Vo­cê não vai acre­di­tar nes­ta no­tí­cia que cho­cou mi­lha­res de lei­to­res!

Malu - - Dia a dia -

Otí­tu­lo aci­ma cha­mou sua aten­ção para ler es­sa ma­té­ria? Se sim, vo­cê aca­bou de ser psi­co­lo­gi­ca­men­te ma­ni­pu­la­da. Mas não fi­que bra­va: os si­tes fa­zem is­so o tempo to­do. En­ten­da!

Os ca­ça-cli­ques

Mui­tos por­tais de no­tí­cia fa­zem uso do click­bait (“is­ca de cli­ques” ou “ca­ça-cli­ques”, em tra­du­ção li­vre) para que o má­xi­mo de pes­so­as se sin­ta atraí­do e te­nha von­ta­de de cli­car ne­le. Eles par­tem da pre­mis­sa de que o ser hu­ma­no é cu­ri­o­so por na­tu­re­za, en­tão, na­da mais jus­to do que usar is­so para cha­mar a aten­ção. Mas o pro­ble­ma des­tes tí­tu­los ex­tre­ma­men­te ma­ni­pu­la­ti­vos não é sua ca­pa­ci­da­de de atrair o lei­tor, e sim o con­teú­do den­tro da ma­té­ria.

Ti­ro pela cu­la­tra

“Quan­do cli­ca­mos em um de­ter­mi­na­do tex­to, es­pe­ra­mos en­con­trar ne­le exa­ta­men­te aqui­lo que pro­cu­ra­mos. Se um tí­tu­lo pro­me­te mun­dos e fun­dos, ele de­ve en­tre­gar is­so, ou en­tão cor­re o ris­co de per­der o pú­bli­co”, co­men­ta Sa­man­ta Jo­va­na, re­da­to­ra da Co­mu­ni­da­de Rock Con­tent.

Não va­le na­da!

Es­se ti­po de ma­té­ria au­men­ta a vi­si­bi­li­da­de de um si­te (e a sua ren­da, ca­so ele se sus­ten­te por meio de anún­ci­os). Por ou­tro la­do, o usuá­rio tem uma ex­pe­ri­ên­cia po­bre no si­te. “Quan­do che­ga­mos ao fim de um tex­to click­bait, cos­tu­ma­mos nos sen­tir en­ga­na­dos por­que o con­teú­do não era tão ur­gen­te ou re­ve­la­dor qu­an­to pa­re­cia”, res­sal­ta a es­pe­ci­a­lis­ta. Sen­do as­sim, ao es­bar­rar com uma man­che­te mui­to pro­mis­so­ra ou que te dei­xe com a pul­ga atrás da ore­lha, evi­te!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.