Vo­cê tra­ba­lha com seu par­cei­ro?

Malu - - Porta-retratos - Mais in­for­ma­ções: www.ama­ril­das.com.br

Camila Cou­to, ori­en­ta­do­ra emo­ci­o­nal para mu­lhe­res, dá al­gu­mas di­cas para que, as­sim co­mo Taís e Lá­za­ro, seu re­la­ci­o­na­men­to e tra­ba­lho com o par tam­bém se­jam bem­su­ce­di­dos!

• “Em pri­mei­ro lu­gar, é es­sen­ci­al que am­bos te­nham plena cons­ci­ên­cia da po­si­ção e do pa­pel que de­sem­pe­nham den­tro da so­ci­e­da­de. A in­ti­mi­da­de en­tre o ca­sal cer­ta­men­te po­de ser um bô­nus, mas se trans­for­ma em ônus quan­do um se acha no di­rei­to de in­va­dir o es­pa­ço do ou­tro e trazer pal­pi­tes ou crí­ti­cas des­ne­ces­sá­ri­as. Tam­bém é im­por­tan­te res­sal­tar que a com­pe­ti­ti­vi­da­de atra­pa­lha o con­cei­to de par­ce­ria em si, tan­to no âm­bi­to pes­so­al qu­an­to no pro­fis­si­o­nal”, res­sal­ta a pro­fis­si­o­nal.

• “A trans­pa­rên­cia e a ob­je­ti­vi­da­de são as me­lho­res es­tra­té­gi­as. Não dá para usar o tra­ba­lho co­mo mo­e­da de tro­ca no re­la­ci­o­na­men­to e nem mis­tu­rar as­sun­tos pro­fis­si­o­nais e pes­so­ais. Is­so sig­ni­fi­ca que tra­ba­lhar jun­tos re­quer ma­tu­ri­da­de, por­tan­to, o ide­al é que a re­la­ção já te­nha co­me­ça­do com o pé di­rei­to, ou se­ja, que ca­da um se­ja in­tei­ro e en­xer­gue no ou­tro um com­ple­men­to para a vi­da, e não uma ne­ces­si­da­de”, re­for­ça Camila, que dá al­gu­mas di­cas prá­ti­cas:

1. Te­nham pa­péis e fun­ções pro­fis­si­o­nais bem de­fi­ni­dos;

2. Se­jam cla­ros e ob­je­ti­vos em su­as co­lo­ca­ções;

3. Evi­tem pal­pi­tes e crí­ti­cas des­ne­ces­sá­ri­as;

4. Nun­ca le­vem uma dis­cus­são ou de­sen­ten­di­men­to pro­fis­si­o­nal para ca­sa, ou pes­so­al para o am­bi­en­te de tra­ba­lho;

5. Pri­o­ri­zem a ver­da­de e o con­cei­to de par­ce­ria.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.