Clu­be Da lei­tu­ra

Para dri­blar de­sa­fi­os nos ne­gó­ci­os, ca­sal de jor­na­lei­ros fo­cou em pú­bli­co in­fan­til e trans­for­mou ban­ca em um cen­tro cul­tu­ral

Malu - - Bem-estar -

Um lá­pis com Uma bor­ra­cha di­fe­ren­te Ou Uma car­tei­ri­nha na mo­chi­la de Al­gu­ma

cri­an­ça de Ita­bi­ri­to, em Mi­nas Ge­rais, já de­nun­ci­am: ela faz parte do Clu­bi­nho da Ban­ca, cri­a­do por Ka­re­ni­na Cruz, ao la­do de seu ma­ri­do, An­to­nio Se­nem da Cruz. A ideia sur­giu lo­go que Ni­na, co­mo pre­fe­re ser cha­ma­da, as­su­miu a Ban­ca 1º de Maio e se viu di­an­te de um de­sa­fio: a ban­ca es­ta­va com res­tri­ções para com­prar re­vis­tas. In­ves­tir em li­vros foi a so­lu­ção para re­er­guer o ne­gó­cio. Por uma men­sa­li­da­de de 20 a 40 re­ais, Ni­na vai à ca­sa dos as­si­nan­tes do clu­be e en­tre­ga um li­vro e um brin­de. Para es­co­lher a pu­bli­ca­ção ade­qua­da ao per­fil de ca­da cri­an­ça, ela re­ce­be ori­en­ta­ção pe­da­gó­gi­ca e psi­co­ló­gi­ca. “Se uma mãe es­cre­ve que o fi­lho não gos­ta de ler, man­da­mos al­go so­bre jo­gos, para que ele pri­mei­ro pas­se a gos­tar de re­ce­ber o li­vro”, diz Ni­na, que tam­bém faz par­ce­ri­as com co­mer­ci­an­tes. “Ao apre­sen­tar a car­tei­ri­nha, é pos­sí­vel re­ce­ber brin­des em lo­jas de rou­pas, pro­mo­ções em lan­cho­ne­tes e des­con­tos no cur­so de in­glês, por exem­plo”, afir­ma. Em me­nos de um ano, o Clu­bi­nho da Ban­ca já tem 110 as­si­nan­tes de 1 a 15 anos de ida­de. O ca­sal tam­bém con­se­guiu ne­go­ci­ar com as dis­tri­bui­do­ras e já ope­ra nor­mal­men­te. O es­pa­ço em fren­te à ca­sa de­les deu origem a uma li­vra­ria, on­de re­a­li­zam men­sal­men­te even­tos para as cri­an­ças do Clu­bi­nho, co­mo con­ta­ção de his­tó­ri­as, tar­de de au­tó­gra­fos e au­la de pi­a­no. “Quan­do com­pra­mos a ban­ca, mui­tas pes­so­as fa­la­ram que não ia dar cer­to, que to­do mun­do lia pela in­ter­net. Con­se­gui­mos in­cluir a ban­ca na ro­ti­na da ci­da­de.” Em abril, o ca­sal inau­gu­rou sua se­gun­da ban­ca. “Fi­ca no bair­ro on­de es­tá a mai­or quan­ti­da­de de as­so­ci­a­dos do Clu­bi­nho. Sen­ti­mos que es­sa re­gião era mais ca­ren­te de ati­vi­da­des”, ex­pli­ca. A ideia é le­var co­nhe­ci­men­to para a área e atrair um no­vo pú­bli­co. “Va­mos sair um pou­co do mo­vi­men­to cen­tral”, diz a jor­na­lei­ra, que pre­ten­de ex­pan­dir os ne­gó­ci­os sem dei­xar de la­do o aten­di­men­to per­so­na­li­za­do. “Mi­nha fi­lha já per­gun­tou se eu vou con­ti­nu­ar fa­zen­do as en­tre­gas pes­so­al­men­te quan­do hou­ver mais as­si­nan­tes. E eu di­go que sim. Ver uma cri­an­ça es­pe­ran­do por vo­cê e por um li­vro na por­ta não tem pre­ço.” A ação ino­va­do­ra e o ca­ri­nho com os cli­en­tes trans­for­ma­ram o ne­gó­cio em um pon­to de cul­tu­ra na ci­da­de, es­ti­mu­lan­do não só a vi­si­ta às ban­cas co­mo a lei­tu­ra de jor­nais, re­vis­tas e li­vros.

an­to­nio Se­nem da Cruz e Ka­re­ni­na Cruz re­pen­sa­ram es­tra­té­gia para re­er­guer o em­pre­en­di­men­to INOvA­çãO_

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.