­re­ta­men­te e o de­fi­ci­en­te visual re­ce­ba um ani­mal ca­pa­ci­ta­do a guiá-lo em qual­quer si­tu­a­ção”, re­for­ça.

Trei­na­men­to

Ao fi­nal do pe­río­do de adap­ta­ção, o cão é de­vol­vi­do para o cen­tro de trei­na­men­to, on­de apren­de os co­man­dos bá­si­cos para as­su­mir o seu pa­pel jun­to ao de­fi­ci­en­te visual. A par­tir daí, ele pas­sa a usar a guia e pei­to­ral com al­ça rí­gi­da, equi­pa­men­tos que ser­vem para co­mu­ni­ca­ção com o hu­ma­no. Des­sa for­ma, o pet vai as­si­mi­lar que es­tá tra­ba­lhan­do quan­do usar o aces­só­rio e que, quan­do não es­ti­ver, po­de brin­car e fi­car à von­ta­de. “Por fim, quan­do o cão já es­tá ha­bi­tu­a­do aos no­vos equi­pa­men­tos e co­man­dos apren­di­dos, ini­cia-se uma no­va eta­pa: a adap­ta­ção jun­to ao seu fu­tu­ro do­no, o de­fi­ci­en­te visual, com quem vai con­vi­ver mui­tos e mui­tos anos – há ca­sos de ani­mais que atu­a­ram co­mo gui­as até os 12 anos”, fi­na­li­za.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.